Ijime: o bullying nas escolas japonesas

A palavra japonesa “ijime” soa muito mais sinistra do que sua tradução em inglês, bullying. Para os pais japoneses de hoje, sua experiência de bullying remonta aos dias em que uma criança um pouco diferente era o alvo principal  – e as outras crianças poderiam ficar tranquilas.

Entretanto, hoje, toda criança é uma vítima potencial do bullying moderno. Os recentes esforços crescentes por parte de instituições educacionais para resolver e erradicar o assédio oferecem alguma esperança.

Um problema que atinge quase metade das crianças do Japão

 

O bullying das escolas japonesas, ou ijime, é um problema antigo. Um estudo realizado pelo Centro de Treinamento de Pessoal em Serviço da Escola Metropolitana de Tóquio descobriu que 66,2% das mais de 9.000 crianças pesquisadas já haviam sofrido bullying.

Na medida em que o bullying moderno ataca não apenas “estranhos”, a pressão sobre as crianças estrangeiras ou parcialmente estrangeiras no Japão pode ter diminuído em comparação as gerações anteriores, mas as chances não estão a seu favor, nem de qualquer outra pessoa.

O Ministério da Cultura, Educação Esportes, Ciência e Tecnologia tem rastreado casos relatados de ijime desde 1985. Embora tenha alterado gradualmente sua definição ao longo do caminho, a definição atual é mais ou menos assim:

“Ijime é um ato de um aluno, ou alunos, em relação a outro aluno que inflige alguma consequência física ou psicológica causando o sofrimento mental ou físico à criança receptora.”

Intenções cruéis

Se o sofrimento foi causado ou não, é julgado com base no ponto de vista da criança que foi vítima do bullying. É uma definição ampla que visa abranger a natureza das táticas cruéis de hoje.

Uma pesquisa do MEXT sobre comportamento problemático dos alunos descobriu que a grande maioria foi relatada como provocação, insultos, ameaças e comentários desagradáveis (geralmente repetidos indefinidamente e impossíveis de ignorar).

Em segundo lugar, estava rebater e chutar, disfarçado de jogo. A terceira forma mais relatada é ser ignorada pelo resto do grupo ou excluída dele.

A maioria dos bullyings modernos não deixa sinais visíveis e alguns o camuflam na ambiguidade. Inclui ações que podem ser consideradas brincadeiras, como esconder bolsas ou rabiscar livros. Para os agressores, ser parte de um grupo de pessoas fazendo a mesma coisa diminui seu senso de responsabilidade por suas ações, diz o site de relações públicas do governo.


Leia mais:

Confira os 5 melhores macarrões instantâneos do Japão!

Ashigaru: os guerreiros que acompanhavam os samurais e faziam o trabalho “sujo”

Os minúsculos apartamentos em Tóquio!


Internet como uma arma

A internet forneceu formas novas e anônimas de ijime, aumentando ainda mais a sensação dos valentões de que isso é um jogo. As vítimas podem encontrar comentários caluniosos sobre elas em um blog ou site de bate-papo, ou ter fotos ou seus endereços postados online, ou receber repetidamente mensagens de e-mail ofensivas.

As crianças precisam de total apoio. Criar o hábito de conversar com elas, para que se sintam confortáveis em vir até você se tiver um problema. Para evitar criar um agressor, ajude ela a ter compaixão e cuidar dos outros desde cedo.

 

Fonte: savvytokyo.com

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link