De Bon Odori à Tooro Nagashi: Confira 5 tradições do Obon no Japão

De origem budista, o Obon (お盆) é uma das tradições religiosas mais importantes do Japão. Acredita-se que, durante este período, os espíritos dos antepassados retornam às suas casas para se reunirem com a sua família. Por esta razão, este é um momento importante para reuniões familiares onde muitas pessoas retornam para suas cidades natais.

Embora o Obon não seja um feriado nacional oficial, muitas pessoas costumam tirar alguns dias de folga durante essa época para visitar a família. Nessa temporada, aeroportos, estações de trem e rodovias ficam cheias de viajantes.

O Obon era, originalmente, comemorado em torno do 15º dia do sétimo mês do calendário lunar. Hoje em dia, as datas exatas podem variar dependendo da localização. Na maioria das regiões, o período de celebração do Obon começa no dia 13 e termina no dia 16 de agosto.

Com a finalidade de homenagear os ancestrais, são realizados muitos rituais e festivais por todo o território japonês. Embora algumas tradições do Obon possam variar de acordo com a região do país, existem alguns costumes que são praticados pela maioria dos japoneses. Vejamos 5 deles:

1 – Fogo de boas-vindas (迎え火, Mukaebi)

Mukaebi
(Crédito: tumago)
Mukaebi
(Crédito: tumago)

No primeiro dia do Obon, é realizada a prática de mukaebi, no qual as pessoas fazem uma pequena fogueira na frente de suas casas e acendem lanternas de papel (提灯, chōchin) para orientar os espíritos de volta às suas casas.

2 – Oferecer alimentos, bebidas e doces (お膳, Ozen)

butsudan
(Crédito: Divulgação)

Dentro das casas, uma variedade de oferendas de alimentos e bebidas como frutas, vegetais, arroz, doces artesanais e chá verde são oferecidos aos espíritos dos antepassados ​​diante do altar budista (butsudan) da família. A comida, quando “compartilhada” com os mortos, é chamada de ozen.

butsudan
(Crédito: Divulgação)

Algumas pessoas também preparam cavalos feitos de pepinos e vacas de berinjelas usando palitos de madeira para as pernas. O simbolismo por trás disso é que o cavalo ajudará os espíritos a voltar para casa logo que possível, enquanto a vaca os levará de volta ao céu lentamente assim que o festival acabar.

Leia também:

3 – Visitas ao túmulo e limpeza (御墓参り, Ohakamairi)

Ohakamairi
(Crédito: Savvy Tokyo)

O Obon também é um período onde as famílias visitam os túmulos de seus antepassados. Este é um momento em que as pessoas rezam aos seus antepassados e dedicam um tempo para se lembrar dos entes que já se foram.

Ohakamairi
(Crédito: toyama.areablog)

Neste dia, as pessoas também fazem rituais de limpeza. Usando uma escova, elas limpas as sujeiras, depois enxaguam a pedra usando um balde de água e concha especiais para este propósito.

4 – Bon Odori (盆踊り)

Bon Odori (dança folclórica) teve início há centenas de anos como atos religiosos e espirituais. Hoje em dia, ele é amplamente praticado nas noites de Obon.

Geralmente, as danças são realizadas em locais como parques, jardins, santuários e templos, onde a maioria das pessoas vestem yukata (kimono de verão) e movimentam-se ao som dos taikos.

Bon Odori no Santuário Hanazono em Tokyo. (Crédito: Wikimedia Commons)

Há festivais de Bon Odori em todo o Japão. Também existem diversos estilos de dança que variam em cada região. O mais comum é aquele executado em torno de um yagura, uma plataforma central elevada onde uma pessoa canta e outras tocam instrumentos tradicionais. Os dançarinos realizam os mesmos passos simultaneamente, enquanto se movem em um círculo grande em volta do yagura.

Awa Odori de Tokushima. (Crédito: flickr/Rosino)

Outro estilo bastante famoso é o Awa Odori, realizado com pequenas comitiva de dançarinos que se deslocam pelas ruas da cidade em seus próprios grupos menores. Este festival, que ocorre em Tokushima, atrai mais de um milhão de turistas por ano.

Ainda existem Bon Odori realizados para fins ritualísticos ao invés de entretenimento. Um exemplo é o Shiraishi Odori que vem sendo realizado há mais de 700 anos. Sua finalidade é rezar pelas almas dos guerreiros que lutaram nas batalhas marítimas das Guerras Gempei (1180-1185).

5 – Despedindo-se dos espíritos (送り火/灯籠流し, Okuribi / Tooro Nagashi)

Para marcar o fim período do Obon e para orientar os espíritos visitantes de forma segura de volta ao mundo dos mortos, chamas são acesas em todo o Japão.

tooronagashi
(Crédito: Divulgação)

As famílias se despedem colocando lanternas de papel iluminadas por uma vela (chōchin) nas águas de um rio em uma cerimônia chamada Tōrō Nagashi (lanternas flutuantes). Essa prática tem como finalidade iluminar o caminho de retorno das almas.

Daimonji
Kanji Dai (大) no Daimonji Gozan Okuribi em Kyoto, Japão. (Crédito: Wikipedia)

Outra forma de cerimônia de despedida bastante famosa é o Daimonji Gozan Okuribi de Kyoto. Este festival consiste em cinco fogueiras gigantes que são acesas nas encostas das montanhas que cercam a cidade. As fogueiras gigantes são acesas, cada uma com um formato distinto. O mais famoso, e o primeiro a ser aceso, é o kanji dai (大, grande), na Daimonji yama.

 

Apesar da semelhança com o Dia dos Finados celebrado no Brasil, o Obon é considerado uma ocasião alegre em que predomina um clima de jovialidade, gratidão e participação geral.

Fonte: Sora News 24trip savvy, Savvy Tokyo

Comentários

Copy link