Tecnologia japonesa para bebês consegue identificar o motivo do choro

A tecnologia japonesa para bebês deu um novo passo em seu desenvolvimento. Com o uso de tecnologia artificial, um pequeno equipamento consegue distinguir qual o motivo do choro da criança.

Isso pode ser de grande ajuda para mães e pais e evitar que fiquem desesperados sem saber como ajudar os seus filhos. Conheça aqui mais sobre esse útil equipamento.

Tecnologia japonesa para bebês

Em fevereiro, no International Consumer Electronics Show (CES), a maior feira anual de tecnologia do mundo, uma empresa japonesa surpreendeu o mundo com seu dispositivo arredondado de 15 centímetros de altura, projetado para captar o choro de um bebê com um microfone e analisá-lo para informar os adultos próximos porque estão chorando. Ela ainda ganhou o Prêmio de Inovação, reconhecendo produtos notáveis ​​em cada área.

O dispositivo exibe cinco emoções – fome, sono, desconforto, raiva e tédio – em um formato proporcional, como “65% sonolento, 35% desconfortável”. Desenvolvido pela empresa de tecnologia para bebês First-Ascent Inc., com sede em Tóquio, essa inteligência artificial foi exposta ao choro de mais de 200.000 bebês de 150 países para possibilitar que o dispositivo apresentasse as estimativas.

Quando colocado próximo à cama do bebê, o aparelho também pode ser usado como iluminação para troca noturna de fraldas. A luz fica cada vez mais forte ao amanhecer e também ajuda a ajustar o ritmo circadiano do bebê para facilitar o adormecimento. As vendas gerais do produto, “ainenne”, começaram no Japão em 30 de julho de 2021 e custaram 43.780 ienes (cerca de R$ 2100,00).

A First-Ascent estava inicialmente desenvolvendo um aplicativo de smartphone para registrar informações relacionadas a cuidados infantis, mas decidiu fazer o dispositivo ao ouvir pessoas dizendo coisas que incluíam: “Meu bebê não para de chorar e não sei o que fazer”.

Tocando em suas próprias experiências com os pais, o CEO Tomoyuki Hattori, que estava envolvido no desenvolvimento do produto, disse: “Muitos pais têm problemas com o choro de seus bebês e os fazendo dormir. Tornamos possível dizer, com base em evidências científicas, as condições físicas dos bebês e emoções, que dependem fortemente da intuição e dos sentidos dos pais. ”


Leia também:


O termo tecnologia para bebês foi proposto pela primeira vez no CES realizado nos EUA em 2016. Ele oferece suporte a uma ampla gama de áreas, como gravidez, parto e infância, e há muitos dispositivos e aplicativos que podem ser vinculados a smartphones e à internet.

Por exemplo, quando um usuário insere a que horas seu bebê foi dormir no aplicativo “Lullaby”, desenvolvido pela Moon Creative Lab Inc. da Mitsui & Co. Ltd., ele detecta seu ciclo de sono com base em sua idade e outros fatores e sugere quando eles têm maior probabilidade de adormecer diariamente. Também existe uma função paga que permite aos usuários consultar diretamente especialistas, como médicos e parteiras.

Outros exemplos incluem: um “sensor de fralda”, que pode ser acoplado a uma fralda de papel para detectar se ela está molhada e informar ao usuário quando trocá-la por meio de um aplicativo de smartphone; um “monitor de bebê” que usa um sensor para detectar o movimento de um bebê durante o sono e monitorar sua respiração; e um aplicativo que propõe alimentos para bebês de acordo com a idade e o crescimento do bebê.

Com relação à criação de filhos no Japão, o número de famílias de dupla renda e famílias nucleares está aumentando, e questões como a criação dos filhos sem a ajuda de um parceiro e as crises de relacionamento pós-natal tornaram-se problemas sociais.

Além disso, a pandemia do coronavírus tornou difícil para os pais saírem e se relacionarem com amigos e a comunidade local. Midori Matsushima, professora associada da Universidade de Tsukuba, entrevistou um total de cerca de 5.000 pessoas em maio-junho e outubro de 2020 sobre o estado de espírito das mães menos de um ano após o parto. Era possível que cerca de um em cada quatro tivesse depressão pós-parto – o número costuma ser de cerca de 10%.

No entanto, existe uma barreira psicológica contra a aceitação da tecnologia infantil no Japão. A edição de 2020 do Gabinete do Governo do Livro Branco sobre medidas contra o declínio da taxa de natalidade aponta: “Uma vez que existe uma sensação profundamente enraizada de que dedicar tempo (aos pais) é considerado afeto, existem barreiras psicológicas, como sentimentos de culpa por economizar tempo ( usando tecnologia de bebês). ​​Por exemplo, muitas pessoas se sentem mal em relação ao uso de telefones celulares enquanto criam os filhos. ”

Fonte: Mainichi.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link