Experimento Anti-Racismo Asiático restaura nossa fé na humanidade

Um lembrete de que, para todas as pessoas que odeiam, há muitas mais dispostas a amar e proteger. Veja neste artigo este experimento anti-racismo asiático.

Um experimento anti-racismo

O racismo contra asiáticos atingiu níveis assustadores recentemente e, com tantos crimes de ódio ocorrendo, o mundo pode parecer um ambiente triste e inseguro agora para os membros da comunidade.

Aqui, para nos dar esperança para o futuro, no entanto, está o japonês YouTuber Mick Kim, que recentemente conduziu um “Experimento social anti-racismo asiático” nos EUA para um vídeo em seu canal no YouTube.

Na esperança de descobrir como as pessoas reagiriam ao testemunhar um asiático sendo alvo do racismo, Mick contratou um ator chamado Isaac para interpretar um personagem racista para o experimento.

Filmado no campus de uma faculdade, todos os alunos que testemunham os ataques verbais racistas reagem de forma diferente à situação, mas todos eles têm uma coisa em comum: um sentimento reconfortante de compaixão por Mick.


Leia mais:


As reações

Os alunos com quem Mick fala são todos prestativos e amigáveis quando ele se aproxima deles para ajudá-los a encontrar o McDonald’s mais próximo, que é a parte inicial da configuração que os atrai.

Assim que Isaac entra em cena e começa a mexer na corrida de Mick, os alunos as reações variam do silêncio absoluto até a negociação calma e raiva absoluta.

Um homem reage imediatamente, tirando Isaac de Mick, onde ele lhe dá uma educação rápida sobre por que o que ele está fazendo “não é legal”.

A mulher difundiu a situação dizendo repetidamente “Lamento que você se sinta assim” para aplacar Isaac, e se sentiu tão mal com o que testemunhou que perguntou a Mick se poderia dar um abraço nele depois.

Outra reação comovente foi esta, onde um transeunte disse a Isaac para “sair” e mais tarde tranquilizou Mick dizendo: “Não dê ouvidos a esse cara, ele é mentiroso. Estou feliz por estar aqui.”

#stoptheasianracism

No final do vídeo, Mick deixa todos saberem do estratagema, dizendo que eles acabaram de participar de um experimento social.

Todos os participantes parecem aliviados ao descobrir que Isaac não era um racista de verdade, e como Mick os elogia por serem “lendas”, não podemos deixar de sentir seu próprio alívio em saber que as pessoas o apoiariam se essa situação fosse realmente surgem na vida real também.

Claro, o experimento social de Mick não é perfeito, dado que aconteceu em um terreno relativamente seguro de um campus universitário, e não nas ruas difíceis da cidade, mas é encorajador saber que tantos membros da geração mais jovem estão dispostos a enfrentar o racismo quando o virem na sua frente.

Como Edmund Burke disse uma vez: “A única coisa necessária para o triunfo do mal é que os homens bons não façam nada”, e este é um sentimento que é particularmente importante agora.

Embora possamos apoiar a comunidade asiática com hashtags anti-racismo como #stoptheasianhate e #hateisavirus, também precisamos agir no mundo real relatando comportamento racista e enfrentando-o quando ele ocorrer na nossa frente.

Porque, infelizmente, nenhum membro de um grupo minoritário está imune a ataques preconceituosos, e não importa o quão rico ou pobre você seja, já que até superestrelas asiáticas como Gackt tiveram dificuldade em lidar com a discriminação racial no exterior

Fonte: soranews24.com

 

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link