Por que o Japão é pouco aberto aos trabalhadores estrangeiros e quais imigrantes têm mais chances atualmente?

As oportunidades são crescentes no país, onde mais de um quarto da população tem 65 anos ou mais. Mas quais imigrantes têm mais chances?

Leia também:

Oportunidades para imigrantes

O envelhecimento da população do Japão está levando a projeções de uma terrível escassez de mão-de-obra na terceira maior economia do mundo. E o primeiro-ministro, Shinzo Abe, já deixou claro nos últimos anos que a abertura do país à imigração permanente, como mão-de-obra não qualificada, não é uma boa opção.

Isso reflete um medo histórico do povo japonês, o de que os estrangeiros causariam inquietação social e deteriorariam a identidade nacional. Mas, as oportunidades estão crescendo para os trabalhadores estrangeiros. Isso porque mais de um quarto da população do Japão tem 65 anos ou mais.

O mal é a escassez de trabalho?

A população do Japão atingiu o pico em 2008, mas espera-se que o número de trabalhadores caia dos 64 milhões atuais, para 56 milhões em 2030.

Porém, uma pesquisa recente, sobre a força de trabalho no Japão, mostrou que 86% dos empregadores japoneses relataram ter dificuldades em preencher suas vagas. Isso é mais do que em qualquer outro país pesquisado.

E ainda assim, o Japão tem uma das mais baixas taxas de desemprego, entre os países desenvolvidos, com 3,1%. E a previsão é de queda.

Como o Japão tem tratado esse problema até agora?

Abe já pediu às mulheres e aos idosos que participem. Por isso, a participação da força de trabalho está aumentando entre os dois grupos. Mas não o suficiente para cobrir a escassez.

Isso porque as mulheres, muitas vezes, têm dificuldades para encontrar apoio nos cuidados infantis ou de idosos. E ainda, o Japão está se voltando cada vez mais para uma fonte de trabalho vista como uma ameaça em muitas nações industrializadas: os robôs.

Mesmo assim, o governador do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, está entre os que pedem por mão-de-obra estrangeira mais qualificada.

Então, porque o medo de aceitar mais trabalhadores estrangeiros?

Embora as opiniões públicas se mostrem divididas em relação à imigração, os analistas citam a preocupação de que os estrangeiros aumentariam as baixas taxas de criminalidade no Japão.

E ainda, o chamado programa de estágio, que emprega cerca de 210.000 pessoas, principalmente da China, tem sido repetidamente criticado pelo Departamento de Estado dos EUA como uma forma de trabalho forçado.

Quantos estrangeiros vivem no Japão?

Os números mais recentes chegam a 1 milhão. Onde, mais de um terço são de chineses. Porém o maior aumento são de imigrantes vietnamitas, que nos dois últimos anos cresceu em cerca de 80%. E ainda, cerca de um terço desses totais estão empregados na indústria, com aumentos também na área de hotelaria e restaurantes.

Um detalhe interessante: o Japão tem um dos mais baixos níveis de cidadãos nascidos no exterior.

Como o Japão está abrindo aos trabalhadores estrangeiros?

O governo está afrouxando as regras para os estrangeiros que aceitam empregos para cuidar de idosos. E nesses casos, que eles entrem no país sob o sistema de estágio.

Recentemente também, o país está recebendo imigrantes que devem trabalhar na orientação de turistas, limpeza de casas e no trabalho agrícola.

Além disso, Abe também prometeu facilitar a entrada e a residência permanente para trabalhadores qualificados.

Quem tem mais chance?

Nos últimos anos houveram vários impulsos para atrair estrangeiros, mas também esforços para afastá-los.

Quando o desemprego aumentou, após a crise financeira global de 2007-2008, os trabalhadores latino-americanos de ascendência japonesa reclamaram quando lhes foi oferecido dinheiro e uma passagem só de saída do Japão em troca da promessa de nunca mais voltar.

Por isso, o atual impulso está mais focado nos asiáticos do sudeste, que são vistos como mais compatíveis com o estilo de vida do Japão.

Qual é sua opinião sobre essas decisões? Comente!

Fonte: TodayOnline

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link