Revolta de Shinjuku: protesto violento que marcou época

A revolta de Shinjuku aconteceu há 50 anos e ainda marca a história do Japão. Os protestos foram marcados pela violência e as poucas imagens e fotos existem daquela época.

Revolta de Shinjuku

Entre 1967 e 1969, ocorreram uma série de protestos envolvendo movimentos de estudantes universitários. Aos poucos, os conflitos foram aumentando até acabar na grande revolta da estação de Shinjuku.

A revolta ficou conhecida como Revolução global de 1968, despertando protestos ao redor do mundo pela luta dos direitos civis.

Nos Estados Unidos, houve o protesto contra a guerra do Vietnam, na China, uma revolução cultural, na Alemanha e França, os estudantes foram para as ruas também.

Na época, a industrialização tomava conta rapidamente e o ocidente começava a influenciar os japoneses. Isso causou um crescimento econômico muito rápido que desencadeou problemas sociais.

Longo caminho para a revolta

Tudo começou em 1960, quando um movimento apareceu protestando contra a ratificação dos Estados Unidos e Japão em relação a segurança (Anpo).

O acordo permitia que os Estados Unidos mantesse suas bases militares no Japão e os autorizava a intervir em casos de problemas domésticos.

Então, ex membros do Partido Comunista Japonês (JCP) se reuniram e tomaram o controle do movimento estudantil Zengakuren.

Eles tentaram impedir a ratificação, mas não conseguiram. Então, eles se dividiram em várias facções conhecidas como sekuto. O poder foi dividido e eles não

conseguiram mais se organizar, já que cada um tinha uma liderança.

Enquanto isso, a rápida industrialização amenizava a pobreza e os estudantes não tinham interesse político ou fazer parte de qualquer movimento estudantil.

Por exemplo, em 1964 poucos estudantes apareceram no porto de Yokosuka para protestar contra o a entrada do submarino nuclear americano no porto.

Protesto em Haneda

Então, em outubro de 1967, um pequeno grupo de ativistas com capacetes brancos e pedaços de paus confrontaram a polícia perto do aeroporto de Haneda.

Eles queriam impedir a ida do primeiro-ministro Sato Eisaku para o Vietnam. O confronto foi violento e um estudante acabou morrendo. As imagens do protesto foram transmitidos pela televisão.

Barricadas pelas Universidades

Estudantes da Universidade de Tokyo e Nihon, que representavam a elite e eram uma das maiores fundaram o Zenkyoto. Eles eram independentes dos setores do Zengakuren e aceitavam todos os tipos de pessoas, mesmo sem ideologias.

Em junho de 1968, armaram uma barricada na entrada do campus e clamavam por mais liberdade acadêmica. Os estudantes já haviam sido impactados pelas imagens do protesto de 1967 e por todas as Universidades do Japão, movimentos foram criados para clamar pelos direitos.

Eles pediam democracia, reformas e direitos. Emtão, barricadas começaram a ser feitas por todas as universidades do país. Algumas duraram seis meses. Fato é, que os ânimos estavam exaltados.


Leia também


Em 21 de outubro de 1968, quase 290,000 pessoas foram para as ruas para protestar contra a guerra do Vietnam.

Então, o ato tomou rumos violentos. Um comício estava sendo feito na estação Shinjuku e acabou em confronto com a polícia japonesa.

Bancos foram arrancados, colocaram fogo em vagões e as chamas de espalharam. O confronto foi um dos mais terríveis e 700 pessoas acabaram presas.

Embora os materiais audiovisuais sobre a revolta de Shinjuku não estejam disponíveis na internet, é possível que o vídeo seja uma amostra do ocorrido.

Ainda que não haja quaisquer informações na descrição do vídeo, é possível compreender como os eventos aconteceram e como foi o confronto entre as forças de segurança e a sociedade civil.

Até hoje é difícil saber quais foram as causas do confronto em Shinjuku, quem começou ou os motivos. Até os jornais grandes do Japão evitam detalhar o ocorrido e fica mais difícil saber.

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa newsletter.

Revolta de Shinjuku
Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link