Como funciona uma horta comunitária em Tóquio?

Economize dinheiro e reduza o estresse alugando uma horta comunitária em Tóquio. Leia a matéria e saiba como encontrar uma perto de você e o que esperar dela.

Este artigo é uma tradução da matéria publicada no site Savvy Tokyo e conta a experiência da autora. Link para a matéria original encontra-se no final da página.

Desde que me mudei para Tóquio no ano passado, sinto falta de cultivar vegetais, um hobby que eu adorava. Morar no terceiro andar de um pequeno apartamento significa que posso ter alguns vasos de ervas na minha varanda, mas não há espaço para uma horta adequada. Tudo mudou no início deste ano, quando alguns amigos me convidaram para me juntar a eles no aluguel de um terreno em uma horta comunitária nas proximidades!

Amo jardinagem porque me ajuda a me conectar com a natureza, liberar o estresse e aprender algumas habilidades práticas. E adoro o prazer de comer um alimento recém-colhido. Os vegetais que cultivo são muito mais saborosos e crocantes do que os que compro no supermercado.

Como a mudança climática continua alterando nosso mundo, tem havido um ressurgimento do interesse na jardinagem urbana. É uma maneira de ser um pouco mais autossuficiente e aprender habilidades que as gerações anteriores tomavam como essenciais. As hortas comunitárias são uma ótima opção para quem não tem espaço para cultivar alimentos em sua própria casa.

Como funciona a minha horta comunitária

A horta comunitária na qual estou envolvida está localizada em uma pequena fazenda privada em Kunitachi, oeste de Tóquio. O fazendeiro que a possui dividiu a fazenda em cerca de 40 lotes separados.

Minha família divide um lote com outras duas famílias. Compartilhar um terreno é ótimo porque dividimos a carga de trabalho, o que significa que posso tirar alguns dias de folga se precisar! Ainda mais importante, compartilhamos tudo o que plantamos, o que significa que não preciso me preocupar com o que cozinhar com 16 berinjelas quando todas amadurecem na mesma semana.

Durante o verão, quando os vegetais amadurecem rapidamente, é necessário visitar pelo menos duas ou três vezes por semana para colher os vegetais de maturação rápida. Mas durante a mudança de estação, a carga de trabalho cai significativamente e podemos precisar visitar apenas 2 ou 3 vezes por mês.

No momento, estamos colhendo feijão, rabanete, berinjela, cebola, batata, alface, pimentão e pepino. Também temos tomates e milho a caminho. Apesar de compartilhar, a quantidade de vegetais que colhemos a cada semana é mais do que suficiente e substituiu cerca de metade dos vegetais que costumávamos comprar.

Acesso à horta

Os membros podem acessar o jardim a qualquer hora do dia, o que é ótimo. Isso significa que posso visitar quando quiser. Por exemplo, de manhã cedo, antes que fique muito quente, ou no final da tarde. E, o que é mais importante, durante esses períodos, o jardim raramente está cheio e é fácil praticar o distanciamento social.

Além dos lotes individuais, também há lotes maiores que são plantados com safras de grande escala. Uma seção da fazenda é reservada para arroz, além de batatas e cebolas. Há encontros mensais onde os membros se reúnem para plantar ou colher as safras comunitárias, que são compartilhadas entre todos.

Nosso terreno tem 20 metros quadrados e, no total, pagamos ¥40.000 por um ano. Isso inclui o uso de todas as ferramentas de jardinagem, sementes e – o mais importante – podemos levar para casa todos os alimentos que plantamos.

Perfeito para iniciantes

A notícia realmente boa para os jardineiros iniciantes é que há ajuda disponível sempre que necessário! Na minha horta, vários agricultores fazem parte da equipe que nos orienta sobre o que plantar e como cuidar das plantas. Eles me ensinaram como podar as folhas inferiores dos tomates para incentivá-los a crescer em pé e, se minhas plantas forem atacadas por insetos ou bolor, eles estarão à disposição para me ajudar a resolver o problema.

Vale a pena dizer que nem todas as hortas comunitárias têm funcionários para apoiar seus membros. Alguns são montados para permitir que os membros cultivem independentemente, o que significa que eles podem cultivar o que quiserem e trazer seu próprio equipamento – esses lotes também são mais baratos para alugar.


Leia também:


Escola de natureza para crianças

Minhas filhas, de dois e quatro anos, adoram ir ao jardim. Elas ajudam a remover as ervas daninhas e a colher os vegetais, e há muito espaço para elas apenas brincarem. É um excelente lugar para caçar insetos. Lá elas até aprenderam a diferença entre um tento mushi (joaninha) e um dango mushi (tatuzinho de jardim).

A dieta das minhas filhas também se beneficiou por serem membros da horta. Minha filha de 4 anos normalmente se recusa a comer qualquer coisa verde ou folhosa, mas ela não resistiu a devorar um pepino maduro que acabara de colher da videira!

Perguntei a uma amiga que também é membro da minha horta comunitária o que ela gosta no lugar. Ela me disse que o jardim é ótimo para seu filho de 4 anos e para as outras crianças que vêm. “ Eles pegam lagostins no canal e brincam com os amigos, ficam muito sujos e acho isso ótimo. Eles são muito ativos quando vêm aqui”, disse ela.

Encontrando sua horta comunitária

Existem mais de 300 hortas comunitárias em Tóquio, e metade delas estão localizadas dentro dos 23 bairros de Tóquio. O Ministério da Agricultura publicou uma lista em seu site com informações de contato e detalhes, incluindo quais fazendas têm instalações para pessoas com deficiência e idosos.

As inscrições abrem uma ou duas vezes por ano. Mas para muitos jardins, você pode precisar se inscrever com vários meses de antecedência. Por exemplo, as inscrições podem ser abertas em dezembro para o ingresso de abril.

Nem todas as fazendas comunitárias usam métodos orgânicos para cultivar vegetais. Na minha fazenda, usamos fertilizantes sintéticos para impulsionar o crescimento das plantas e pulverizar inseticidas para matar insetos. Também usamos folhas de plástico preto no solo para suprimir ervas daninhas. No entanto, se você está procurando uma fazenda orgânica, Sharebatake tem 32 fazendas em Tóquio e seu site diz que elas não contêm pesticidas e usam apenas fertilizantes orgânicos.

Dicas importantes

Se você não fala japonês ainda é possível ingressar em uma horta comunitária, por isso não desista antes mesmo de começar. As maiores barreiras são localizar um jardim e encontrar alguém para ajudá-lo a preencher a papelada inicial. Aqui estão algumas dicas:

  • Verifique esta lista para encontrar um jardim em sua área. No entanto, existem muitas outras hortas comunitárias administradas por particulares que não aparecem aqui. Portanto, se você vir uma fazenda em sua vizinhança, vá até lá com um amigo que fala japonês e pergunte se ele tem vaga disponível.
  • Depois de ingressar no programa, há uma boa chance de que alguém da fazenda fale um pouco de inglês e possa ajudá-lo se você tiver dificuldade. Mas, semanalmente, você pode visitar a fazenda sozinho e fazer trabalhos como capinar, plantar e colher vegetais sem precisar falar japonês.
  • Se você não puder participar de uma horta comunitária imediatamente, também há fazendas onde você pode passar a noite. A The Farm em Chiba é um lugar onde você pode ficar em acomodações tipo glamping e ajudar na colheita dos vegetais.
  • Para obter mais ajuda, o grupo Japan Garden no Facebook é um grupo ativo para falantes de inglês. Ele é um ótimo lugar para obter conselhos sobre jardinagem no Japão.

Fonte: SavvyTokyo

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link