A história do Hanami e tour virtual pelas Sakura no Japão

Com mais de 300 variedades, do branco ao rosa escuro, há muito mais para aprender sobre sakura e o costume de admirar sua floração, o Hanami. Durante séculos, o Japão cultuou as flores de cerejeira – algumas vezes como uma deusa, sempre por sua beleza e frequentemente como uma boa desculpa para uma festa.

One Hundred Famous Views of Edo “Kiyomizu Hall and Shinobazu Pond at Ueno” – Hiroshige

A história do Hanami pode ser muito mais longa do que você pensava: muito antes de o Imperador Saga realizar a primeira festa de exibição de flores de cerejeira em 812, as flores eram reverenciadas no Japão como representação de uma deusa. O registro histórico mais antigo do Japão, o Kojiki – que data dos anos 700 – descreve uma bela deusa mítica que era a divindade guardiã do Monte Fuji.

A palavra ‘sakura‘ apareceu no Período Nara (710-794) e está contida na coleção de poesia mais antiga do Japão, a Manyoshu.

Sa‘ foi escrito como a palavra ‘deus’ (神), e particularmente refere-se ao deus dos arrozais. ‘Kura‘ representava um pedestal usado para honrar um deus com oferendas de comida e saquê. Quando as flores de cerejeira floresciam, era um sinal de que o deus havia descido das montanhas e que era hora de plantar arroz.

Flores da cultura japonesa

Neste momento, o hanami (que literalmente significa olhar para as flores) era feito na tradição chinesa com a observação de flores de ameixa (ume, 梅). Cem anos após o início do período Heian (794-1185), o Japão encerrou a prática de enviar pessoas à China para estudar sua cultura e tecnologias, abrindo caminho para o Japão promover sua própria cultura e estabelecer as premissas da história do seu próprio hanami.

O Imperador Saga realizou a primeira festa de observação de sakura, com comida, música e poesia, depois de ser atingido pela beleza de uma cerejeira em particular no Santuário Jishu, que atualmente faz parte do complexo do Templo Kiyomizu. A partir de 831, tornou-se um evento regular na corte imperial e os hanami de cerejeira se espalharam entre a classe aristocrática – em Genji Monogatari há uma cena dessas.

Dois grandes encontros de hanami plantaram as sementes do estilo de hanami em massa que conhecemos hoje no qual as pessoas se reúnem aos pés de sakura para festejar, como mostra a foto abaixo. Em 1594, o shogun Hideyoshi Toyotomi realizou uma festa hanami de cinco dias para 5.000 pessoas em Yoshino, na província de Nara. Quatro anos depois, ele realizou outra festa de hanami para cerca de 1.300 pessoas no Templo Daigo, em Kyoto, onde ele plantou 700 cerejeiras.

O Hanami moderno

Flores para os plebeus

O shogun continuou a plantar cerejeiras depois que a capital se mudou para Tóquio, em 1603. Iemitsu Tokugawa plantou sakura de Yoshino no Templo Kanei-ji no atual Parque Ueno e, em 1720, Yoshimune Tokugawa plantou algumas em Asakusa e Asukayama (perto de Oji), enquanto procurava compartilhar as flores de cerejeira com os plebeus.

Existe uma lenda de que Yoshimune plantou cerejeiras ao longo do rio Sumida para aliviar as inundações no local. A ideia seria a de que as flores de cerejeira levariam multidões de pessoas à beira do rio para vê-las, e seus passos endureceriam o solo o suficiente para impedir que a terra fosse lavada. Supostamente, essa é a razão pela qual as cerejeiras são frequentemente encontradas ao longo dos rios.

Nasce uma estrela

Perto do final do Período Edo (1603-1868), um dos maiores eventos modernos de hanami ocorreu quando a variedade Somei-yoshino foi criada no Komagome de Tóquio, que na época era conhecido como Somei Village. Cerca de 80% das cerejeiras do Japão são desse tipo, um cruzamento cultivado entre as variedades Ooshima e Edohigan.

O cultivo de variedades de sakura decolou durante o Período Edo, e as pessoas gostavam de assistir ao florescimento sucessivo dos diferentes tipos. A variedade mencionada nas primeiras referências japonesas às flores de cerejeira era tipicamente yama-zakura (やまざくら, 山桜), ou cerejeiras da montanha.

A Associação das Flores de Cerejeira do Japão diz que existem nove tipos básicos de cerejeiras no Japão e mais de 100 variedades delas. Existem outras 200 variedades mais cultivadas, afirma. As cores variam do branco ao rosa escuro, e os tamanhos e números das pétalas também podem ser diferentes. Algumas variedades atingem uma altura de apenas dois metros, enquanto outras podem ter mais de 20 metros de altura.

Uma das três cerejeiras mais famosas do Japão, a Miharutaki-zakura na cidade de Miharu, na província de Fukushima, tem mais de mil anos e tem 13,5 metros de altura e 25 de largura. É um monumento natural nacional.

Mapeamento de Sakura pelo Japão

As árvores Somei-yoshino crescem apenas até o sul de Hokkaido. O mapa de sakura no norte de Hokkaido, portanto, inclui Ezo-yamazakura ou, em Nemuro, o Chishima-zakura. Em Okinawa, o Kanhi-zakura é usado.

A Agência Meteorológica baseia seus mapas e previsões em amostras de árvores especificadas. Em Tóquio, a árvore está no Santuário Yasukuni. As flores de cerejeira são declaradas florescendo na capital quando cinco ou mais botões dessa árvore florescem. A definição de plena floração é quando 80% ou mais dos brotos florescem. Há uma janela de pouco menos de duas semanas desde o início do florescimento até as flores se desfazerem.

Embora as flores de cerejeira estejam associadas à primavera, o início da floração em Okinawa acontece em janeiro. Há também tipos como o jyugatsu-zakura (じゅうがつざくら,十月), cerejeira de outubro, ou fuyu-zakura (ふゆざくら,冬桜), cerejeira de inverno, que florescem na primavera e novamente entre setembro e dezembro, diz a Associação das Flores de Cerejeira.

Um exemplo de mapeamento

Cerejeiras em perigo

Muitas árvores Somei-yoshino foram plantadas após a Segunda Guerra Mundial, o que significa que agora elas são idosas. Há uma preocupação de que eles possam morrer.

As cerejeiras não são muito resistentes, de acordo com a Associação das Flores de Cerejeira. Elas se saem mal em tempo seco e, como suas raízes não são profundas, podem sofrer danos no solo pisado e endurecido. As cerejeiras não crescem a partir de sementes, mas de mudas – por esse motivo, às vezes são chamadas de clones. Essa limitação genética significa que uma doença ou mudança ambiental prejudicial a uma árvore pode ser também prejudicial a todas elas.


Leia também


Além disso, cerejeiras não gostam de cultivo consecutivo. Isto quer dizer que uma cerejeira plantada no mesmo local em que outra foi removida tende a se sair mal. A extração completa de raízes antigas, a desinfecção do solo e a adição de solo fresco podem tornar o replantio mais bem-sucedido. 490.000 cerejeiras são estimadas para serem replantadas ao longo das estradas em todo o Japão. Isto provavelmente é caro demais para os cofres públicos.

Assim como a vida passageira das flores de cerejeira nos lembra da necessidade de passarmos bem o nosso tempo no mundo, talvez as próprias árvores estejam nos dizendo que viver bem significa deixar para trás algo que vale a pena.

Desfrute da melhor Sakura do Japão em sua própria sala de estar: Hanami virtual!

Por mais que se queira passar horas olhando as flores de sakura para um hanami bem merecido, a atual situação de surto de coronavírus precisa que evitemos participar de reuniões públicas e usar transportes públicos para alcançar os melhores lugares hanami que conhecemos. No entanto, você ainda pode apreciar um pouco da beleza das flores de sakura… com realidade virtual.

A Weathernews Inc. está disponibilizando algumas das melhores visões das flores de cerejeira do Japão através de sua página ‘O-hanami VR‘. São vídeos em 360 graus.

Embora a página esteja em japonês, basta clicar em um dos botões cor-de-rosa 再生 da lista para acessar a página de visualização do YouTube. As filmagens incluem os 10 principais pontos de hanami do país, as vistas noturnas de Tóquio, os pontos de sakura de Kyoto e as três grandes cerejeiras do Japão. Aproveite e fique seguro.

Fonte: SavvyTokyo

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link