Omiai: a secular prática dos encontros arranjados para fins matrimoniais no Japão

O casamento arranjado é uma prática controversa e uma função social historicamente significativa. Não faz muito tempo, o casamento arranjado era muito comum em todas as partes do mundo. O casamento era mais um contrato do que qualquer outra coisa, era comum e esperado entre todas as classes e culturas.

Os casamentos até por volta do século XVIII eram geralmente organizados por membros da família, e várias negociações tinham que ocorrer a respeito de finanças, idoneidade e várias obrigações. O processo de casamento arranjado difere em diferentes partes do mundo e períodos de tempo. Às vezes, o casal podia se encontrar primeiro, e às vezes eles apenas viam uma fotografia antes do casamento.

Em algumas partes do mundo, o casamento arranjado ainda é um arranjo normal. Na maioria dos países desenvolvidos e seculares, ele praticamente morreu no lugar de uma abordagem mais liberal para o casamento e os relacionamentos, mas em países como Índia, Paquistão e em áreas tribais da América do Sul, arranjar casamento ainda é o padrão.

Os estrangeiros podem pensar que tal prática não existe em um país como o Japão, mas pode-se ter uma boa ideia da existência de casamentos arranjados ao assistir ao anime original da Netflix Aggretsuko, já que o assunto é abordado na segunda temporada. A ideia de o Japão ter casamentos arranjados pode surpreender muitos que os teriam pensado como antiquados ou extintos no arquipélago, mas ainda estão presentes na sociedade atual.

O Japão tem uma longa história de casamentos arranjados, chamados omiai. O Japão mudou um pouco de opinião e hoje em dia muitas pessoas estão escolhendo parceiros que conhecem e amam, mas estima-se que cerca de 5% a 6% dos japoneses ainda seguem a rota do casamento arranjado e optam por ter seus parceiros escolhidos para eles.

Quem são essas pessoas? Por que eles decidem permitir que um mediador de casamento encontre um parceiro para a vida? Vamos dar uma olhada nesta tradição que ainda persiste no Japão até hoje.

Omiai: o ‘encontro para ver’

O Japão tem historicamente uma visão rígida do casamento. Pode-se dizer que historicamente o mesmo aconteceu com a maioria das nações. No entanto, no Japão, esta visão rígida persiste e permanece até hoje. Por exemplo, tradicionalmente a idade em que se esperava que as pessoas se casassem no Japão era de 25 anos para as mulheres e 30 para os homens.

Mulheres que não se casaram até os 25 anos foram frequentemente caluniadas e vistas como tendo “vencido”. Às vezes, eram chamadas de “bolo de natal”, o que significava que “não eram vendidos depois do dia 25”. Foi uma verdadeira pressão social e cultural se casar aos 25 ou nunca mais se casar.

Hoje em dia, a idade média de casamento tem aumentado continuamente para 29 anos para as mulheres e 31 para os homens. Além disso, as mulheres solteiras podem viver suas vidas sem muitos problemas. No entanto, ainda é uma norma social casar-se antes de ter filhos e ir morar com um parceiro, e a pressão social é forte para que pessoas na casa dos 20 e 30 anos se casem e constituam uma família.

Já se falou até mesmo de homens casados ​​serem empregados mais desejáveis ​​para empresas no Japão do que homens solteiros (talvez porque eles tenham mais incentivos para ir trabalhar todos os dias, mesmo quando não são bem tratados).


Leia também


Então, o que fazer quando você ainda não encontrou o seu Grande Amor, embora seus 30 (ou 40) estejam se aproximando e você não queira acabar sozinho? É aí que as agências de omiai ou parentes casamenteiros entram.

Literalmente, omiai significa ‘ver-encontro’ ou “encontro para ver”. Explicando bem o conceito: você se encontra, vê se você e o outro se dão bem e, se a resposta for positiva, você se casa, geralmente alguns meses após o encontro. Na história, o omiai era um evento bastante formal e frequentemente organizado por membros da família.

Hoje em dia é uma coisa bastante casual, geralmente envolvendo encontros às cegas, encontros duplos com dois pares de amigos e uma noite de baixo estresse para ver se há química. Você poderia dizer que não é tão diferente dos sites de namoro ocidentais ou de aplicativos como o Tinder.

O processo de omiai

Quando você se inscreve em uma agência que oferece omiai, a primeira coisa a fazer é preencher o seu próprio perfil e verificar os solteiros elegíveis nos livros da agência. Às vezes, isso é feito pelos próprios parentes do candidato a casamento e, nesse caso, os perfis são divulgados entre (normalmente) as mães. As mães tendem a se envolver no processo de casamento no Japão tanto quanto podem, embora isso seja bastante comum em todos os lugares.

Quando uma combinação é feita, um breve encontro é organizado. Os indubitavelmente nervosos costumam estar acompanhados de suas mães e pais neste primeiro encontro, pois no Japão não é importante apenas combinar com seu parceiro em potencial, mas também com sua família. Afinal, você pode acabar morando com eles quando seus sogros ficarem mais velhos.

Após o primeiro encontro, que normalmente não envolve muito mais do que troca de informações básicas e conversa fiada, decide-se se vale a pena continuar. Nesse caso, apenas mais alguns encontros são marcados para que o possível casal se conheça um pouco melhor. Então, na maioria das vezes, o casal se casará algumas semanas ou meses após o primeiro encontro.

Este pouco tempo para conhecer um ao outro pode parecer muito estranho para as pessoas hoje em dia. Uma das razões pelas quais as reuniões pré-casamento não são prolongadas é que as agências são muito caras e cobram uma grande quantia de dinheiro das pessoas em seus livros.

Zenkoku Nakodo Rengokai é o nome da National Matchmaking Association no Japão e tende a seguir as regras tradicionais. Ela aconselha seus clientes sobre como atrair parceiros em potencial e trabalha com clientes para escolher uma lista de pessoas que possam ter interesse em conhecer.

Felizes para sempre?

Para as pessoas que vêm de diferentes origens culturais, a primeira coisa que geralmente se perguntam é: essas pessoas são felizes? A taxa de divórcio não será muito alta entre os casais que se encontraram dessa forma? A resposta é ‘não’. A taxa de divórcio para casamentos por omiai é, na verdade, um pouco menor do que para casamentos por amor. Você está surpreso?

Na verdade, isso não é tão estranho em uma sociedade como o Japão, onde o amor é visto como algo que pode parecer forte, mas também é volátil e pode ser passageiro. Por que basear algo tão economicamente importante como o casamento em uma emoção como essa?

No entanto, omiai tem sofrido severas críticas no Japão devido à sua natureza e ao reforço das visões patriarcais. No entanto, para aqueles que sentem que estão envelhecendo e que suas chances de encontrar o amor verdadeiro por si mesmos estão diminuindo, omiai pode parecer uma rede de segurança.

De qualquer forma, desde que duas pessoas possam viver em harmonia e o casamento não seja de forma alguma forçado ou causador de estresse, não há motivos para ver mal nisso!

Fonte: Japan Info

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link