Kudo-Kai: a facção criminosa japonesa da Yakuza pode voltar a atacar e polícia se prepara

A Kudo-Kai é considerada como a fação criminosa da Yakuza mais violenta. E, recentemente, a polícia do país teme que a facção possa por em risco a vida de civis.

Esse receio foi levantado após a prisão e condenação à morte de um dos lideres da Yakuza em agosto de 2021.

Kudo-Kai faz polícia de Fukuoka tomar novas medidas de segurança

A polícia na província de Fukuoka aumentou a segurança para civis que poderiam ser alvos do Kudo-kai, depois que um tribunal local condenou o chefe da gangue yakuza à morte em agosto de 2021.

As medidas reforçadas foram postas em prática depois que Satoru Nomura, chefe do Kudo-kai, de 75 anos, ameaçou o juiz presidente após a sentença, e são parte de um esforço geral para eliminar a facção do crime baseado na província de Kitakyushu, na província de Fukuoka.

O escritório de medidas de proteção da divisão de crime organizado da polícia municipal é composto por cerca de 100 oficiais especialistas em artes marciais. Assim, a polícia não revelou detalhes de suas atribuições.

Mas, sabe-se que ela mantém vigilância 24 horas por dia sobre os indivíduos protegidos, incluindo informantes, vítimas e ex-membros do Kudo-kai. Eles também fornecem dispositivos equipados com GPS com um sistema de relatórios.

O escritório de medidas de proteção, o primeiro desse tipo no Japão, foi criado em março de 2013 após uma série de suspeitos de ataques a civis relacionados ao Kudo-kai. Entre agosto e setembro de 2012, uma pessoa do setor de restaurantes foi golpeada no rosto no bairro Kokurakita de Kitakyushu, enquanto um motorista de táxi sofreu o mesmo destino. 

Mas a polícia teve problemas para investigar os ataques, já que testemunhas temerosas de uma retaliação de Kudo-kai se recusaram a cooperar. A necessidade de uma unidade de proteção especializada era óbvia.

No entanto, os esforços da polícia tiveram um início difícil. Incapaz de chegar às pessoas sob proteção policial, a gangue yakuza visou sua família e amigos.

Em maio de 2014, um dentista de 29 anos foi esfaqueado várias vezes em um estacionamento da Ala Kokurakita, ferindo-o gravemente – um dos quatro ataques a civis em que havia suspeita de envolvimento de Nomura. O dentista era parente do chefe da cooperativa de pesca da cidade, morto a tiros em dezembro de 2013. O pai do dentista, um oficial sênior da cooperativa, estava sob proteção policial, mas o dentista não.

A Polícia da Prefeitura de Fukuoka está empenhada em construir relações de confiança com as pessoas que recusaram proteção por medo de que sua privacidade seja invadida. A força também tem trabalhado com suas várias delegacias para fortalecer o patrulhamento em torno das casas de indivíduos protegidos, para manter suas famílias e conhecidos em segurança e divulgar a presença da polícia.

No ano de 2021, a polícia também introduziu 70 câmeras de vigilância movidas a bateria para manter uma vigilância ainda mais próxima das pessoas sob proteção. Eles foram instalados em uma ampla variedade de áreas e acredita-se que ajudem a manter os grupos yakuza sob controle. 

Fonte: mainichi.JP.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link