Motivos do Japão ser mais resistente a notícias fake news

Atualmente, o mundo vive uma crise de confiança entre as emissoras de televisão e veículos de comunicação tradicionais, especialmente entre os mais jovens. Já no Japão, é um pouco mais difícil (não impossível) de notícias falsas se espalharem. Saiba mais.

Com a democratização e descentralização das fontes de informação que surgiram graças aos avanços tecnológicos e a popularização da tecnologia um problema veio junto.

Fake news

No caso da democratização das fontes de informação, uma enorme onda de fake news literalmente alterou o mundo com exemplos nos Estados Unidos, Brasil e mais.

Embora o as notícias falsas não sejam um fenômeno novo, na era digital elas se tornaram muito mais fáceis de serem produzidas e seu alcance não tem limites.

Empresas especializadas em mineração de dados digitais, como a Cambridge Analytica são capazes de direcionar notícias falsas de forma quase personalizada.

São poucos os países que possuem veículos de comunicação tradicionais e emissoras de televisão que ainda gozam da confiança de seus espectadores e leitores.

Japão – o ceticismo clássico do oriente

Sociedades baseadas nos princípios budistas e confucianos, como o Japão tendem ao ceticismo e pragmatismo.

De forma sucinta, as sociedades do oriente possuem uma visão mais prática de vida. São pessoas que costumam acreditar em algo somente depois de verificar sua veracidade e na prática.

Essa forma de enxergar a vida continua sendo uma característica viva dentro da sociedade japonesa nas novas gerações.

No entanto, ao contrário dos povos ocidentais, os japoneses não costumam questionar e bater de frente, mas preferem adotar uma postura investigativa para se manifestar depois para não quebrar a harmonia.

Emissoras de televisão detém confiança

Canal japonês na televisão

Em tempos de redes sociais e de um público apressado que normalmente lê apenas o título de uma reportagem, matéria ou link de notícias sem nem ao menos abrir seu conteúdo, as emissoras de televisão de todo o mundo vêm perdem espaço. No entanto, isso não acontece no Japão.

Uma pesquisa recente realizada pela Nippon Foundation com jovens de 18 anos de todo o Japão revelou dados surpreendentes.

Fonte de informação

Questionados sobre quais eram as principais fontes de informações utilizadas, 82,1% responderam que a televisão era a principal e mais confiável fonte.

Redes sociais eram a segunda opção de informações para 47,1% dos entrevistados. O terceiro lugar ficou com os portais e sites de notícias de periódicos com 45,1% da preferência.

Credibilidade

O que mais surpreendeu os pesquisadores foi a credibilidade que os jovens japoneses de 18 anos possuem nas mídias tradicionais.

Jornais japoneses

Apesar de nenhum meio de comunicação (inclusive amigos e familiares) atingirem os 30% dos entrevistados, a televisão foi escolhida por ser a mais confiável (26,2%), seguida dos jornais (25,7%) e rádios (10%).

Leia também

Lenda urbana de japonês morto por sua coleção de pornografia é fake news 

Notícias no Japão: como a forma em consumir informação mudou? 

Vila Inunaki é alvo de muitas lendas urbanas no Japão 

Além disso, 84,1% dos entrevistados afirmaram duvidar da veracidade de informações e notícias que surgem da internet e apelam para os meios tradicionais para checar a veracidade. Para 56,6% dos jovens deveria existir leis para combater as fake news.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link