Campos de concentração no Brasil para japoneses: eles existiram e quase ninguém sabe

Os campos de concentração no Brasil para japoneses é algo raramente falado até mesmo por historiadores e pesquisadores. Entretanto, ele existiu e tinha como objetivo deixar os japoneses e seus descendentes presos em nome da segurança nacional.

Tratava-se de um período de guerra em que o governo brasileiro proibiu que se falasse outros idiomas e começou a perseguir alguns imigrantes, entre eles os japoneses.

Conheça aqui um pouco mais sobre essa história.

Campos de concentração no Brasil para japoneses

Campo de concentração na Amazônia

Muitas vezes nem mesmo sabemos que houve no Brasil campos de concentração. Mas, quando o Brasil acabou com as relações que mantinha com os países do eixo (Alemanha, Itália e Japão) no ano de 1942, os imigrantes dessas nações passaram a ser enviados a campos de concentração.

Os campos de concentração já existiam no Brasil onde tinham sido presos anarquistas e capoeiras no ano de 1922.

Na Amazônia existiu um desses campos de concentração para joneses. Lá, várias famílias imigrantes do país foram enviadas e presas. O campo estava no município de Tomé-Açu, a 200 quilômetros de Belém, capital do estado do Pará.

Acredita-se que ficaram confinadas ali 480 famílias de japoneses e eram considerados como prisioneiros de guerra. Os bens dessas famílias também foram roubados pela polícia sob ordens do governo. Eles não tinham qualquer comunicação com o mundo exterior. E qualquer reunião que fosse feita entre mais de três japoneses era fortemente reprimida.

O campo de concentração na Amazônia só acabou com o final da guerra. Muitas famílias saíram de lá sem nada e tiveram de  começar uma nova jornada para reconstruírem suas vidas.

Outro campo de concentração no Brasil para japoneses foi sediado na Granja do Canguiri, no estado do Paraná. Ali, os pais eram separados dos filhos e forçados a trabalharem.

Campo de concentração na Granja do Canguiri

Além disso, o governo do estado do Paraná transformou o campo de concentração em uma atração. Estudantes eram enviados para lá para verem os japoneses presos. Ou seja, tornou-se praticamente um zoológico.

As crianças foram levadas para o município de Castro, o governo dizia que iria educá-las corretamente. Enquanto isso, seus pais trabalhavam na plantação e também cuidando de galinhas. Com a separação das famílias, tornava-se mais difícil o pensamento de fuga e só restava para muitos pais e crianças aguardarem até o dia em que fossem libertados.


Leia também:


Campos de concentração no Brasil para japoneses, italianos e alemães

No campo de concentração da Amazônia também estavam os prisioneiros de guerra que eram alemães e italianos.

Já o campo de concentração no Paraná abrigava principalmente japoneses. Entretanto, esses não foram os únicos campos de concentração da história do Brasil.

Há estudos que aponto que foram 31 ao total durante o período da II Guerra Mundial (1939-1945). Porém, registros oficiais dizem que eram apenas 12 campos de concentração.

Não se sabe ao todo quantas famílias acabaram sendo afetadas por esse terrível ato do governo brasileiro. Diante de uma guerra os civis são sempre os que mais sofrem.

 

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link