Indústria de animes do Japão sofre com falta de desenhistas

Os animes do Japão são um dos principais cartões de visitas do país. Em boa medida, eles foram responsáveis por divulgar muitos aspectos culturais.

Na premiação mais importante de animes do mundo em Annecy na França em 2019, três dos dez filmes e disputavam o prêmio máximo eram japoneses.

Porém, essa supremacia está sendo colocada em xeque pelas produtoras Pixar e Disney com suas animações computadorizadas.

Concorrência

Nos últimos anos, os estúdios de animação dos EUA estão surpreendendo na quantidade e qualidade das animações (além da incrível popularidade mundo afora, é claro).

Crise criativa

Enquanto isso, a indústria de animes do Japão enfrenta uma crise sem precedentes na história do país.

Existem vários motivos para esse declínio. Embora os animes japoneses ainda sejam adorados pelos fã do gênero e apresentar crescimento e lucro, há um déficit de criadores, especialmente das novas gerações.

Além disso, os salários baixos, más condições de trabalho e com cargas horárias entre 12 e 18 horas por dia são fatores negativos para novos talentos.

Falta de desenhistas

Desenhos anime

Embora a falta de criatividade seja um problema latente, Yoshiaki Nishimura, ex produtor do Studio Ghibli afirmou em entrevista a AFP que nos últimos anos aparecem cada vez menos desenhistas.

Hayao Miyazaki desenhando
Hayao Miyazaki desenhando

Ainda de acordo com Nishimura, a padronização gráfica dos filmes de animação estão tornando o mercado de profissionais que desenham a mão escassos no país.

Leia também

Gostou do anime Kimi no Na wa? Veja cinco opções para maratonar que são igualmente emocionantes 

Indústria do anime fatura 2 trilhões de ienes apenas no Japão 

Top 10 animes com maiores bilheterias de todos os tempos 

Arte conceitual
Arte conceitual do anime A princesa Mononoke

No Japão, a maioria dos animes ainda são feitos a mão e demoram bem mais para serem finalizados.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Fontes: AFP e Japan Today.

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link