Tufão Haishen com ondas de até 9 metros fere mais de 50 pessoas e deixa 4 desaparecidos no Japão

Um poderoso tufão deixou quatro pessoas desaparecidas e mais de 50 feridas nesta segunda-feira (7), ao atingir a principal ilha de Kyushu, no sudoeste do Japão, causando apagões e interrompendo o transporte local.

Segundo autoridades locais, uma idosa e seu filho, bem como dois estagiários vietnamitas foram dados como desaparecidos e um homem de 70 anos quebrou as costelas, depois que um deslizamento de terra atingiu o escritório de uma construtora, no vilarejo de Shiiba, província de Miyazaki. O homem que dirige a construtora é marido da desaparecida.

Chuvas de mais de 400 milímetros foram registradas na vila no domingo, de acordo com a agência meteorológica.

Segundo a agência de notícias Kyodo, cinquenta e duas pessoas ficaram feridas em Kyushu e em outros lugares devido ao tufão.

Estragos causados pelo tufão Haishen

Cerca de 475.000 casas, principalmente nas prefeituras de Kagoshima e Nagasaki, sofreram apagões temporários, de acordo com a Kyushu Electric Power Co.

Mesmo enquanto o tufão Haishen se dirigia para a Península Coreana, a Agência Meteorológica do Japão alertou sobre chuvas torrenciais, ventos fortes e marés em algumas áreas, alertando os moradores a permanecerem vigilantes.

A Kyushu Railway cancelou seus serviços de shinkansen e de trem nesta segunda-feira, mas está planejando reiniciá-los na terça-feira com atrasos previstos nas primeiras partidas do dia.

A West Japan Railwaytambém interrompeu seus serviços Sanyo Shinkansen (trem-bala) entre Hiroshima e Hakata, enquanto vários voos foram cancelados. Os serviços de trem-bala Tokaido Shinkansen também foram temporariamente suspensos devido às fortes chuvas.

Oita, Nagasaki e Okinawa

Um homem de 40 anos fraturou o crânio ao cair do telhado de uma garagem em Yufu, província de Oita, enquanto quatro pessoas sofreram ferimentos leves em um centro de evacuação em Goto, província de Nagasaki, depois que uma janela quebrou, de acordo com as autoridades locais.

Muitos passaram a noite em abrigos de evacuação e hotéis em Kyushu e nas ilhas da prefeitura de Okinawa, no sul do Japão, enquanto esperavam a passagem do tufão.

“Tive que me apressar porque me disseram que (este centro de evacuação) só aceitaria mais 10 pessoas”, disse Kazuko Hamada, 67, que havia ficado no abrigo instalado em um prédio perto da estação JR Kumamoto. Ela inicialmente foi para outra instalação de evacuação, mas a mesma estava lotada.

“Espero que minha casa esteja bem”, acrescentou ela enquanto se preparava para voltar para casa.

Um empresário de 46 anos que se hospedou em um hotel na cidade de Fukuoka disse: “Ninguém vai estar no escritório, então eu me hospedei em um hotel para atender a emergências. Parece que não houve danos graves, então eu estou aliviado.”

A agência meteorológica disse que as rajadas mais fortes registradas foram observadas em mais de 30 locais enquanto o tufão passava. No distrito de Nomozaki, na cidade de Nagasaki, rajadas de até um recorde de 213,84 quilômetros por hora foram registradas na madrugada desta segunda-feira.

Na ilha de Fukue, na prefeitura, foi registrada uma precipitação de até 88 mm por hora.

Nas 24 horas até as 6 horas da manhã de terça-feira, a precipitação de até 300 mm foi prevista na região de Tokai na região central, 250 mm na ilha de Shikoku, e 200 mm no norte de Kyushu e na região de Kanto-Koshin cobrindo Tóquio.

No meio-dia de segunda-feira, o tufão estava se movendo para o norte a uma velocidade de cerca de 50 km por hora ao largo da costa leste da Península Coreana. Ele tinha uma pressão atmosférica de 960 hectopascais em seu centro, com ventos de até 180 km por hora.

Sua força foi ligeiramente rebaixada às 6 da manhã de “extremamente poderoso” para “poderoso”.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link