Karakuri Ningyō e as origens da robótica no Japão

Conheça um pouco da história das Karakuri Ningyō, as bonecas mecânicas precursoras dos rôbos.

Robôs e Japão são praticamente sinônimos. O governo japonês e algumas de suas maiores empresas veem o século XXI como o século da “coexistência humana com robôs” e estão gastando bilhões em pesquisas sobre robótica.

Os robôs têm uma longa história no Japão. Eles sempre foram vistos de maneira bastante diferente da vista no Ocidente, onde as pessoas tendem a ter um “complexo de Frankenstein”, sempre preocupadas com o fato de, mais cedo ou mais tarde, os robôs se agruparem e tentarem destruir a humanidade.

Os japoneses, por outro lado, têm apenas amor e carinho por seus robôs. Eles os vêem como amigos, talvez porque o xintoísmo ensine que não apenas humanos e animais, mas também plantas e até objetos inanimados, como rochas e rios, têm espíritos. Esse impulso animista também se estende a máquinas e robôs.

Um banco de ideias como o Instituto Mukta, que promove uma compreensão religiosa de robôs, certamente só poderia existir no Japão. O Instituto presta consultoria a empresas como Honda e Omron sobre automação e robótica. Eles fazem isso promovendo uma fusão de alta tecnologia, pensamento criativo e xintoísmo. Os membros se reúnem regularmente para recitar escrituras budistas, meditar e pensar soluções para problemas tecnológicos.

O nascimento das bonecas mecânicas karakuri ningyō

Karakuri ningyo no Expo 2005 Museum

O amor japonês pelos robôs tem suas raízes nas marionetes, popular há séculos. Os fantoches há muito apresentam cenas de mitos e lendas tradicionais durante os matsuri, ou festivais. O daimyō Tokugawa Muneharu (1696-1764) foi um grande amante desses karakuri que floresceram sob seu patrocínio durante o período Edo. Muneharu na verdade proibiu a invenção e a mecanização, mas ele fez uma exceção para bonecos e marionetes projetados para matsuri. Como resultado, uma geração de inventores e cientistas voltou suas habilidades para o desenvolvimento de karakuri ningyō, からくり人形, ou “bonecas mecânicas”.

A arte e a ciência de fazer karakuri ningyō são descritas em detalhes em três volumes: Karakuri: Uma Antologia Ilustrada, publicado em 1796. A antologia explica o funcionamento de nove tipos de bonecas mecânicas, com cada explicação acompanhada de diagramas precisos.

Os karakuri mais famosos foram produzidos no final do período Edo, quando os mecanismos de relógio ocidentais foram introduzidos no Japão. Eles se tornaram o arquétipo do que os intelectuais da era Edo gostavam de chamar wakon yōsai, 和魂洋才, ou “espírito japonês, aprendizado ocidental”. Tal era o respeito concedido às marionetes mecânicas que até o final do século XIX as marionetes desgastadas não eram jogadas fora ou recicladas, mas enterradas em cemitérios especiais de marionetes.

O karakuri da era Edo mais famoso é o chahakobi ningyō, 茶運び人形, ou “boneca servidora de chá”.

O anfitrião colocava uma xícara de chá na pequena bandeja de chá da boneca, que levava a xícara para o convidado. Quando o convidado pegava o chá da bandeja, a boneca parava e esperava até que ele bebesse. Quando o convidado colocava o copo de volta na bandeja, ela virava e voltava para o seu “mestre”.


Leia também


A boneca arqueira yumihiki dōji

Outro engenhoso precursor de robô é o yumihiki dōji 弓曳童子, ou “boneca arqueira”, que pega uma flecha e a atira em um alvo. Até erra deliberadamente o alvo uma em dez vezes, apenas para manter o público em suspense.

Seu criador, Hisashige Tanaka (1799-1881), 田中久雄, tinha uma loja em Kyoto chamada “O Salão dos Autômatos”. Ele foi o primeiro mestre artesão de karakuri a começar a colocar suas habilidades em usos mais práticos. No final do período Edo, os governantes do Japão estavam aceitando a necessidade de acompanhar as inovações técnicas ocidentais e Tanaka foi convocado pelo daimyo para aconselhar sobre modernização.

Ele logo começou a trabalhar tentando desvendar os segredos da tecnologia ocidental. Dentro de um ano, ele construiu o primeiro modelo de funcionamento de uma locomotiva a vapor no Japão, uma façanha quando se considera que ele nunca tinha visto uma locomotiva real e era inteiramente dependente de um livro de referência holandês para orientação.

Grandes mestres de karakuri ningyō

Hisashige Tanaka contribuiu diretamente para a industrialização moderna do Japão. Ele foi o fundador de uma companhia que fabricou algumas das primeiras lâmpadas, telefones, máquinas a vapor e pontes de ferro do país, que mais tarde se tornou a Toshiba Corporation. Tanaka é conhecido como “Karakuri Giemon”, からくり儀右衛門, e também foi chamado de “Thomas Edison do Japão”.

Sakichi Toyoda (1867-1930), fundador da cadeia de empresas Toyota, também era um mestre do karakuri. Toyoda era da província de Aichi, até hoje a região mais intimamente associada à tradição karakuri. Certamente não é por acaso que Aichi também é a região mais industrializada do Japão e o centro dos negócios de robótica japonesa.

Saiba mais

Se você quiser saber mais sobre a história do karakuri e seu papel como precursor dos robôs de hoje, aqui estão algumas dicas:

  • Existem vários karakuri ningyō em exibição no Museu de Bonecas Folclóricas Japonesas de Kyoto, em Sagano.
  • Também existem karakuri no Ishikawa Prefecture Kanazawa Port Ohno Karakuri Memorial Museum.
  • Dashi (espécie de carro alegórico) com karakuri ainda desfilam pelas ruas durante o Festival de Nagoya, um dos eventos mais populares da cidade, em meados de outubro.
  • Você também pode ver o karakuri em um dos festivais mais antigos do Japão, o festival Gion de Kyoto, que acontece em meados de julho.
  • Há um arquivo de aparições de karakuri e fantoches em filmes e anime aqui.
  • Os últimos desenvolvimentos no mundo da robótica são apresentados na Robodex, a maior exposição de robôs do mundo, realizada anualmente em Tóquio.

Fonte: Grape

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link