Japão irá tomar medidas para se tornar menos dependente de produtos chineses

Segundo Yoshihide Suga, secretário-chefe do gabinete, a pandemia de coronavírus ensinou ao Japão uma lição crucial sobre os perigos de confiar demais na China para suprimentos importantes, desde máscaras até peças de carros.

É por isso que o país destinou mais de 240 bilhões de ienes (US $ 2,2 bilhões) em um pacote econômico de emergência este mês para ajudar as empresas domésticas a mudar a produção de volta para o arquipélago japonês ou a diversificar as bases de produção no sudeste da Ásia.

A medida foi recebida com espanto em Pequim, que esperava renovar os laços com o Japão por ocasião da visita inaugural do presidente Xi Jinping, prevista para este mês, mas que foi adiada.

Mas tempos extraordinários exigem medidas extraordinárias, e Suga disse que essa é uma “lição importante para o gerenciamento de crises”.

Falando em resposta à crise, o braço direito do primeiro-ministro Shinzo Abe, disse que os muros burocráticos que separam vários ministérios japoneses impedem a coordenação necessária para conter a propagação do vírus.

japao china

Suga atua como principal porta-voz do governo desde dezembro de 2012, quando Abe voltou ao poder nas eleições gerais daquele mês.

Ele é visto como um dos principais candidatos a suceder Abe, cujo mandato como presidente do Partido Democrata Liberal termina em setembro de 2021.

Acompanhe parte da entrevista de Suga para o Nikkei:

O governo antecipou uma crise de doenças infecciosas como essa pandemia de coronavírus?

Eu acho que nenhum país antecipou. Alguns acreditam que esta é a pior crise desde a Segunda Guerra Mundial. O movimento de pessoas e bens parou completamente. Então há medo. Esta é a nossa primeira experiência com uma doença para a qual não há cura conhecida.

Em primeiro lugar, estamos absolutamente determinados a evitar um aumento explosivo de cargas de casos como os dos EUA e da Europa, e a proteger a vida e a saúde do povo japonês.

Estamos fazendo todo o possível para controlar a epidemia o mais rápido possível. Depois disso, tentaremos obter uma recuperação econômica. A principal prioridade é superar isso com a determinação de não deixar uma única empresa falir.

 

Agora que o movimento transfronteiriço de pessoas foi drasticamente reduzido, você está preocupado com o fato de o pensamento insular se estabelecer?

O movimento humano ficou temporariamente parado. Mas para que nossa economia cresça daqui para frente, é essencial usar os mecanismos de crescimento no exterior.

No caso de máscaras cirúrgicas, por exemplo, 70% a 80% do que temos aqui são fabricados na China.  Mesmo com as fábricas no Japão funcionando a todo vapor, ainda havia uma falta de máscara.

Quando a economia da China fechou, uma montadora japonesa não conseguiu adquirir peças e teve que deixar uma fábrica parada.

Precisamos acabar com a forte dependência de um único país para um produto ou material específico.

Para coisas essenciais para a nossa vida cotidiana, precisamos trazer a produção de volta ao Japão ou diversificar a localização dessa fabricação em vários países. Esta é uma lição importante para o gerenciamento de crises.

 

A crise destacou o que estava faltando na estrutura de governo?

O que é importante para um governo se resume ao gerenciamento de emergências. A esmagadora maioria dos burocratas em Tóquio é extremamente capaz, mas sua fraqueza é o seccionalismo.

Não podemos administrar uma crise a menos que trabalhemos como um todo, com todas as mãos no convés. O coronavírus não pode ser tratado apenas pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar. Precisamos envolver outros ministérios e agências, desde o Ministério da Economia, Comércio e Indústria e Ministério da Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo às Forças de Autodefesa e Guarda Costeira do Japão. Precisamos fazer isso para que todos possamos agir juntos de uma vez.

Responder ao surto no navio de cruzeiro Diamond Princess exigiu um tratamento cuidadoso de uma situação complexa. O navio estava registrado no Reino Unido, operado por uma empresa americana, liderada por um capitão italiano, e tinha tripulantes e passageiros de 56 países e regiões. Depois que a crise passou, precisamos reavaliar nossa resposta sob vários aspectos.


Leia também


Neste mundo globalizado, enfrentamos o risco de mais doenças infecciosas serem trazidas para o Japão do exterior, não apenas da China.

O que o governo japonês precisa fazer é aprender com as lições e conhecimentos adquiridos por outros países e responder rapidamente. A China sofreu um forte golpe. Para controlar o surto, precisamos intensificar a colaboração internacional, incluindo a China.

A visita planejada pelo líder chinês Xi Jinping serve como uma oportunidade significativa para mostrar às pessoas em casa e ao mundo que o Japão e a China estão cumprindo nossas responsabilidades como segunda e terceira maiores economias do mundo. Manter um relacionamento que nos permita trocar opiniões sinceras é extremamente significativo para o desenvolvimento econômico e a segurança na Ásia e além.

 

Como será o Japão pós-coronavírus?

O Japão tem potencial para ter sucesso no cenário internacional de várias maneiras. Grandes corporações e empresas menores estão cheias de pessoas trabalhadoras, mas esses recursos humanos não são bem utilizados. O foco está em suas próprias organizações e empresas, sem procurar oportunidades externas. Precisamos de uma estrutura que libere todo o potencial do talento.

O princípio é que os indivíduos façam o que podem primeiro. Então, as pessoas podem se ajudar nas comunidades locais. Se o problema ainda não tiver sido resolvido, o governo nacional entrará em cena. Precisamos criar um governo em que o povo confie nas tarefas.

Fonte: Nikkei

Yoshihide Suga
Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link