Butoh: conheça um pouco sobre a dança sombria do Japão

A produção e inovação cultural do Japão através dos milênios são magníficas, entre as mais recentes está uma dança sombria chamada Butoh.

Essa expressão artística foi desenvolvida pelo artista e coreógrafo japonês Hijitaka Tatsumi e ganhou notoriedade mundial nas décadas de 70 e 80.

A primeira apresentação oficial no Japão aconteceu em 1959 com o nome de Kinjiki, uma obra inspirada no romance do escritor e dramaturgo Yukio Mishima.

Aqueles que já assistiram uma apresentação de Butoh sabe que é impossível ficar indiferente ou alheio a essa dança sombria.

Os sentimentos expressos pelos artistas são extremamente viscerais e às vezes até mesmo perturbadoras, mas existe uma razão religiosa e histórica para isso.

O Japão e a história

Hijitaka Tatsumi nasceu em 1928 em Akita. Durante sua infância, os cidadãos japoneses lembravam com saudosismo o êxito do império japonês na primeira guerra mundial.

Afinal, durante a primeira grande guerra, a economia japonesa teve um grande salto e não houve conflito dentro do território japonês.

Então, a maioria da população não vivenciou a guerra da mesma forma que os países europeus e africanos.

Quando a guerra realmente chegou ao Japão durante a segunda grande guerra, os horrores dos bombardeiros, das percas humanas, da destruição das cidades trouxeram experiências traumáticas para a população japonesa.

Nesse momento, assim como os movimentos artísticos, como o surrealismo e o dadaísmo surgiram durante a primeira guerra mundial, um novo horizonte se apresentou para a arte japonesa.

Leia também

Kazuo Taoka: Yakuza conhecido como urso foi o poderoso chefão do Japão

Yonsei da quarta geração não demonstra interesse em morar no Japão (até agora)

Saiba tudo sobre o aplicativo Line no Japão

O surgimento do Butoh no Japão

Hijitaka Tatsumi trabalhou com o artista Kazuo Ohno. Ambos testemunharam a segunda guerra mundial, a destruição das cidades de Hiroshima e Nagasaki e a baixo autoestima da nação.

Após se renderem oficialmente em 1945, o Japão foi ocupado pelas forças militares estadunidenses e uma série de mudanças radicais começaram a acontecer no país.

A dança se trata da busca pela identidade perdida, a grande nação derrotada e ocupada e as transformações radicais na cultura e nos valores da sociedade japonesa.

Existe uma grande aproximação entre as apresentações e o shintô. Para além das questões enfrentadas pela sociedade japonesa no pós guerra, o Butoh também reflete sobre a união do ser humano com a natureza.

Uma espécie de despertar dos poderes adormecidos nas profundezas da alma humana, existe apenas a expressão mais pura do sentimento que transita no corpo.

Outro aspecto interessante sobre a dança sombria japonesa é a negação da tecnologia e seu poder destrutivo fortemente influenciado pelos ataques nucleares.

De fato, atrás do Butoh está a percepção que o corpo humano, por si só, é uma obra de arte. Os atos são puros e artísticos, o atuar e representar não fazem parte do conceito.

A própria dança por trás dos movimentos corpóreos estão ligadas a comunicação não verbal que expressa dor, alegria, angústia e qualquer emoção ou sentimento.

Confira uma pequena apresentação de Butoh.

E então? O que achou? Não deixe de comentar e se inscrever em nossa newsletter.

Butoh
Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link