Suicídio no Japão: como o cyberbullying reacendeu o debate

Como muitos sabem, o Japão tem uma taxa de suicídio notavelmente alta. Embora esteja longe da nação de maior risco do mundo, ou mesmo do mundo desenvolvido – Rússia ou Coréia do Sul, dependendo da fonte -, é incomumente alto para uma cultura que enfatiza a paz e a felicidade.

Compreensivelmente, a propensão para que os japoneses tirem suas próprias vidas é uma questão social importante. A cada poucos anos, um desses incidentes é manchete e reinsere o assunto na conversa nacional. Mais recentemente, a integrante do elenco do reality show Terrace House, Hana Kimura, infelizmente tirou a própria vida. Vítima de cyberbullying, ela lançou uma nota assustadora de suicídio no Twitter e foi encontrada morta pouco tempo depois. Ela tinha apenas 22 anos.

História do Seppuku no Japão

Então, essas questões seriam exclusivas do Japão? Certamente que não. No entanto, a atitude cultural geral em relação ao suicídio, pelo menos historicamente, contrasta fortemente com a das sociedades judaico-cristãs.

Historicamente, o Japão tem sido descrito como tendo uma atitude tolerante em relação ao suicídio. Como um ato que é, nas palavras da antropóloga Emiko Ohnuki-Tierney, “elevado ao nível de uma experiência estética”, às vezes sendo considerado uma decisão moralmente responsável.

Essa elevação do suicídio provavelmente tem origem no uso militar de seppuku. Também conhecido como harakiri, seppuku é o ato de suicídio ritual anteriormente praticado principalmente por samurais. No ato, um indivíduo usa uma espada curta ou outra lâmina para esfaquear-se na barriga, fazendo um corte horizontal. Se for profundo o suficiente, o movimento corta a aorta descendente e rapidamente leva à morte por sangramento.

À medida que o ritual evoluiu e se padronizou ao longo do tempo, tornou-se uma forma de pena capital ordenada contra samurais ou pessoas comuns que se desonraram. O ritual também incorporou um kaishakunin, um assistente que decapitaria o acusado depois que este se esfaqueou no abdômen, como forma de diminuir o sofrimento do suicida.

Cena do filme “Harakiri” (1962)

A saúde mental da nação

Apesar das origens supostamente estimadas, a percepção do público começou a mudar ao longo dos anos 90. A década, às vezes referida como “a década perdida”, viu o fim do milagre japonês, quando a economia entrou em crise. Perdas de emprego eram comuns e associadas a vergonha aguda. Como em outras crises econômicas, as taxas de suicídio ao longo do período aumentaram. Mais de 30.000 casos ocorriam anualmente, forçando o governo a resolver o problema durante a crise.

No entanto, iniciativas públicas e discursos políticos aparentemente tiveram pouco efeito. O número de incidências permaneceu elevado ao longo dos anos 2000 e 2010, e muitos começaram a ver o suicídio como indicativo de declínio social. Particularmente atingidos foram os empresários sobrecarregados ou desempregados e os idosos do país.


Leia também


Juventude e os pactos de suicídio para jovens na internet

Infelizmente, os eventos em torno de Hana Kimura falam de uma tendência subjacente. De acordo com um relatório da CNN, as taxas de suicídio entre os jovens no Japão estão altas. Entre 2016 e 2017, mais jovens se mataram do que em qualquer período desde 1986.

Parece que seus problemas provavelmente são semelhantes aos de Kimura. Muitas vítimas sofreram bullying, além de problemas familiares e estresse. Corroborando a isto, há um grande aumento nas taxas de suicídio no início do novo ano escolar.

Um estudante defensor do anti-bullying que anteriormente considerava suicídio disse à CNN que “o longo período de férias na escola permite que você fique em casa, o que é o paraíso para quem sofre bullying. Então o verão termina, e você precisa voltar. E quando você começa a se preocupar com sofrer bullying, cometer suicídio pode se tornar possível”.

Vários que acham que não há saída fazem pactos de suicídio online. À medida que a internet se desenvolveu ao longo dos anos 2000, o Japão testemunhou um aumento na incidência de suicídios em grupo. Mafumi Usui, professor de psicologia da Universidade Niigata Seiryo, comentou sobre o assunto: “Jovens deprimidos e a Internet – uma mistura muito perigosa. Muitos jovens tentam se matar, mas não conseguem. Mas quando um grupo de estranhos se encontra em um site de suicídio, e alguém sugere uma maneira específica de morrer… essa é a perigosa dinâmica por trás de [suicídios em grupo].”

Outros sublinharam como essa dinâmica de grupo pode alimentar os impulsos mais sombrios dos indivíduos. Alguns podem não ser totalmente capazes de tomar a decisão sozinhos, mas o momento no grupo pode ser suficiente para forçar os indivíduos a cometerem o ato equivocado como uma tentativa de encontrar alívio para seu sofrimento mental.

Embora essas sejam tendências preocupantes em qualquer sociedade, espera-se que um aumento da conscientização em torno dos efeitos nocivos do bullying e das crises econômicas possa proporcionar alívio. Afinal, o governo japonês está bem ciente do problema e prometeu diminuir a taxa de suicídio em um futuro próximo.

Fonte: Grape

Comentários

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link