Toyota se desculpa por suicídio de funcionário após assédio

O presidente da gigante automobilística global Toyota Motor Corp. se desculpou pessoalmente à família de um funcionário que se suicidou em 2017, após reconhecer que seu suicídio havia sido causado por um distúrbio decorrente do assédio de seu superior.

A montadora se comprometeu a adotar medidas rigorosas para evitar a reincidência e concordou em indenizar a família, em reconciliação alcançada pelas duas partes em 7 de abril. O acordo foi divulgado pelo advogado da família e pela Toyota, embora o valor do acerto não tenha sido tornado público.

A Toyota se desculpa e reconhece que houve relação entre o suicídio e o assédio

A Toyota havia negado anteriormente uma relação causal entre o assédio de poder e o suicídio do homem de 28 anos, com base em uma investigação interna lançada após sua morte. O Escritório de Inspeção de Padrões de Trabalho Toyota do Aichi Labor Bureau, no entanto, decidiu a favor da família em setembro de 2019, reconhecendo que o caso era elegível para compensação dos trabalhadores.

Pouco depois da decisão do escritório do trabalho, o presidente da Toyota Motor Corp. Akio Toyoda visitou a família do funcionário e reconheceu a relação causal entre o assédio e o suicídio. Quando o acordo foi posteriormente alcançado, o presidente Toyoda mais uma vez se desculpou pessoalmente com a família e disse a eles: “continuaremos a melhorar as medidas de prevenção de recorrência enquanto mantemos seu filho em nossa memória e transformaremos a Toyota.”


Leia também:


A Toyota e o trabalhador

De acordo com a família, o trabalhador foi designado para o departamento de design de veículos na sede da montadora em Toyota, Prefeitura de Aichi, em março de 2016, após se formar na Universidade de Tóquio e em treinamento empresarial. Ele foi repreendido por seu chefe imediato, com repreensões como “Você é um estúpido”, “Você é um idiota” e “É melhor você morrer”. A partir de julho daquele ano, o funcionário tirou três meses de licença e foi diagnosticado com transtorno de ajustamento.

Apesar da linguagem abusiva e outras formas de assédio, a montadora não compartilhou o motivo de sua ausência internamente. Quando voltou ao trabalho, foi até obrigado a sentar-se perto do próprio gerente que o havia assediado. Aos poucos, ele começou a confidenciar às pessoas ao seu redor que queria morrer.

Em outubro de 2017, ele cometeu suicídio em seu quarto em um dormitório da empresa. Após sua morte, sua família queixou-se à empresa de que ele apresentava sintomas persistentes de trauma devido ao seu distúrbio de adaptação.

Sem levar em consideração as intenções da família e outros fatores, a Toyota Motor Corp. lançou uma nova investigação interna e reconheceu que a empresa violou seu dever de cuidar da segurança ao deixar de lidar com o superior em questão.

Em resposta às medidas tomadas pela empresa, a família aceitou uma proposta de reconciliação sem levar o caso a tribunal.

Como parte das etapas, a montadora montou um balcão de consulta para denunciantes anônimos. Se descobrir um caso de assédio moral, conduzirá uma investigação cuidadosa junto com advogados terceirizados. A empresa também concordou em relatar seu progresso na abordagem do assédio à família nos próximos cinco anos.

Fonte: Mainichi.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link