Leia 5 histórias de fantasmas, os kaidan, e arrepie-se

O Japão tem algumas das melhores, e menos conhecidas, histórias de fantasmas ou kaidan. Curiosamente, a maioria dessas histórias é centrada em mulheres. Enrole-se em um cobertor quente e deixe-se levar por suas histórias aterrorizantes.

Por serem histórias muito antigas que, muito antes de serem escritas, foram passadas através das gerações pela oralidade, nem é preciso dizer que existem várias versões do mesmo kaidan, não é?

1. O Segredo da Yamamba

A Yamamba parece uma velha inofensiva, mas na verdade é um terrível yokai (criatura sobrenatural do folclore japonês) das montanhas que consome carne humana. Uma de suas lendas mais antigas é do Konjaku Monogatari:

Era uma vez, um monge budista que foi pego em uma tempestade. Felizmente, no entanto, passou por uma cabana solitária. Batendo à porta, uma velha gentil convidou-o para entrar, recebendo-o com comida e fogo quente. Por mais acolhedora que fosse, ela deu ao monge um aviso estranho: “Não importa o quê, não olhe na sala dos fundos.”

Incapaz de superar sua curiosidade, o monge não seguiu o aviso da velha. Assim que ela saiu para recolher mais lenha, o monge espiou por uma fenda na porta. Para seu horror, ele descobriu que a sala estava cheia de cadáveres comidos pela metade. O monge então percebeu que a velha era uma Yamamba, um yokai terrível que atraia viajantes desavisados ​​para dentro de sua casa apenas para rasgá-los em pedaços para a próxima refeição. Ele fugiu da cabana o mais rápido que pôde e nunca olhou para trás.

2. A lenda do Jorogumo

Jorogumo é um yokai meio-mulher, meio-aranha que pode se transformar em uma linda mulher quando procura homens incautos para devorar!

Um jovem samurai foi abordado na rua por uma mulher sedutora e deslumbrante. Embora ela fosse linda, o samurai viu através de seu disfarce, percebendo que ela não era humana, mas sim algum tipo de yokai. Ele imediatamente sacou a espada e a lançou na direção dela, mas apenas conseguiu ferir a mulher estranha antes que ela se retirasse rapidamente. O samurai seguiu a trilha escarlate de sangue que manchava o chão até uma casa velha e abandonada. Lá dentro, ele encontrou dezenas de corpos presos em teia de aranha e uma gigante aranha Joro, morta pelos ferimentos que recebeu.

3. O Conto de Oiwa

Nem todas os kaidan são inventados: diz-se que “O Conto de Oiwa” é baseado em um evento real que ocorreu na Edo do século XVII:

Oiwa era uma jovem incrivelmente bonita que era casada com o samurai Iemon, um homem mesquinho que só a amava por causa de sua beleza. Outra mulher, Oume, estava loucamente apaixonada por Iemon e, por ciúmes, enganou Oiwa fazendo com que ela usasse um creme cheio de veneno. Isso desfigurou o rosto de Oiwa, fazendo com que um de seus olhos e seus cabelos caíssem, sem que ela percebesse.

Desgostoso com sua nova aparência, Iemon desejou se divorciar de Oiwa e se casar com Oume. O desprezível samurai contratou seu amigo Takuetsu para estuprar Oiwa, para que ele tivesse justificativa para o divórcio. Takuetsu, no entanto, ficou tão chocado com a aparência de Oiwa, que não conseguiu seguir as ordens. Em vez disso, ele contou a Oiwa o plano de Iemon e mostrou a Oiwa seu próprio rosto no espelho. Vendo seu rosto deformado pela primeira vez, Oiwa ficou tão horrorizada que roubou a espada de Takuetsu, se matando. Com seu último suspiro, ela amaldiçoou o nome de Iemon.

Na noite do novo casamento de Iemon com Oume, o fantasma de Oiwa desfigurado apareceu diante dele. Iemon, aterrorizado e sentindo-se culpado, fugiu rapidamente da fantasma, mas não importava o quão longe ele corresse, ele não poderia escapar da assombração. Depois daquela noite, não importava para onde Iemon olhasse – mesmo nas lanternas que costumava iluminar seu caminho – ele veria o rosto de Oiwa olhando de volta para ele.


Leia também


4. A Mulher da Neve (Yuki-onna)

O Yuki-onna é um tipo yokai da neve. Tem a forma de uma bela mulher que geralmente tira a vida de homens que vagam por suas terras congeladas. Às vezes, no entanto, ela se apaixona por eles.

Um jovem estava passando pelas montanhas cobertas de neve, quando é pego em uma repentina tempestade de neve e acaba por se perder. Quase morrendo de frio, quase perdia a esperança quando uma mulher estranha, coberta de gelo e com um rosto pálido como a neve, aparece diante dele: uma Yuki-onna. Por ele ainda ser tão jovem, a Yuki-onna fica com pena dele e então o guia para uma cabana quente na floresta, salvando sua vida. Em troca de seu resgate, no entanto, ela o faz prometer nunca contar a ninguém sobre o encontro deles.

Anos depois, o jovem conhece e se casa com uma garota encantadora chamada Yuki, e eles vivem felizes juntos por muitos anos. Mas um dia, o jovem conta à esposa como ele foi salvo pela misteriosa Yuki-onna, quebrando sua promessa. Quando ele revela esse conto à esposa, o rosto dela fica pálido e a geada começa a cobrir seu corpo: a verdadeira identidade de sua esposa era a Yuki-onna. Com a promessa quebrada, ela desaparece na noite de inverno, abandonando-o.

5. O fantasma de Okiku

A história de Okiku certamente manterá você acordado a noite toda e, se não, seu fantasma o fará!

Era uma vez uma garota, Okiku, que morava no castelo Himeji como serva do samurai Aoyama. Uma das tarefas de Okiku era cuidar da coleção de dez pratos valiosos de seu mestre. Mas um dia, enquanto Okiku estava lavando os pratos, ela percebeu que estava faltando um. Não importava quantas vezes ela contasse, sempre faltava um. Ao descobrir o fato, seu mestre ficou tão furioso que a jogou em um poço.

Assassinada com tanta brutalidade, a alma de Okiku não pôde descansar. Toda noite, seu fantasma saía do poço para continuar contando os pratos de seu mestre. Contaria até nove, então, ao perceber que o décimo prato ainda estava desaparecido, ela soltaria um grito agudo. Os gritos de Okiku mantiveram todos no castelo acordados a noite toda por semanas a fio, até que um monge budista finalmente a apaziguou.

Então, gostou destes kaidan? Se quiser mais, deixe-me saber!

Fonte: SavyTokyo

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link