Ensino fundamental para estrangeiros no Japão ainda possui defasagens, revela pesquisa

De acordo com pesquisa, o ensino fundamental para estrangeiros no Japão ainda apresenta problemas. Boa parte dos alunos que concluem o ensino fundamental, ainda precisa fazer algumas complementares para conseguirem acompanhar os colegas.

Cerca de 17% dos alunos estrangeiros do ensino médio que receberam aulas especiais de japonês e se formaram em escolas públicas de ensino fundamental na província de Kanagawa, ao sul de Tóquio, passaram a estudar em escolas secundárias com aulas noturnas. Essa é uma proporção maior do que a tendência entre estudante em geral, de acordo com uma pesquisa da Kanagawa International Foundation.

Embora o governo da província forneça vagas especiais de admissão para apoiar a educação de alunos estrangeiros, o estudo concluiu que o sistema pode não atender às situações reais dos alunos.

A pesquisa ocorreu entre março e setembro de 2020 em 72 escolas públicas de ensino médio com “salas de aula internacionais”. As respostas foram obtidas de 97,7% dos conselhos de educação e escolas que receberam um questionário.

Os dados da pesquisa sobre o ensino fundamental para estrangeiros no Japão

A pesquisa mostrou um recorde de 381 alunos estrangeiros graduados em escolas com salas de aula internacionais em março de 2020 – mais 41 alunos em comparação com o ano letivo anterior. Dos concluintes, 204 deles, ou 53,5%, cursaram o ensino médio em escolas públicas em período integral, enquanto 85, ou 22,3%, o ensino médio particular.

Um total de 64 pessoas, ou 16,8% dos formados em salas de aula internacionais, matriculou-se em escolas de segundo grau com aulas noturnas. Em contraste, 2,1% de todos os graduados do ensino médio público na província de Kanagawa, incluindo estudantes japoneses, foram para essas escolas.

Assim, a pesquisa mostrou que oito vezes o número de graduados em “salas de aula internacionais” foram para escolas secundárias com cursos noturnos em comparação com os graduados em geral.

A prefeitura de Kanagawa e a cidade de Yokohama criaram “vagas especiais de admissão para estrangeiros que moram na prefeitura” em 13 escolas de segundo grau para apoiar a admissão de alunos que se formam em salas de aula internacionais.

Os requisitos de inscrição incluem “ter residido no Japão por um total de três anos ou menos, excluindo o período antes de frequentar a escola” e “ter nacionalidade estrangeira ou ter obtido cidadania japonesa nos últimos três anos”.


Leia também:


Para o vestibular, os candidatos fazem testes em três disciplinas; Japonês, inglês e matemática. São feitas considerações especiais, como a inclusão de caracteres fonéticos para auxiliar na leitura de caracteres kanji.

Para o ano letivo de 2020, a capacidade de admissão para as vagas especiais foi de 145, e 137 de 165 candidatos foram aprovados. Mas, embora pareça que um grande número de alunos internacionais enfrentam desafios com a língua japonesa, dos 381 alunos formados em março de 2020, apenas 109 – menos de 30% – eram elegíveis para a cota especial de admissão. Além disso, apenas cerca de metade deles – 54 alunos – conseguiu usar as vagas para frequentar o ensino médio.

Assim, essa pesquisa nos demonstra as dificuldades que esses estudantes estão passando. E esse caso pode estar ocorrendo em diversas outras prefeituras.

Fonte: Mainichi.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link