Matsuo Bashô: o homem que desistiu de ser samurai para ser um poeta andarilho

Matsuo Bashô é um poeta japonês e e um dos mais conhecidos no ocidente. Viveu durante o período Edo no Japão e abriu mão de seguir uma carreira militar e se tornar um samurai seguindo os passos de seu pai.

Em relação à sua obra, é conhecido como um grande mestre da poesia haikai, sendo lhe atribuída essa invenção.

Assim, conheça neste artigo mais sobre este escrito e a sua contribuição tanto para a literatura internacional como para a japonesa.

Quem foi Matsuo Bashô?

Acredita-se que Bashô nascei em 1644, e com mo nome de Matsuo Kinsaku. Seu pai pertencia à classe dos samurai, mas não tinha uma carreira tão bem sucedida.

Sendo assim, Bashô, ainda Matsuo Kinsako, foi instruído desde de criança à como lutar e também à ética samurai. Assim, também foi neste momento que tomou contato com algumas poesias do tipo haikai no renga, que eram construídas coletivamente.

Logo Bashô passou a se encantar muito pela leitura e pela escrita ao mesmo tempo que assimilava às artes de luta em sua vida. Entretanto, com a morte de um amigo poeta, acabou desistindo de tornar-se um samurai. Conta-se, ainda, que por seu pai não ocupar um cargo alto enquanto samurai, ele possivelmente não seria alguém de destaque também.

Entretanto, ele já tinha uma carreira estabelecida com a poesia e seus escritos passaram a ser impressos. O que fez com que logo se tornasse alguém famoso no meio literário.

Sua vida foi feita em andanças e aventuras. Por ter uma mente inquieta, sempre procurou uma certa tranquilidade, por conta disso começou a praticar a meditação zen budista. Além disso, realizou algumas peregrinações, que lhe concederam o título de errante.


Leia também:


Os haikai de Bashô

Bashô aprofundou-se no conhecimento da poesia por meio do estudo da literatura japonesa e chinesa. Entretanto, mesmo sendo um aluno dedicado, acabou abandonando o local onde estudava.

Isso porque, a escola Teitoku não deixava que escrevesse com bom humor. Para os instrutores daquele local, a poesia devia ser somente para reverenciar os deuses.

Sendo assim, com os seus haikais, Bashô não era mais a construção do mesmo, mas pretendia fazer algo diferente.

Por conta disso, Bashô também abriu mão de ser algum crítico de poesias japonesas. Esse tipo de atividade era bem remunerada na época e, sendo um grande conhecedor de literatura, não haveria qualquer empecilho para Bashô ter muito sucesso na profissão.

Mas tornou-se um verdadeiro mestre com os seus seguidores e apresentou uma poesia para o mundo. Preferiu também uma vida sem grandes luxos, em que podia andar pelo mundo sem ter de se preocupar e fazer as suas observações nos haikais.

Entretanto, sua trajetória chegou ao fim aproximadamente em 1694, mas anos antes já compunha haikais pensando na morte. Em seu último poema, parecia já estar preparado para o que aconteceria.

Finda viagem

meus sonhos rodopiam

pelo seco descampado.

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link