Polícia pega ladrão misterioso de sapatos – entenda os crimes no Japão

Durante meses, os cidadãos e a polícia de Nagaokakyo procuravam um ladrão que roubava sapatos de frente das casas. Esse crime no Japão intrigou os moradores e teve um desfecho inusitado.

Sapatos que somem

Eles simplesmente sumiam das entradas, já que é costume retirá-los. Com os vizinhos do bairro reunidos e intrigados, a polícia abriu uma investigação.

Durante a noite, eles fizeram uma ronda para tentar pegar o ladrão. Eles esperaram pacientemente da meia noite até seis da manhã.

Foi aí que eles viram algo que os surpreendeu. Duas raposas rondando o quintal de uma residência.

Eles seguiram os dois animais e encontraram 40 pares de sapatos e o mistério foi resolvido. O chefe do zoológico da cidade de Kyoto, Naoki Yamashita explicou a situação.

Segundo Yamashita as raposas estavam estocando sapatos por instinto, assim como fazem com a comida. Assim como aconteceu no Japão, casos semelhantes também ocorrem na Alemanha e Inglaterra.

Com o caso resolvido, a polícia instruiu os moradores a não deixarem seus sapatos do lado de fora.

Crimes no Japão

Casos como esses são bem comuns no Japão e as ocorrências se resumem a pequenos furtos, chikans nos trens, objetidos perdidos e casos que parecem ter saído de um roteiro de cinema.

Lado engraçado

Afinal, o Japão é um dos países com as menores taxas de criminalidade do mundo. É menos de 1%. Aliás, já falamos aqui, que o índice de criminalidade é tão baixo que os policiais enfrentam monotomia.

Também citamos um ladrão sendo capturado pela polícia em câmera lenta, um homem que furtou uma bicleta e arrependido, chegou a devolver o objeto, com um pedido de desculpas e envelope com dinheiro.

Porém, existem também facetas da sociedade japonesa que são mais difíceis de compreender. Engana-se quem pensa que por causa do baixo índice de crimes, o Japão não sofra com problemas. Eles são apenas diferentes.

Leia também

Idosas estão cometendo crimes no Japão, saiba os motivos

Homem misterioso é preso por viver na casa de uma idosa durante quase meio ano sem ser notado

Hikikomori: meio milhão de pessoas nunca saem de casa no Japão, saiba os motivos

Índices caíram

Aliás, em 2018 os números despencaram em 915,042. É o menor registrado desde o fim da Segunda Guerra, segundo o agência nacional da polícia.

Segundo Akiyoshi Takumori, em entrevista para a Bloomberg, economista chefe da Sumitomo Mitusi, o que causou a queda foi o aumento da economia japonesa. Com o aumento dos empregos, o crime diminui ainda mais.

Novos golpes

Porém, os poucos delitos que são cometidos estão mudando de acordo com o tempo também. Os novos alvos são os idosos e um golpe que está ficando comum. A pessoa liga e finge ser um parente (filho ou neto) que precisa de dinheiro.

Apenas em 2017, foram registrados 9,000 casos assim. Porém, grande parcela não comete crimes, pois tem medo de ir para a prisão.

Medo de ir preso

Conhecida por ser rígida, o encarceramento acaba causando um estigma social e pode destruir a vida na sociedade japonesa. E ao contrário do que acontece no Brasil, no Japão a pessoa é considerada culpada até que prove o contrário.

Portanto, os suspeitos são tratados como criminosos e coagidos a cooperar, fazendo com que a taxa de confessos seja de 99%.

A cultura é que o indivíduo repense seus erros com muita disciplina e não apenas seja punido pela lei ficando trancado. Além disso, o período na prisão é bem difícil e para os estrangeiros chega a ser traumatizante.

Leia também

Saiba como é a prisão no Japão

Quão seguro é o Japão? Mapa interativo aponta locais de ocorrências de crimes em todo o país

Ainda assim, a taxa de indivíduos que vão para a prisão no Japão é um dos mais baixos entre os países industrializados. É 13 vezes menor que os Estados Unidos e 3 menor que a Inglaterra.

Leis rígidas

Além disso, o país possui uma das leis mais rígidas para o porte de arma também. É preciso passar em uma prova e teste rigorosos de tempos em tempos. Além de ter que informar para a polícia o local onde ela será armazenada, que deve ser protegido com cadeado.

Fontes: Bloomberg e CNN.

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa Newsletter e compartilhe.

Comentários

Copy link