A caça no Japão coloca em risco a vida dos ursos de Nagano

A caça no Japão faz muitas vítimas todos os anos, entre elas, os ursos de Nagano. Normalmente eles são capturados em armadilhas e acabam ficando nelas por horas e dias. O que pode tanto fazer com que tenham graves ferimentos ou até mesmo acabem morrendo.

No ano de 2020, 95% dos ursos capturados foram abatidos. Uma organização de vida selvagem em Nagano está ajudando a diminuir essa estatística e reduzir os encontros entre ursos selvagens e humanos.

A caça no Japão para evitar danos aos campos

Em todo o Japão, à medida que as populações de veados e javalis crescem, os agricultores e caçadores usam armadilhas para limitar seu número e reduzir os danos aos campos e vários habitats. E são nessas armadilhas que os ursos também estão sendo pegos.

Essas armadilhas capturam a vida selvagem indiscriminadamente, às vezes até animais de estimação errantes.

A maioria dos animais capturados podem sofrer por horas ou até dias antes de serem mortos. As armadilhas envolvem as pernas, patas ou focinhos de criaturas em pânico, interrompendo a circulação sanguínea enquanto elas lutam. Um pequeno número consegue escapar com um membro perdido.


Leia também:


A caça no Japão e o Centro de Pesquisa da Vida Selvagem Picchio

Na beira de uma estrada arborizada da Prefeitura de Nagano, a equipe do do Centro de Pesquisa da Vida Selvagem Picchio mantém o perímetro cheio de instruções. Assim, eles tentam evitar que mais ursos acabem sendo mortos pela região, bem como outros animais.

Existem inúmeras histórias de libertação dos animais. E também outros tantos casos em que as equipes do Centro de Pesquisa de Vida Selvagem localiza os urso e os cataloga para ter o controle de onde eles estão.

Não é uma tarefa fácil. Um urso assustado pode ser perigoso. Um especialista experiente precisa estimar o peso do urso, preparar uma quantidade medida de tranquilizante em um dardo e atirar no animal. Depois que o urso está inconsciente, a equipe metodicamente pesa e mede o animal, insere microchips e coleta amostras de cabelo, cheiro, carrapato e rastreio para enviar a várias universidades e centros de pesquisa.

Os especialistas em ursos examinam as condições dos locais de captura e a história do urso (se conhecida). Alguns são monitorados eletronicamente. Em seguida, eles determinam se devem soltar os ursos perto de onde foram capturados ou levá-los a regiões mais remotas para “solturas forçadas” com cães, barulho e perseguição. Esse tipo de abordagem possui como propósito fazer com que os ursos fiquem fora de áreas residenciais.

Ensinar as pessoas a coexistir com ursos e outros animais selvagens é uma missão essencial do Picchio. Isso inclui aconselhar proprietários de hotéis, residências e empresas sobre o armazenamento adequado de lixo, conduzir workshops educacionais em escolas e reuniões comunitárias, ajudar os fazendeiros a reduzir o contato da vida selvagem com cercas elétricas e ensinar os caminhantes a evitar o contato com ursos.

Fonte: Gaijinpot

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link