Entrevista | Koichi Wakata: um astronauta japonês na Lua?

Os governos do Japão e dos Estados Unidos anunciaram em julho uma declaração conjunta para cooperação no projeto da sonda lunar tripulada Artemis, liderado pelos EUA, trazendo mais perto da realidade o primeiro pouso na Lua de um astronauta japonês.

No entanto, o que isso significa para o Japão? Quem seria o provável astronauta para tal pouso na lua e quando?

Em busca de respostas para essas e outras perguntas, o Sankei Shimbun conversou recentemente com o Dr. Koichi Wakata, 57, da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) para saber mais sobre as perspectivas do projeto inovador.

O Dr. Koichi Wakata é um astronauta japonês e consultor sênior da JAXA, e tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento de projetos de exploração espacial tripulada do Japão.

A seguir, confira a entrevista.

Qual é o significado da declaração conjunta?

Primeiramente, isso esclarece que a superfície da lua é agora o alvo das futuras atividades dos astronautas japoneses. Lembre-se de que os projetos espaciais tripulados do Japão começaram com as atividades da órbita terrestre baixa (LEO) do astronauta Mamoru Mohri em 1992. É um salto realmente enorme que eles agora se expandirão para a lua.

Como um pouso na lua afetaria o Japão?

A geração mais jovem da nação se inspirará a buscar mais ciência e tecnologia enquanto o país enfrenta o desafio de uma sonda lunar com suas tecnologias de ponta e chega ao ponto de colocar um astronauta japonês na superfície da lua.

Isso, por sua vez, pode ajudar o Japão a se desenvolver ainda mais como uma potência científica e tecnológica criativa. O impacto educacional da sonda lunar será realmente grande, eu acredito.

Quando você acha que a viagem lunar tripulada acontecerá?

Os Estados Unidos planejam construir o Lunar Gateway (Portal Lunar), ou uma mini estação espacial em órbita lunar, por meio da cooperação internacional. Espero ver o Portal e as atividades na superfície da lua se tornando realidade o mais cedo possível.

Aguardo com expectativa o avanço dos preparativos dos parceiros internacionais, por meio de convênios com a NASA, com vistas à concretização do projeto na década de 2020. No entanto, um prazo específico ainda não foi definido.

Quantas vezes os astronautas poderão estar na superfície da lua?

Provavelmente haverá dois astronautas pousando na Lua em cada uma das rodadas iniciais das sondas Artemis. Como os Estados Unidos planejam pousar na superfície lunar mais ou menos uma vez por ano, acho que a oportunidade para outros que não os americanos estarem na superfície lunar será estritamente limitada.

Será semelhante ao caso da ISS (Estação Espacial Internacional), o que significa que será importante fazer o uso mais eficaz de cada oportunidade escassa e inestimável à medida que surge.

Especificamente, que tipos de atividades ocorrerão na lua?

Há pouco que podemos dizer sobre isso agora, até que os acordos entre a NASA e seus parceiros se finalizem. Ao mesmo tempo, sabemos que qualquer astronauta que pousar na Lua terá que lidar com uma ampla variedade de equipamentos e sistemas. Portanto, se houver um rover lunar lá, o astronauta japonês, é claro, terá que operá-lo.

A bandeira do Sol Nascente será erguida na lua?

Desculpe, não tenho ideia sobre isso. Talvez essa chance possa surgir, entretanto, como um evento simbólico para o Japão na superfície lunar, se o Japão for capaz de desempenhar plenamente seu papel como um parceiro importante no projeto, na minha opinião.

Quais você acha que são as qualificações importantes para um astronauta que está sendo enviado à lua?

Um astronauta deve ter a capacidade de fazer julgamentos circunstanciais de maneira calma e racional e cumprir a missão de forma constante, mesmo em um ambiente extremamente estressante. Um astronauta também deve ter a capacidade de agir de forma eficaz em grupo, como membro de uma equipe. Essas são as mesmas qualidades necessárias para os astronautas da ISS.

Nos estágios iniciais do programa de sondagem da superfície lunar, o período da missão provavelmente será breve, talvez algumas semanas – não tão longo quanto as missões a bordo da ISS. Isso significa que os astronautas que tiveram sucesso em fazer seu trabalho adequadamente a bordo da ISS terão uma chance maior de seleção para missões na lua.


Leia também


Quem são os candidatos para as missões lunares? Há planos de lançar uma nova convocação de candidatos a astronautas para o projeto Artemis?

Todos os astronautas japoneses tiveram excelentes registros em suas missões, e todos os astronautas japoneses na lista ativa têm a competência para fazer um bom trabalho em missões na superfície lunar. A JAXA, no entanto, adotou um sistema de limite de idade de 60 anos para seus astronautas. Portanto, aqueles que serão elegíveis para o programa Artemis podem se limitar aos mais jovens.

Com relação ao recrutamento de novos candidatos a astronautas, nada foi estabelecido ainda. Mas, para que o projeto espacial tripulado continue, será necessário recrutar novos astronautas em algum momento no futuro.

Como os países europeus e outros estão ansiosos para enviar seus astronautas à Lua, o Japão terá a oportunidade de colocar uma tripulação japonesa na superfície lunar?

Até que ponto o Japão pode conseguir contribuições úteis para o programa, particularmente em suas fases técnicas, é fundamental. O que é especialmente importante para o Japão é adquirir tecnologias com comparativa superioridade e eficácia altamente difundida para uso futuro no programa.

Os Estados Unidos, aliás, colocaram grandes expectativas no Japão por tecnologias para construir um módulo de habitação no Portal e um rover (astromóvel) pressurizado, ou rover de sonda de superfície lunar. Viver de acordo com essas expectativas resultará em oportunidades para os astronautas japoneses se juntarem ao programa Artemis em missões à lua.

O Japão é capaz de atender a essas expectativas?

Acredito que o Japão pode superar os obstáculos tecnológicos para atender a essas expectativas, embora isso seja um grande desafio.

Quando o Japão produziu a espaçonave de reabastecimento não tripulado Kounotori para atracar com a ISS, havia uma pilha de preocupações de segurança aos olhos dos Estados Unidos. O Japão, no entanto, enfrentou os problemas desafiadores, descobrindo uma tecnologia adequada após a outra, com a confiança de seu parceiro.

Quanto de financiamento o Japão terá que arcar para o projeto lunar?

Não posso me referir a números específicos sobre o assunto, já que coisas que envolvem despesas orçamentárias dependem de consultas de governo a governo.

Os custos de transporte para o projeto da sonda de superfície lunar serão cerca de 10 vezes maiores do que para atividades de órbita terrestre baixa (LEO). No longo prazo, pode ser muito difícil continuar o projeto, a menos que os obstáculos para a participação em larga escala das entidades do setor privado no projeto sejam superados de uma forma que conduza à segurança e à competição industrial no planeta.

Koichi Wakata

Nascido na província de Saitama, Koichi Wakata é PhD pela Universidade de Kyushu. Ele voou quatro vezes em voos espaciais, a maioria entre os astronautas japoneses. O Dr. Wakata foi o primeiro astronauta japonês a servir como capitão da ISS em 2014.

Autor: Shinji Ono, redator do The Sankei Shimbun

Fonte: Japan Forward via Grape

 

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link