A perda de empregos no Japão associada à pandemia ultrapassa 100.000

Um total de 100.425 pessoas perderam seus empregos no Japão em 7 de abril devido à pandemia COVID-19 desde que começou em 2020, anunciou o ministério da saúde.

Números assustadores

O número inclui pessoas que foram demitidas ou não tiveram seus contratos renovados e algumas que devem perder seus empregos devido à pandemia.

Os dados do ministério são baseados em notificações de empresas sobre o número de demissões e contratos não renovados para agências de emprego públicas em todo o país.

Ele está computando os dados de empregos desde fevereiro de 2020 para obter uma imagem das mudanças na situação de emprego do país em meio à pandemia o mais rápido possível.

O mês mais brutal no Japão em perdas de empregos relacionadas à pandemia foi maio de 2020, quando 12.949 pessoas ficaram desempregadas como resultado.

O número mensal tem caído basicamente desde então, mas em março deste ano aumentou em cerca de 4.000 em relação ao mês anterior, para 9.292 pessoas.

As empresas podem ter acelerado suas demissões naquela época, com o ano fiscal encerrando-se no final de março, observaram alguns especialistas.

Das 99.765 pessoas que perderam seus empregos até 2 de abril, as empresas de manufatura respondiam por pouco mais de 20%, o valor mais alto de todos os negócios. Os negócios de varejo e restaurantes e bares representaram pouco mais de 10 por cento cada.


Leia mais:


Não existem empregos!

Apesar da taxa de desemprego ser baixa, 40% dos trabalhadores têm empregos precários. Yuichiro carrega bolsa de comida distribuída pela organização em Tóquio, Japão, em 9 de janeiro (Philip Fong / AFP).

O Japão, em comparação com outros países, não foi muito atingido pela pandemia do novo coronavírus. Mas o país registra números altos de pobreza e precariedade em muitos empregos.

O país tem cerca de 4,5 mil mortos desde janeiro de 2020, e não impôs um confinamento. A crise afeta particularmente, porém, os mais vulneráveis, segundo as associações.

“A pandemia, o aumento do desemprego e a queda dos salários afetaram diretamente os trabalhadores pobres, as pessoas que já sobreviviam com dificuldades antes”, explica Ren Ohnishi, presidente da Moyai, uma ONG local que luta contra a pobreza.

Visto do exterior, o Japão parece mais bem equipado para amortecer o impacto econômico da pandemia, com uma taxa de trabalho em torno de 3% e um sistema de segurança social que funciona. Essas estatísticas escondem, contudo, a magnitude do subemprego e do trabalho em meio período: 40% dos trabalhadores têm empregos precários.

Yuichiro pega, com os olhos marejados, um pacote de comida durante uma distribuição de alimentos em Tóquio para ajudar as pessoas que lutam para sobreviver na terceira maior economia do mundo, em meio à pandemia de coronavírus.

“Não há trabalho. Absolutamente nada!”, Disse este operário da construção civil de 46 anos, que prefere não revelar seu sobrenome. “No Japão, a mídia não costuma falar sobre isso, mas muitas pessoas dormem em estações de trem e caixas de papelão. Algumas passam fome”, afinam.

Fonte: www.asahi.com

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link