Megumi Igarashi causa debate por ter sido presa por imprimir réplica 3D de sua vagina

A artista japonesa Megumi Igarashi foi presa por criar uma réplica tridimensional de sua vagina e iniciou debates por todo o Japão.

Magumi Igarashi mostra seu projeto "barco vagina"

Prisão da artista japonesa

No ano de 2014, Megumi Igarashi, de 43 anos de idade, sob nome artístico Rokude Nashiko, que significa “garota má”, foi acusada de fornecer o arquivo de sua vagina 3D para qualquer pessoa com acesso a impressora 3D poder criar uma réplica de seu órgão genital.

 

Artista Magumi Igarashi

Na época, ela criou um caiaque com o formato polêmico e foi acusada de ter dado o arquivo para um homem de cerca de 30 anos residente de prefeitura de Kagawa.

Apesar da indústria pornográfica faturar bilhões de ienes, os atos obscenos, como fotos de órgãos genitais é considerado ilegal e constantemente censurados.

No caso da artista, ela foi condenada por ter esse tipo de material com objetivo de conseguir ganhos materiais, o que equivale a dois anos de prisão e multa de 2,5 milhões de ienes.

Igarashi chegou a dizer que sua arte era baseada em seu poder de expressão, mais do que oferecer material indecente para as pessoas.

“Sou inocente porque minha arte não é obscena”. Segundo seus advogados as acusações foram exageradas.

Barco de artista Magumi Igarashi

A prisão da artista gerou muito debate nos programas e noticiários ao redor do mundo, e os assuntos discutidos geraram em torno dos direitos das mulheres e liberdade artística.

“Sempre argumento que é estranho uma única parte do corpo humano causar tanto estranhamento, afinal, toda mulher tem uma vagina e não deveria ser obsceno”

“Algumas pessoas dizem que meu trabalho é barato e não deveria ser considerada arte, mas isso não deveria justificar a ação da polícia em me prender.”

“O fato de isso ter acontecido mostra que o Japão está retrocedendo sobre a expressão sexual da mulher, que apenas é aceita para satisfazer os desejos masculinos”

capa de celular vagina de Igarashi

Antes de fazer o caiaque, Igarashi já havia sido presa antes ao exibir suas criações, esculturas de sua vagina com diferentes utilidades, como um carro movido a controle remoto e uma capa de celular, disponíveis em uma feira de entretenimento adulto em Bunkyo Ward, em Tóquio.

Leia também:

“A vagina é considerada tabu na sociedade japonesa. O pênis, por outro lado, é usado em ilustrações e se tornou parte da cultura pop”

festival da fertilidade no Japão

Levantando a bandeira do feminismo, diz que o órgão sexual feminino não deve causar desconforto ou estranhamento.

mascote vagina de Magumi Igarashi

Muitos artistas ofereceram apoio e ficaram chateados, pois o governo não poderia definir o que é arte.

Megumi Igarashi acabou escrevendo um livro sobre o caso, concorrente do prêmio literário oferecido pela L.A Times. Casada com o líder de uma banda de rock, vive na Irlanda, possui um filho e deseja poder expor suas obras no Japão novamente.

O que vocês acharam? Exagero do governo japonês ou acharam a atitude de Igarashi obscena? Não deixe de comentar.

Megumi Igarashi
Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link