Hospital no Japão passa a aceitar grávidas para nascimento anônimo

O hospital no Japão chamado Jikei em Kumamoto é famoso por receber bebês não desejados de forma anônima através de uma portinhola que dá acesso a um pequeno espaço para deixar o recém-nascido. (Konotori no Yurikago).

Hospital no Japão Jikei

Agora, eles passarão a aceitar mulheres grávidas que não desejam ficar com seus bebês. Elas terão apoio ao parto, custos pagos e em troca elas deixam seus dados em um cadastro confidencial.

A nova iniciativa é uma forma de garantir o direito de a criança saber quem é sua mãe biológica a partir dos 16 anos, se ela desejar. Esse programa começou na Alemanha em 2014.

O hospital resolver copiar a proposta, pois muitos recém-nascidos indesejados estão sendo abandonados e até mortos.

Além disso, as mulheres se colocam em risco e acabam parindo em condições inapropriadas, como dentro do carro ou no banheiro de casa.

Leia também

Hospital de Kumamoto possibilita maternidade anônima através de método polêmico no Japão

Conheça a luta dos pais solteiros no Japão

Descubra como é o aborto no Japão

Quando uma mulher grávida se interessar pelo nascimento anônimo deverá passar por uma reunião em que ela decidirá a partir de quantos anos a criança terá direito a suas informações se assim ela quiser.

No entanto, caso a mulher não queira deixar sua identidade, a criança não terá o direito de saber quem é sua mãe biológica, mas ainda assim terá seu parto custeado no hospital.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link