Máfia japonesa em crise por conta de chefões ultrapassados

A Yakuza é a máfia japonesa mais forte do país e uma das mais poderosas do mundo.

Além disso, ela é famosa e já foiretratada em diversos filmes, séries e até mesmo jogos de videogame.

Assim, a primeira coisa que vem à nossa cabeça quando falamos desses mafiosos, é de que eles devem ser extremamente ricos. E o são.

E você também deve pensar que eles terão acesso às coisas boas da vida, como comidas caras, refeições caras e até mesmo eletrônicos de última geração.

No entanto, quando se trata de smartphones, parece que muitos dos altos escalões da Yakuza não conseguem atualizar os antigos telefones flip, conhecidos como “garakei” ou “telefones de recursos” no Japão.

Isso está se tornando um problema cada vez maior, pois as três grandes empresas de telecomunicações – Au, SoftBank e DoCoMo – estão prontas para abandonar o serviço 3G ou já o fizeram.

Conheça aqui como a mudança no celular pode ser um problema imenso para a Yakuza.

A máfia japonesa e a tecnologia

Mesmo os fãs desses estilos mais antigos de telefones celulares por sua simplicidade e confiabilidade são capazes de obter versões mais recentes com capacidade 4G, mas isso ainda não é uma opção para yakuzas mais antigos.

O motivo é que eles não conseguem assinar um contrato desde 2011.

Foi quando os governos das províncias aprovaram “Portarias de Exclusão do Crime Organizado” (Boryokudan Haijo Jorei) em todo o país, impediram as empresas de fazer negócios com membros da yakuza. Desde então, os contratos dos provedores de serviços de telefonia móvel exigem que os signatários jurem que não são membros de tais grupos, para evitar responsabilidade no caso de um cliente se tornar um mafioso.


Leia também


Pode parecer estranho que essas pessoas pareçam estar acima de simplesmente mentir sobre o contrato, mas elas têm boas razões para não fazê-lo. Os membros de alto escalão, em particular, estão sob crescente escrutínio da polícia, que está procurando qualquer desculpa para prendê-los e, com um caso concreto de fraude de contrato, as autoridades podem investigar seus negócios mais detalhadamente.

Outra solução seria apenas conseguir que outra pessoa fizesse esse contrato, mas isso também constitui fraude e leva aos mesmos resultados.

Mas, em 2017, Kunio Inoue, chefe do Kobe Yamaguchi-Gumi, foi preso por fraude quando ele e uma cúmplice conspiraram para conseguir um novo telefone.

As acusações em si não foram muito importantes, mas permitiram que a Polícia da Prefeitura de Hyogo vasculhasse a sede do grupo e investigasse outros membros.

Portanto, a máfia japonesa está em estado de alerta para proteger os seus chefões e ao mesmo tempo permitir que eles consigam se comunicar. Assim, os negócios da maior máfia da Ásia estão correndo perigo. Podem custar muito aos cofres da Yakuza, o que não é ruim, já que, além de tudo o grupo também é violento.

Agora, a Yakuza precisa pensar em uma maneira de conseguir burlar estes contratos.

Fonte: Sora News

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link