Japonês morre por “karoshi” em Dubai: 80 horas a mais por mês

Desde o final dos anos 1970, o Japão tem uma palavra para se referir a pessoas que morrem por passar muito tempo no escritório: karoshi. A tradução literal é “morte por excesso de trabalho”.

Trabalhando até a morte

O conceito de karoshi do Japão remonta ao período posterior à Segunda Guerra Mundial.

Durante o início dos anos 1950, o primeiro-ministro Shigeru Yoshida fez da reconstrução da economia do Japão sua principal prioridade.

Ele convocou grandes corporações para oferecer a seus funcionários segurança no emprego vitalício, pedindo apenas que os trabalhadores os retribuíssem com lealdade. O pacto funcionou. A economia do Japão é agora a terceira maior do mundo, e isso se deve em grande parte aos esforços de Yoshida há 65 anos.

Porém, uma década após o telefonema inicial de Yoshida, trabalhadores japoneses começaram a cometer suicídio e sofrer derrames ou insuficiência cardíaca devido ao enorme fardo do estresse e privação de sono.

Inicialmente, a doença era conhecida como “morte súbita ocupacional”, já que as fatalidades eram principalmente relacionadas ao trabalho, de acordo com pesquisadores que estudam a história do karoshi.

Em sua busca para causar boas impressões em seus chefes, os trabalhadores começaram a colocar sua lealdade eterna no teste final.


Leia mais:


Caso real de karoshi

Uma das mortes causadas por “excesso de trabalho” é a oficialmente reconhecida pelo Gabinete de Controle das Condições de Trabalho do Japão e relacionada a um funcionário da gigante de eletrônicos Sony, ocorrida nos Emirados Árabes Unidos em janeiro de 2018.

Um caso real de “karoshi”, portanto, conforme anunciado pela televisão pública japonesa Nhk, e onde este termo significa uma morte por excesso de trabalho, um importante problema social no Japão onde a relação entre grandes empresas e funcionários quase sempre supera e excessivamente o desempenho de trabalho dentro de um cronograma definido.

Existem agora várias empresas que foram criticadas nos últimos anos devido ao desempenho de seus funcionários muito além do horário programado, e o próprio governo japonês lançou campanhas para pedir aos funcionários que trabalhem menos e às empresas que cortem os recursos excessivos: às horas extras.

O caso específico – relatado pela família e advogado da vítima – diz respeito a um funcionário entre 40 e 50 anos, contratado por tempo indeterminado em 2007 e enviado para cuidar da comercialização de produtos eletrônicos da Sony em Dubai, onde morreu de ataque cardíaco.

A família então entrou com um pedido de indenização por acidente de trabalho, mas isso não foi reconhecido a princípio, pois os registros do crachá não indicavam que o funcionário havia feito hora extra.

No entanto, a pessoa em questão, nos três meses anteriores à sua morte, havia trabalhado em média 80 horas mensais a mais do que o normal.

A Sony, por sua vez, tomou nota do pronunciamento, assumindo a missão de se comprometer “com a maior seriedade na prevenção de acidentes de trabalho e na vigilância das condições de saúde dos colaboradores”.

 

Fonte: www.unionesarda.it , www.businessinsider.com

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link