A vingança de um samurai criou um dos maiores cafés de Tóquio e ainda está em funcionamento

Os cafés de Tóquio são muito variados e com diversas temáticas. Entretanto, um deles chamam atenção, é um que foi criado por um vingança de um samurai.

Esse restaurante está localizado nas proximidades de Akihabara, um dos bairros mais turísticos de Tóquio. Seu nome é Amanoya. Entretanto, não é somente um tema a vingança de um samurai, mas a sua existência só se deve por conta de um assassinato.

O café de um samurai em Tóquio e um assassinato

Como muitos santuários xintoístas no Japão, o Santuário Kanda de Tóquio (também conhecido como Kanda Myojin) tem uma rua que leva à sua entrada repleta de lojas e restaurantes esperando para servir peregrinos devotos e turistas seculares. O mais atraente é um café diferenciado em uma esquina ao lado do portão torii do santuário, chamado Amanoya.

Amanoya é especializada em amazake, que é uma versão doce e não alcoólica de saquê que é popular entre crianças e adultos. A bebida também, supostamente, traz vários benefícios à saúde, mas a ironia é que a Amanoya, que existe há mais de 175 anos.

Porém, ele não foi fundado para popularizar o amazake, nem mesmo com objetivos de ofertas outros produtos. Mas foi construído somente por conta de uma sede de sangue.

Amanoya significa “loja de Amano” e, com certeza, a história começa com um homem chamado Shinsuke Amano. Shinsuke foi um samurai que viveu na província de Miyazu, atualmente no norte da Prefeitura de Kyoto, durante meados de 1800.

Shinsuke tinha um irmão mais novo que também era samurai e se mudou para Edo (como era chamada Tóquio naquela época) para se matricular em um dojo (academia de arte samurai) e melhorar suas habilidades com a espada. Infelizmente, aqueles sonhos de domínio das artes marciais foram interrompidos quando ele foi morto por um assassino.


Leia também:


Quando a notícia do assassinato chegou a Shinsuke, ele se enfureceu e jurou se vingar. Então foi para Edo para encontrar o assassino de seu irmão .

Mas então as coisas se complicaram. Isso estava acontecendo em 1846, então não era como se Shinsuke tivesse uma foto do assassino para trabalhar, e nem mesmo está claro se ele tinha alguma pista sólida sobre quem era o assassino. O que ele sabia, porém, era que, uma vez que o Santuário de Kanda era o maior e mais importante santuário de Edo, a rua que levava ao Santuário de Kanda deveria ser uma das mais movimentadas em a cidade.

Shinsuke decidiu vigiar um lugar na rua e esperar, imaginando que se esperasse o suficiente o assassino de seu irmão passaria. Embora Shinsuke tivesse vindo a Edo para cobrar uma dívida que teria de ser paga com sangue, ele precisava de moeda mais convencional para cobrir suas próprias necessidades econômicas, como comida e alojamento, durante sua busca por vingança. Então Shinsuke abriu uma loja e começou a vender amazake para os transeuntes.

Com o sucesso do estabelecimento, já que a rua realmente era movimentada, seu irmão começou a fazer muito sucesso. Porém, a sua vingança acabou nunca sendo realizada, ele nunca conseguiu encontrar o assassino.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link