Baleeiros japoneses ignoram críticas e retomam a caça às baleias

O Japão tem uma longa história de caça às baleias, que remonta ao século XII. Historicamente, a carne de baleia era um alimento básico. A carne nutritiva e rica em proteínas alimentava famílias e complementava almoços escolares em todo o país por séculos. No entanto, a prática é considerada bárbara por muitos membros da comunidade maior. Depois de anunciar o fim da moratória de 30 anos de seu programa de caça às baleias, o governo está enfrentando reclamações de vários líderes globais e grupos ativistas. Inabaláveis, os baleeiros japoneses estão afoitos para reviver a prática que consideram parte de sua herança cultural.

A história da caça às baleias no Japão

A história japonesa de caça às baleias remonta ao período Jomon (14.000-300 aC), quando baleias encalhadas eram usadas para o consumo comunitário. Outros relatos iniciais da prática decorrem da espiritualidade e folclore dos Ainu, o grupo étnico nativo do norte do Japão. No entanto, a prática não começou a refletir na indústria moderna até o uso de arpões no século XII.

No século XVI, a caça às baleias altamente organizada, com expedições em barco aberto, começaram a partir da década de 1570. Como a indústria continuou amadurecendo ao longo do século XVII, a pesca e os grupos de caça organizados desenvolveram técnicas de captura. Grupos de caça avistariam as baleias no mar, disparariam e colheriam suas capturas imediatamente e retornariam à costa. Toda a carcaça era aproveitada: a carne para consumo, e todo o resto para a fabricação de óleos de lamparina, fertilizantes ​​e muitos outros produtos.

O período Meiji (1868-1912) do Japão viu a introdução do estilo norueguês de caça à baleia. Essa técnica industrializada dependia fortemente de embarcações a motor, munições e outros conhecimentos importados.

O baleeiro Juro Oka se beneficiou bastante durante esse período. Considerado o “pai da moderna caça japonesa às baleias”, ele estabeleceu a primeira empresa baleeira japonesa moderna em 1899. Sob seu domínio, a indústria cresceu em tamanho.

Embora historiadores e autores tenham lamentado historicamente o efeito da caça à baleia nas populações de baleias, a indústria começou a enfrentar uma reação significativa durante o século XX. Surgiram confrontos com as comunidades japonesas locais afetadas negativamente pelo escasseamento e outras poluições oceânicas. Ao longo das décadas de 1970 e 1980, uma moratória da caça às baleias foi ferozmente debatida pela comunidade internacional. Apesar da resistência política, o governo acabou sendo forçado a ceder à proibição em 1988 sob a ameaça de sanções dos Estados Unidos.

Nacionalismo baleeiro e a moratória

Como todas as nações, o Japão tem uma veia nacionalista. Escrevendo no Japan Times, Shaun O’Dwyer sugeriu que o resurgimento de uma nostalgia cultural reacendeu o interesse japonês em sua “cultura culinária única de baleias”. De fato, certas comunidades baleeiras e baleeiros em geral mantêm interesse em uma prática que muitos consideram anacrônica e antiética.

Políticos como Shintaro Maeda, prefeito da cidade baleeira Shimonoseki, fizeram uma campanha agressiva pelo ressurgimento. De acordo com o artigo acima mencionado no Japan Times, Maeda sugeriu em um fórum público que uma “declaração oficial da história e cultura das baleias como ‘herança japonesa'” fosse feita através da Agência de Assuntos Culturais, um órgão especial do Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia que promove artes e cultura. A iniciativa implica que subsídios estatais sejam alocados para revigorar o setor.

Maeda não está sozinho. Shigeto Hase, chefe do ministério da pesca, também defendeu o ressurgimento da caça às baleias. Ele disse à BBC que “a retomada da caça comercial tem sido um desejo ardente dos baleeiros em todo o país”. Ele continuou: “a cultura e o modo de vida serão transmitidos para a próxima geração”.

Parece que o PLD (Partido Liberal Democrata) e o primeiro ministro Shinzo Abe foram sensíveis a essa nostalgia. Em dezembro de 2018, o governo japonês retirou-se da CBI (Comissão Baleeira Internacional). Anteriormente limitada à pesquisa científica, a caça comercial à baleia recomeçou no país em 2019.

Clamor Nacional e Internacional

Sem surpresa, a decisão foi recebida com críticas generalizadas. Grupos de conservação e numerosos governos foram forçados a denunciar o revigoramento da indústria. A Austrália classificou a decisão como “lamentável”, enquanto outros pediram que o país se realinhasse com os padrões internacionais. Sam Annesley, diretor executivo do Greenpeace no Japão, disse que a medida estava “fora de sintonia com a comunidade internacional, sem falar na proteção necessária para salvaguardar o futuro de nossos oceanos e dessas criaturas majestosas”. Ele também pediu ao governo japonês que conservasse os ecossistemas marinhos.

Talvez essas críticas sejam fáceis de apoiar. Antes de 1987, a carne de baleia era amplamente servida nas escolas japonesas para o almoço. Desde a sua remoção após a moratória, o consumo da carne caiu vertiginosamente, já que muitos a consideram uma iguaria incomum, popular entre uma minoria de moradores. Relatos de contaminação por mercúrio pioram as coisas.

Observações como essas inspiraram um crescente sentimento de ativismo local no Japão. Irritados com a distorção da imagem de seu país no exterior, oponentes como Takayo Yamaguchi lançaram campanhas online em defesa de mamíferos marinhos. Os membros do Greenpeace, por outro lado, têm trabalhado agressivamente para denunciar os baleeiros que operam sob o disfarce de pesquisas científicas.


Leia também


Os ativistas fazem isso porque o público japonês está sensivelmente inclinado. Como mencionado, o interesse pela carne de baleia em geral diminuiu. No entanto, muitos não querem parecer cúmplices ou serem vistos como rendidos diante de uma pressão internacional.

O desconforto deles é justificável. Ativistas como a Sea Shepherd (Defesa e Conservação da Vida Marinha) e os anti-baleeiros australianos tem instigado confrontos com os baleeiros e, talvez sem querer, minaram sua causa em termos de apoio local. Outros ainda se encolhem quando jornais como o New York Times sugerem que as baleias são altamente inteligentes e que seu abate é portanto equivalente a assassinato.

Mesmo assim, as críticas vem facilmente. Celebridades como Ricky Gervais e Joanna Lumley se manifestaram. Em uma carta aberta, os dois, entre outras personalidades, tentaram envergonhar os políticos japoneses. Outros ainda pediram uma “intervenção internacional da caça às baleias” nas reuniões de cúpula do G20.

No entanto, as autoridades japonesas parecem insensíveis. Montando uma onda de nacionalismo, eles provavelmente não estão interessados ​​em negar iniciativas culturais e nacionalistas. Afinal, a carne de baleia ajudou a nação a sobreviver à pobreza pós-Segunda Guerra Mundial, e a moratória foi essencialmente uma intervenção estrangeira. Dobrar-se à intervenção estrangeira novamente não serviria ao sentimento nacionalista.

No entanto, se o Japão continuar com a caça comercial de baleias, será forçado a suportar xingamentos de “barbárie” e “anti-ambientalismo” da comunidade em geral, além de arcar com parte da responsabilidade de uma provável extinção das baleias porque, independente de ser uma prática apoiada histórica e culturalmente, a caça é notoriamente predatória e a população de baleias não é capaz de se reproduzir em velocidade suficiente para saciar a fome dos baleeiros.

Fonte: Grape

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link