Por que os alunos japoneses não pronunciam inglês adequadamente?

Se você já viu os alunos japoneses falando inglês, provavelmente notou algo entre eles: eles usam a “pronúncia katakana” para falar inglês.

A pronúncia do katakana refere-se à pronúncia das palavras em inglês da maneira como seriam escritas em katakana, o silabário usado para empréstimos do exterior. Isso significa que a palavra “sit” se torna “shitto”, “light” se torna “raito” e “thing” se torna “shingu“.

Embora não haja nada de errado em usar katakana em inglês como uma ferramenta preliminar para acertar a fonética de uma nova palavra, é um pouco diferente quando você precisa usá-lo o tempo todo, porque você não quer ser o prego que se sobressai na sala de aula.

“Deru kugi wa utareru” ou “o prego que se projeta é martelado”. Este ditado é muito comum para descrever a importância da dinâmica de grupo no Japão. Isto é ainda mais evidente entre adolescentes e pré-adolescentes impressionáveis ​​na escola.

O ponto de vista de um professor

Então, quando se trata de falar inglês em sala de aula, ninguém quer se destacar e soar diferente dos outros, e isso é algo que o usuário japonês do Twitter e professor do ensino médio Shira (@shirassh) recentemente chamou a atenção de todos com o seguinte tweet.

O tweet acima diz:

“Quando os alunos japoneses do ensino fundamental e médio tentam melhorar a pronúncia do inglês, seu maior obstáculo são os “olhos ao redor”. Se apenas uma pessoa falar sem usar a muleta do katakana, ela se destacará na classe e se não tiver sorte, será intimidada. Existem até casos em que alguns alunos repatriados ficam incomodados com isso, de modo que propositalmente falam com a pronúncia inadequada do katakana.”

Shira diz que essa observação não se baseia em dados ou entrevistas formais, mas em experiências pessoais, conhecimentos adquiridos em livros e histórias de alunos. No entanto, como um professor com anos de experiência, Shira viu em primeira mão o efeito dos “olhos ao redor” nas habilidades de fala dos alunos em sala de aula.


Leia também


O ponto sobre os alunos que moraram no exterior é um assunto frequente nos círculos de professores. Isto porque estes alunos geralmente falam com professores com pronúncia perfeita e um nível de falante nativo de inglês. No entanto, quando chamados para falar em classe, eles usam o katakana-inglês para responder na frente de seus colegas.

A resposta dos seguidores

O tweet de Shira atingiu um grande número de pessoas, que reforçaram sua observação com contos de suas próprias experiências falando inglês na escola.

“Embora eu tenha sido criado em um país de língua inglesa quando era criança, eu não conseguia falar na escola no Japão.
Quando eu levantava minha mão para dar minha opinião em aula, os alunos riam, e quando eu pensava em tentar usar a pronúncia correta, os alunos riam. Essa foi uma das razões pelas quais eu odiava a escola.”

“Quando eu era uma aluna do terceiro ano do ensino médio, uma aluna da mesma classe que eu, que falava inglês desde o ensino fundamental, participou de um concurso de fala em inglês. Ela tinha uma pronúncia em inglês muito bonita, mas um garoto da nossa classe zombou dela, dizendo ‘Parece chinês. China, China.’ Olhando para trás agora, não consigo acreditar como isso foi terrivelmente racista.”

“Quando eu era um estudante do segundo grau, ouvia muito rock britânico e, quando pronunciei do jeito que ouvi em uma música na minha primeira aula de inglês, o professor riu de mim como se quisesse dizer: ‘O que você está tentando fazer?’ Depois disso, falei com a pronúncia katakana. Eu odiava aulas de inglês e me tornei auto-consciente em ser ruim em inglês.”

“Minha namorada e eu levantávamos a mão e tentávamos falar inglês o máximo que podíamos na aula, mas éramos maltratados por isso. Não há escolha a não ser usar a pronúncia do katakana japonês durante o ensino obrigatório em escolas públicas de segundo grau. Você pode usar uma pronúncia familiar para falantes nativos somente depois da escola ou em escolas de conversação em inglês, então a maneira como pronunciamos as coisas foi dividida de acordo com os diferentes ambientes.”

Mas não é para sempre

Do ponto de vista de um adulto, pode ser desanimador ver alunos com excelentes habilidades em inglês diminuindo propositalmente seu nível de proficiência para “se encaixar” com seus colegas de classe. No entanto, também é uma coisa compreensível de se fazer quando você é jovem e impressionável. Felizmente, não dura para sempre, como Shira continua a dizer:

“Quando os alunos do ensino fundamental que experienciaram essa situação que se assemelha a um feitiço de restrição entram em um ambiente onde todos os alunos têm fortes habilidades em inglês – em uma escola com um Departamento Internacional ou uma universidade com um Departamento de Línguas Estrangeiras – falar com uma pronúncia nativa torna-se normal e eles podem experimentar uma forte sensação de liberação.”

É bom saber que há luz no fim do túnel para alunos que se sentem sufocados pelas restrições da educação obrigatória de inglês no Japão.

Esperamos que mais alunos japoneses, com o apoio de seus professores, sejam capazes de encontrar coragem para se levantar e ser o prego que se destaca na sala de aula, pronunciando o inglês da maneira que for natural para eles. E que os professores possam ensinar seus alunos a aceitarem melhor os diferentes estilos de conversação na sala de aula.

Porque quando você está estudando inglês, tentar coisas novas e errar em um ambiente seguro é a única maneira de melhorar suas habilidades.

Fonte: SoraNews24, Twitter/@shirassh
Imagens: Pakutaso

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link