“O fantasma de Manzanar”: prisioneiro da Segunda Guerra Mundial

Um esqueleto encontrado na Califórnia tempos atrás foi identificado como um artista nipo-americano que foi detido em um campo de internamento na Segunda Guerra Mundial. Mais tarde, ficaria conhecido como “O fantasma de Manzanar”.

O fantasma de Manzanar

Tyler Hofer e Brandon Follin estavam caminhando perto do Monte Williamson quando encontraram em esqueleto intacto, parcialmente coberto de rochas.

Segundo a Associated Press, o esqueleto tinha um cinto, sapatos de couro e os braços cruzados sobre o peito.

Oficiais do Gabinete do Xerife do Condado de Inyo, a força policial local, vasculharam seus registros em busca de relatos de pessoas desaparecidas datando de décadas atrás e não encontraram ninguém que correspondesse à descrição do esqueleto.

No entanto, a história de Matsumura recebeu atenção renovada quando um documentário sobre o acampamento de Manzanar foi lançado.

Embora um segmento sobre sua morte não tenha feito parte do final, o diretor Cory Shiozaki falaria sobre isso nas exibições. Mas tempos depois, ele foi redescoberto.

Os policiais realizaram testes de DNA no esqueleto, usando uma amostra fornecida pela neta do Sr Matsumura, Lori.

Lori Matsumura disse que sabia que os restos mortais de seu avô estavam em algum lugar nas montanhas, porque sua avó mostrava a ela uma foto da pilha de pedras que cobria o seu corpo.

Sua tia, Kazue, também disse que ele era conhecido como “O fantasma de Manzanar”.

Pego por uma tempestade

Manzanar foi um dos 10 campos de internamento criado pelo governo dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial para deter pessoas de origem japonesa no país.

De acordo com registros históricos, os presos costumavam fugir do acampamento para pescar ou por outros passatempos. Mas, no momento da caminhada, o governo americano retirou suas ordens de exclusão e os presos foram autorizados a deixar os campos.

  • As vidas mudaram por Pearl Harbor
  • “Júbilo” no final da internação
  • Dor e redenção dos nipo-americanos internados

Em um comunicado, o escritório do xerife disse que Matsumura se juntou a um grupo de pescadores do acampamento que queria ir para os lagos da vizinha Sierra Nevada.

Depois de um tempo, ele deixou o grupo para poder pintar e esboçar, um hobby que oficiais dizem que ele havia assumido em Manzanar.

Funeral de Matsumura

Uma tempestade caiu de repente. Depois que diminuiu, o grupo tentou e não conseguiu encontrá-lo.

O corpo do Sr Matsumura foi finalmente encontrado em 2 de setembro de 1945, por um casal local que fazia caminhadas nas montanhas.

Poucos dias depois, os oficiais de Manzanar organizaram um pequeno grupo para caminhar até a área e enterrar seu corpo ali, porque era muito alto para ser retirado da montanha.

“Os Matsumuras, como muitas familias encarceradas durante a guerra, não tinham casa ou negócio para onde voltar e continuaram morando em Manzanar até que o governo fechou o campo permanentemente em 21 de novembro de 1945”, disse o gabinete do xerife em comunicado.

Em seguida, acrescentaram, a família Matsumura voltou para Santa Monica, onde morava antes de o Exército Dos EUA expulsá-los de casa três anos antes.

A superintendente de Manzanar disse que ficou chocada ao saber que caminhantes encontraram o túmulo de Matsumura.

“Esperamos que a família dele tenha algum fechamento e paz agora que uma identificação positiva foi feita”, acrescentou ela.

O acampamento agora é mantido como um museu e memorial para aqueles que foram internados lá.

Fonte: bbc.com

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link