Japonês preso após publicar fotos de atletas olímpicas em seu site de pornografia

O mais novo caso no Japão, e que tem alardeado os atletas das Olimpíadas, é o caso de um japonês preso após publicar imagens dos esportistas em seu site de pornografia.

Conheça mais sobre o caso e como a polícia de Tóquio conseguiu encontrá-lo e prende-lo.

Japonês preso por imagens postadas em site pornográfico

De acordo com a acusação, ele usou 39 imagens capturadas em um programa de TV esportivo sem a permissão da emissora e as postou no site por volta de 18 de maio de 2019.

O responsável por isso foi um homem de 37 anos e que foi multado em 600.000 ienes por postar imagens de várias atletas do sexo feminino sem sua permissão em um site pornográfico que ele opera.

Kosuke Koyama, que foi preso no início deste abril por suposta violação de direitos autorais, pagou a multa depois que os promotores de Tóquio emitiram uma acusação sumária.

Uma acusação sumária é um procedimento simplificado que ignora os procedimentos judiciais e é usado para crimes menos graves.

Koyama, que se descreve como um web designer, ganha a vida administrando nove sites pornôs.

O suspeito foi citado pela polícia dizendo, durante um interrogatório voluntário, que sabia que o que havia feito era errado, mas não esperava ser pego. Ele permaneceu em silêncio desde sua prisão.

A prisão de Koyama foi a primeira desse tipo com base em informações fornecidas pelo Comitê Olímpico Japonês a respeito de imagens de atletas distribuídas sem seu consentimento para excitação sexual.

As imagens foram acompanhadas por comentários sexualmente explícitos no site, de acordo com o Departamento de Polícia Metropolitana de Tóquio.

O compartilhamento generalizado de fotos e vídeos de atletas femininas, muitas vezes tirados sem seu conhecimento e em um contexto sexualizado, tem chamado a atenção como um problema social, com mais vítimas se manifestando.


Leia também:


Outros casos

O  Comitê Olímpico japonês informou ao departamento de polícia que ocorreram cerca de 1.000 ocorrências desde novembro do ano passado, entre as quais quatro envolveram os sites da Koyama.

É difícil tomar medidas legais porque não há lei contra filmagens ou fotografias não consensuais no Japão, e tais atos, incluindo tirar fotos de pessoas nuas ou em situação sexual, são puníveis apenas de acordo com as leis de prevenção de incômodo estabelecidas pelos governos das províncias.

Em agosto do ano passado, ex-atletas de seleções nacionais reclamaram à Associação Japonesa de Federações de Atletismo que fotos com zoom em seios e nádegas foram tiradas durante competições e compartilhadas nas redes sociais.

Em novembro, o Comitê Olímpico Japonês e seis outros órgãos esportivos condenaram a captura não consensual e o compartilhamento de imagens sexualizadas de atletas, chamando-o de “ato desprezível” em um comunicado, e pediu ao governo que analisasse a questão.

Chamando tal comportamento de assédio sexual, as organizações também alertaram que a distribuição não consensual de tais imagens pode ser punida como crime, e ser objeto de ações indenizatórias.

Fonte: Mainichi.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link