Jardim zen de robôs em Tóquio foi inspirado em atletas olímpicos

Os Jogos olímpicos são um grande acontecimento para qualquer país e, embalado pelos movimentos dos atletas, foi inaugurado um jardim zen de robôs em Tóquio.
O Japão sempre surpreende com sua tecnologia sem limites. E, a tecnologia não é usada somente pra aumentar a produção, mas também para ajudar em todas as esferas da vida.

assim, essa nova invenção é uma das grandes atrações da capital japonesa. Conheça mais sobre ela e como é surpreendente.

O jardim zen de robôs em Tóquio

 

Em um sereno jardim zen em um parque de Tóquio, linhas abstratas inspiradas nos movimentos de atletas olímpicos são cuidadosamente traçadas no cascalho – não por monges, mas por robôs.

A obra de arte recém-instalada, intitulada “The Constant Gardeners”, apresenta quatro grandes braços robóticos industriais que trabalham juntos para esculpir um jardim de rochas tradicional japonês.

Seus desenhos são gerados por um programa de computador de IA sob medida que analisa imagens de vídeo de Jogos Olímpicos passados, rastreando a posição dos membros dos atletas para criar designs exclusivos.

“Eles estão agindo como artistas para criar essa intervenção cultural ao lado do pano de fundo dos Jogos”, disse o criador da instalação, o artista britânico Jason Bruges, de acordo com o jornal Japan Times.

Os “jardineiros” robóticos, cada um com cerca de dois metros de altura, receberam um novo sopro de vida no Parque Ueno, em Tóquio, após 10 anos de uso por um fabricante de automóveis.

Eles criarão cerca de 150 ilustrações diferentes ao longo dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio 2020 adiados pelo vírus, que terminam em 5 de setembro.

Bruges disse que quer fazer as pessoas olharem para a tecnologia de maneiras diferentes e foi “inspirado pelos atletas que se preparam e participam dos Jogos”.

Os dados obtidos de clipes dos atletas em ação são usados para “formar ou fazer linhas” que espelham o movimento de suas articulações dos membros, disse o tecnólogo criativo da equipe Joel Luther-Braun.

Um residente de Tóquio de 25 anos que passou para ver a obra de arte disse que estava intrigado com os movimentos “humanos” dos robôs, ao contrário das máquinas comuns projetadas para trabalhar em alta velocidade.


Leia também:


“Eu não fico entediado olhando para eles. Eles parecem quase humanos e eu os acho fofos”, disse Masato Ito de acordo com o jornal Japan Times.

Bruges disse que ficou surpreso que as pessoas que vieram ver a instalação quisessem saber os nomes dos robôs.

“É fantástico estar na cultura onde há muita exposição à tecnologia”, disse ele.

“Definitivamente há uma cultura (que significa) que as pessoas aqui estão anexando características humanas a essas máquinas”, disse ele, acrescentando que pode haver uma oportunidade para os espectadores nomearem os robôs.

E você, gostaria de relaxar um pouco vendo esses robôs e sua arte? Você acha que é possível relaxar vendo robôs? Não deixe de comentar!

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link