Xintoísmo: saiba o significado de alguns dos símbolos mais comuns

A religião autóctone japonesa chamada xintoísmo pode parecer envolta em mistério para muitos não japoneses. De fato, mesmo para o povo japonês, há muitos aspectos do xintoísmo que não são bem compreendidos, particularmente o significado por trás de seus vários símbolos.

Aprender um pouco sobre o xintoísmo levará a muitas perguntas: por que os portões são vermelhos? Qual é a relevância das decorações de papel em forma de raio? E por que existem cordas enroladas em árvores?

Hoje mergulharemos no mundo do xintoísmo, discutindo seus antecedentes e os significados ocultos por trás de alguns de seus símbolos mais marcantes.

O que é xintoísmo?

Antes de entrarmos no significado por trás dos símbolos xintoístas, vamos examinar alguns dos conceitos básicos conectados ao xintoísmo para entender melhor a religião (se é que podemos chamar assim).

Como qualquer religião, é difícil definir o conceito de forma concisa. No entanto, no xintoísmo é notável a adoração politeísta ao “kami”, que significa “deuses ou espíritos que existem em todas as coisas”. Por causa dessa crença de que os kami residem em todas as coisas da natureza – como montanhas, árvores, cachoeiras, etc. – o xintoísmo também é classificado como uma religião animista, que adora a natureza ou os espíritos da natureza. Outro termo para descrever o xintoísmo é “kami-no-michi”, ou “o caminho dos deuses”.

Ao contrário de algumas religiões, não existe uma autoridade central que dite as regras e regulamentos do xintoísmo e, como resultado, as práticas podem variar muito de região para região e até mesmo para santuários vizinhos.

Símbolos do Xintoísmo

Agora que lançamos as bases para o que torna o Xintoísmo único, vamos dar uma olhada em alguns dos mais notáveis ​​símbolos xintoístas e nos significados por trás deles. Os seis símbolos xintoístas que abordaremos hoje são “torii”, “shimenawa”, “shide”, “sakaki”, “tomoe” e “shinkyo”.

Torii, a entrada para os santuários xintoístas

Manuel Ascanio / Shutterstock.com

Talvez os símbolos mais reconhecíveis do xintoísmo sejam os portões majestosos que marcam a entrada dos santuários. Feitos de madeira, pedra ou metal, esses portões de dois postes são conhecidos como “torii” e mostram os limites em que um kami vive. O ato de passar por um torii é visto como uma forma de purificação, o que é muito importante ao visitar um santuário, pois os rituais de purificação são uma função importante no xintoísmo.

Depois de aprender sobre o que são torii, é natural se perguntar por que tantos são pintados com um tom tão vibrante de vermelho (ou laranja). No Japão, a cor vermelha é representativa do sol e da vida, e também diz-se que afasta maus presságios e desastres.

Mais uma vez, ao passar por esses portões vermelhos, os visitantes de um santuário são limpos de qualquer energia ruim, garantindo que apenas boa energia seja trazida para dentro do território do Kami que lá reside.

Em uma nota menos espiritual e mais prática, a cor vermelha também é a cor da laca que tradicionalmente é usada para revestir a madeira do torii e protegê-lo contra as intempéries.

Dito isto, nem todos os torii são vermelhos. Há uma variedade de torii feitos de madeira não laqueada, pedra (geralmente branca ou cinza) e até metal. Embora haja um grande número de variações de cores (incluindo o preto), há um número ainda maior de formas (algo em torno de 60 variedades diferentes!). Os dois tipos mais comuns, no entanto, são “myojin” e “shinmei” torii.

O Myojin torii é curvado para cima nas extremidades e possui uma viga transversal que se estende além dos postes (como na foto acima). Shinmei torii, no entanto, tem uma parte superior reta e uma viga cruzada que termina em cada poste (como na foto abaixo).

kkb3 / Shutterstock.com

Shimenawa, a corda sagrada do xintoísmo

Stray Toki / Shutterstock.com

“Shimenawa” são cordas, geralmente adornadas com ornamentos brancos em forma de zig-zag. Eles podem variar muito em tamanho e diâmetro, com alguns não muito além de alguns fios, enquanto outros são maciços e grossos. Os Shimenawa são tipicamente usados ​​para marcar os limites do espaço sagrado e dizem afastar os maus espíritos.

J. Henning Buchholz / Shutterstock.com

Eles são frequentemente vistos pendurados em torii, enrolados em torno de árvores e pedras sagradas (dentro das quais se diz que os residem), ou mesmo presos à cintura dos grandes campeões de luta de sumô. Essas árvores especiais, rochas e “yokozuna” (grande campeão de sumô) são conhecidos como “yorishiro“, significando algo que atrai deuses ou que tem um deus vivendo nele.


Leia também


Shide, os papéis brancos em forma de zig-zag

クライム / PIXTA

Um item em particular que você pode notar ao caminhar nas instalações de um santuário é o “shide”, geralmente pendurado no shimenawa mencionado acima.

Esses itens curiosos podem ser encontrados em todo o lugar dentro de um santuário e são frequentemente usados ​​para demarcar os limites de um espaço sagrado ou borda dentro do santuário.

Essas decorações em forma de relâmpago (ou zig-zag) também são usadas em várias cerimônias de purificação. Se você for na hora certa, poderá até ver o shide preso a varinhas especiais usadas pelos sacerdotes xintoístas realizando as cerimônias.

Existem duas teorias por trás do motivo pelo qual o shide tem a forma de um raio. Um afirma que a forma é representativa do poder infinito dos deuses, e outro sugere que, como chuva, nuvens e relâmpagos são elementos de uma boa colheita, o shide em forma de relâmpago é uma oração aos deuses por uma estação abundante.

De Kam / Shutterstock.com

Há uma variedade de varinhas diferentes com adorno de shide usadas no xintoísmo, com sutis diferenças entre elas em termos de estilo. Duas dessas varinhas são chamadas de “gohei” e “haraegushi”. As miko do santuário usam a varinha gohei com dois shide anexados em rituais e cerimônias para abençoar as pessoas, mas o principal objetivo da varinha é abençoar objetos ou limpar os lugares sagrados de energia negativa.

A varinha haraegushi com muitos shide anexados é usada para o mesmo propósito de limpeza, mas sob circunstâncias diferentes. Um sacerdote xintoísta agita ritmicamente o haraegushi sobre os objetos recém-obtidos, como uma nova casa ou carro, para realizar esse ritual de purificação.

Sakaki, a árvore sagrada do xintoísmo

Como mencionado anteriormente, o culto à natureza é um elemento-chave do xintoísmo, as árvores desempenhando um papel particularmente importante.

Certos tipos de árvores são considerados sagrados e são conhecidos como “shinboku”. Não muito diferente do torii, essas árvores, que cercam um santuário, criam uma cerca sagrada dentro da qual é considerado um espaço purificado.

Embora existam alguns tipos de árvores que são considerados sagrados, talvez não haja um mais importante que o sakaki, uma árvore florífera nativa do Japão. As árvores Sakaki são comumente encontradas plantadas em volta dos santuários para agir como uma cerca sagrada, e um ramo de sakaki às vezes é usado como oferenda aos deuses.

greenshinto.com

Uma das razões pelas quais as árvores sakaki são consideradas sagradas no xintoísmo tem a ver com o fato de serem sempre-vivas e, portanto, simbólicas da imortalidade.

Outra razão mais importante está ligada a uma lenda na qual uma árvore de sakaki foi decorada para atrair Amaterasu, a deusa do sol, para fora de seu esconderijo dentro de uma caverna. Este mito (descrito em mais detalhes na seção shinkyo abaixo) dá um simbolismo especial à árvore sakaki que é celebrada nos rituais xintoístas até hoje.

Tomoe, as vírgulas rodopiantes

8BitPixel / Shutterstock.com

O símbolo rodopiante “tomoe” pode lembrar muitos do famoso símbolo yin-yang da China. No entanto, o significado e o uso são bem diferentes. O tomoe, frequentemente traduzido como “vírgula”, era comumente usado em emblemas japoneses de autoridade chamados “mon” e, como tal, os tomoe são associados ao samurai.

Tomoe pode apresentar duas, três ou até quatro vírgulas em seu design. As três vírgulas “mitsu-domoe”, no entanto, são as mais usadas no xintoísmo e dizem representar a interação dos três reinos da existência: céu, terra e mundo subterrâneo.

Fique de olho no tomoe e você os verá em todos os tipos de coisas, desde tambores de taiko e amuletos de proteção até lanternas e telhados de estilo japonês!

Shinkyo, o Espelho de Kami

Amehime / Shutterstock.com

Nosso símbolo xintoísta final é o “shinkyo”, ou “espelho divino“, um objeto místico que diz conectar nosso mundo ao reino espiritual. Shinkyo pode ser visto exibido nos altares shinto, como um avatar dos kami, a idéia é que o deus entrará no espelho para interagir com o nosso mundo.

Essa crença remonta a uma lenda envolvendo a deusa do sol japonesa Amaterasu, que uma vez se escondeu em uma caverna, mergulhando o mundo na escuridão.

Para convencê-la a sair da caverna, vários outros deuses se reuniram do lado de fora da caverna e fizeram uma festa. Os deuses penduraram jóias e um espelho em uma árvore sakaki em frente à caverna para distrair a atenção de Amaterasu, caso ela se aventurasse do lado de fora.

Curiosa com os barulhos festivos, Amaterasu espiou pela caverna e perguntou por que os outros deuses estavam comemorando. Em resposta, disseram a ela que havia uma deusa ainda mais bonita do que ela do lado de fora da caverna.

Ao sair da caverna, ela foi recebida pelo espelho e seu próprio reflexo; nesse momento, os outros deuses aproveitaram a oportunidade para selar a caverna com um shimenawa.

genki / PIXTA

Mais tarde, esse mesmo espelho foi dado ao neto de Amaterasu com instruções para adorá-lo como se fosse a própria Amaterasu.

Dessa maneira, não se reza necessariamente a um shinkyo, mas ao deus daquele santuário pelo qual o espelho está agindo como um avatar físico. O shinkyo é considerado um “shintai”, ou um substituto físico que os kami podem habitar no reino humano.

A propósito, a caverna descrita na lenda é realmente um lugar real, agora chamado Santuário Amanoyasugawara, na província de Miyazaki (foto acima). É um pouco fora dos roteiros mais conhecidos, mas é um lugar muito legal para se visitar depois que você conhece a história.

Conclusão e indicações

Mesmo com o que cobrimos hoje, há muito mais a aprender quando se trata de xintoísmo, o caminho dos deuses.

E embora tenhamos arranhado apenas a superfície dos símbolos xintoístas neste artigo, espero que você aprecie melhor os pequenos detalhes e as histórias fascinantes por trás dos símbolos. Quando você tiver a oportunidade de visitar um santuário xintoísta, fique atento a todos os símbolos mencionados acima!

E para saber mais, leia “A essência do Xintoismo: A Tradição Espiritual do Japão” de Motohisa Yamakage. Um livro muito bom que esclarece de forma simples vários conceitos da vertente chamada koshinto, ou xintoísmo antigo.

E se você é fã de anime, assista “Gingitsune”, o anime conta de forma muito divertida o dia-a-dia de uma garota filha de um sacerdote xintoísta e explica vários conceitos e rituais do xintoísmo.

Fonte: TsunaguJapan

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link