Japão fecha as fronteiras e proíbe entrada de estrangeiros por 1 mês

O Japão fecha suas fronteiras para novas entradas de estrangeiros em meio à preocupação com a nova variante Omicron do novo coronavírus, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida.

Japão fecha as fronteiras para evitar o pior

A medida entrará em vigor terça-feira (30/11) e durará cerca de um mês. Além disso, 14 países e regiões, incluindo Grã-Bretanha e Alemanha, serão adicionados a uma lista de locais dos quais cidadãos japoneses e residentes estrangeiros estarão sujeitos a requisitos de quarentena mais rígidos.

O Japão havia acabado de facilitar a proibição de novas inscrições de estrangeiros em 8 de novembro, permitindo a entrada de empresários, estudantes e participantes em seu programa de estágio técnico, desde que suas organizações anfitriãs concordassem em monitorar suas atividades.

Kishida disse que fechar a fronteira é uma “medida temporária até que as informações sobre a variante Omicron se tornem claras”, acrescentando que “ao lidar com um risco desconhecido, é melhor tomar todas as precauções”.

A partir de quarta-feira, o Japão também reduzirá seu limite diário para o número de pessoas que chegam de 5.000 para 3.500. Cidadãos japoneses que retornam e residentes estrangeiros serão obrigados a isolar por duas semanas, independentemente de estarem totalmente vacinados.

Entre os 14 países e regiões abrangidos pelos requisitos de quarentena mais rígidos, os viajantes que estiveram recentemente em Angola terão de passar os primeiros 10 dias dos seus períodos de isolamento em instalações designadas pelo governo.

Nove países – Botswana, Eswatini, Lesotho, Malawi, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Zâmbia e Zimbabwe – já estão sob a mesma regra.

Os viajantes da Grã-Bretanha, Israel, Itália e Holanda precisarão passar seis dias em instalações designadas pelo governo, enquanto os da Austrália, Áustria, Bélgica, província canadense de Ontário, República Tcheca, Dinamarca, França, Alemanha e Hong Kong passarão ser obrigado a passar três dias.

Kishida, que conversou com repórteres após discutir as medidas com membros de seu gabinete, revelou que uma pessoa que chegou da Namíbia tinha resultado positivo para o coronavírus e está em andamento uma análise para verificar com qual variante a pessoa está infectada. Ele disse que vai demorar de quatro a cinco dias para se obter o resultado.

O homem na casa dos 30 anos chegou ao aeroporto de Narita no domingo, de acordo com o ministério da saúde.

Embora não esteja claro se as vacinas existentes são eficazes contra a variante, Kishida disse que o governo continuará com seu plano de começar a administrar vacinas de reforço no final desta semana, enquanto procura especialistas em saúde para fornecer dados adicionais.

O surgimento da variante ocorre em um momento em que o Japão tem visto uma queda acentuada no número de novos casos de COVID-19 por cerca de um mês e Kishida pretende reiniciar a atividade econômica que foi restringida pela pandemia.

A descoberta da nova variante pode atrasar os planos de reiniciar o programa governamental “Go To Travel”, que visa fortalecer o setor de turismo doméstico.

Fonte: Mainichi.JP.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link