Nakano Takeko: samurai que recusou se render e foi para a linha de frente

Apesar das mulheres bushido terem sido apagadas propositalmente da história japonesa, seus atos permaneceram vivos através de museus, lendas e de quem não deixou que essas guerreiras desaparecessem por completo.

Existem vestígios de ossadas de mulheres guerreiras encontrados em campos de batalhas históricas e relatos de sobreviventes e descendentes que comprovam a participação das onna-bugeisha.

Nakano Takeko

Nakano Takeko

Nakano Takeko nasceu em abril de 1847 e cresceu na era Edo. No entanto, em 1868 o Japão enfrentava uma época de muita violência de uma guerra civil entre o shogunato e o recente governo Meiji.

Mesmo após o shogunato se render as batalhas continuaram por um ano. Na região Aizu, Takeko treinou 20 a 30 mulheres em artes marciais para lutar. Se recusaram a ficar atrás dos muros do castelo pacificamente.

Rendição não era opção

Muitas preferiram morrer a se tornarem prisioneiras. Nakano Takeko, na época com apenas 22 anos de idade, formou uma resistência para proteger o castelo de Aizu.

Ela foi conversar com o líder da brigada, mas ele resistiu em aceitá-las. Naquela época havia uma restrição, pois elas não eram permitidas em campo de batalha e ele demonstrou vergonha em aparecer lado a lado com elas.

Ela não desistiu, o ameaçou e o convenceu a deixar que ela fosse para o campo de batalha lutar com seu exército de mulheres.

Takeko e sua mãe passaram a noite anterior a batalha discutindo o que iriam fazer com sua irmã mais nova, Yuko, de apenas 16 anos.

Pensaram em deixá-la escondida, discutiram formas de não serem capturadas vivas, mas ao final não restou outra escolha a não ser levá-la para a batalha.

Linha de frente

Foram colocadas na linha de frente para proteger o castelo das forças imperiais perto da ponte Yanagi conhecida como Ruibashi (ponte das lágrimas).

Missão suicida

Ilustração de Nakano Takeko em campo de batalha

No começo, quando os soldados imperiais viram as mulheres se recusaram a disparar seus rifles.

Seu plano era capturá-las, só que as onna-bugeisha não facilitaram as coisas e lutavam com voracidade. Então, eles se viram forçados a reagir.

O primeiro homem a se aproximar de Nakano Takeko levou um golpe de naginata direto no crânio. Ela lutou como ferocidade e derrubava com sua naginata cinco a seis soldados de uma vez.

Honra

Acabou sendo atingida por uma bala no peito e seu último pedido foi não deixar ser levada como troféu pelos inimigos.

ilustração de Yuko e Nakano Takeko

Sua irmã mais nova Yuko ficou com a triste e difícil missão de cortar sua cabeça para que não fosse levada pelas tropas imperiais.

Fim da era samurai

A batalha seguiu intensa por uma semana e ao final Aizu caiu no dia 6 de novembro de 1868. Naquela época, a cada dez homens, uma era mulher no campo de batalha. Cerca de 660 de 4956. No entanto, ali foi o fim da era samurai.

Cabeça e naginata

Sua irmã Yuko conseguiu escapar com a cabeça de Takeko e enterrou embaixo de uma árvore de pinheiro perto do templo Hokai que é conhecido atualmente como Aizubange em Fukushima. Lá ela deixou a arma de batalha de sua irmã também.

Vida de Nakano Takeko

Nakano Takeko estudou matemática, literatura, artes, poesia e manejava sua naginata com maestria. Era corajosa, filha de um oficial de Aizu e escolheu o caminho do bushido.

Treinamento

Recebeu treinamento em artes marciais desde os seis anos de idade e admirava Tomoe Gozen, uma mulher samurai que morreu 600 anos antes.

Seu mestre de artes marciais era Akaoka Daisuke e também seu tutor já que seu pai faleceu. Logo, se tornou instrutora. Treinava oito horas por dia.

Liderou um mini exército Joshitai de 20 a 30 mulheres na batalha de Aizu que incluíam sua mãe e sua irmã mais nova.

Estátua de Nakako Takeko

Hoje, é possível ver uma estátua em sua homenagem no templo em que sua cabeça foi enterrada e uma festividade acontece anualmente no outono.

Leia também

Nakano Takeko

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link