Economia “Round 6”: a realidade da Coreia do Sul e da Ásia não está tão longe da série da Netflix

Round 6 é o maior sucesso da Netflix. A série foi a mais vista em toda a história da plataforma streaming. Entretanto, o que será que faz ela ter tanto sucesso para além dos jogos assustadores?

Uma das respostas para isso é que a série apresenta uma pobreza e um desespero que jamais se esperava que existia em um país de primeiro mundo como a Coreia do Sul.

Para além do sadismo presente na série, muitas pessoas pelo planeta se identificaram com os personagens e seus desesperos. Assim conheça agora um pouco mais da realidade da Ásia e principalmente da Coreia do Sul com os jovens que sofrem com a pobreza como em Round 6.

A economia “Round 6

Por décadas, o Mercado Central de Seul – com suas lojas miseráveis ​​e comida de rua suja – tem sido um ponto de encontro para aposentados em busca de refeições, roupas e utensílios de cozinha baratos.

Hoje em dia, eles estão competindo cada vez mais por espaço com descolados de salto alto e Birkenstocks que percorrem os restaurantes e cafés chiques que estão surgindo entre lojas de arroz e restaurantes de macarrão.

Os aspirantes a chef e proprietários de negócios pela primeira vez – alguns que desistiram de procurar empregos em grandes conglomerados familiares da Coreia do Sul, como a Samsung Electronics Co. – estão aumentando os aluguéis e transformando o bairro em um campo de batalha em uma rivalidade geracional.

O lado mais velho está ressentido com os novos residentes, argumentando que eles estão relativamente bem graças em grande parte ao trabalho árduo e à economia daqueles que impulsionaram a ascensão do país após a Guerra da Coréia. A multidão mais jovem, por sua vez, culpa seus antepassados ​​por tornar a casa própria irrealista e produzir a corrida de ratos manipulada retratada em dramas coreanos como no filme “Parasita” e na série “Round 6”.


Leia também


Os jovens na economia “Round 6”

A Coreia do Sul tem uma taxa de pobreza de 16,7%, a quarta entre os 38 membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Possui a maior diferença salarial entre homens e mulheres, com 32,5%.

Os preços das casas na área metropolitana de Seul – onde vive metade dos quase 52 milhões de habitantes do país – dobraram nos últimos cinco anos, sobrecarregando um aumento de 20% nos salários. Embora a taxa de desemprego seja de cerca de 4% no geral, é mais do que o dobro para trabalhadores com menos de 30 anos.

Uma entrevistada pelo jornal Japan Times, declarou: “Não importa o quanto você trabalhe, é impossível comprar uma casa em Seul. E é muito difícil conseguir um emprego decente, mesmo se você for formado em uma das melhores universidades. ”

Por conta dessas dificuldades, muitos estão optando por renunciar ao casamento, ter filhos e comprar uma casa. Eles tentam se concentrar mais em si mesmos, pois não conseguem ajudar aos outros, criando um forte individualismo e acabando com a solidariedade.

Fonte: Japan Times.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link