Como as pensões diminuem, japoneses optam por prolongar o emprego

Yasuhiro Furuse poderia ter se aposentado há dois anos, mas ele não estava totalmente feliz com sua renda de pensão e teve que deixar esses pensamentos para dormir.

Foi muito bom para o empregador de Furuse, Orix Corp, um grupo de serviços financeiros, que teria lutado para encontrar um substituto, com a taxa de desemprego no Japão em 26 anos.

Este arranjo ganha-ganha cada vez mais comum no Japão, destaca um desafio estrutural e político que enfrenta a terceira maior economia do mundo.

O governo do primeiro ministro Shinzo Abe esta considerando aumentar a idade de aposentadoria para 70 ou 75 anos agora, para aliviar o fardo das pensões, bem como uma crise de trabalho. Mas uma solução mais durável de longo prazo, dizem os analistas, é o Japão relaxar seus controles rígidos sobre os trabalhadores estrangeiros.

“Não tenho escolha a não ser trabalhar”, disse Furuse de 62 anos, consultor sênior de negócios corporativos.

“Agradeço que pude continuar trabalhando, o que me torna melhor do que viver de pensão e poupança. Além disso, quero fazer algo para contribuir para a sociedade.”

População idosa

A população do Japão está entre as mais antigas do planeta, e tem uma das mais longas vidas, colocando pressão sobre seu sistema de pensões. A taxa de dependência dos idosos – ou o número de idosos em comparação com aqueles em idade ativa – é a mais alta da OCDE.

A situação está sendo agravada pela relutância profunda do Japão em abrir totalmente seus portões para trabalhadores estrangeiros, fazendo com que muitas empresas dependam da velha guarda para superar a severa escassez de mão de obra.

Além disso, um longo período de flexibilização monetária por parte do Banco do Japão para combater a deflação e estimular o crescimento levou a rendimentos de títulos próximos de zero e poupanças paralisadas.

Investir na idade

A lei atual exige que as empresas permitam que os funcionários trabalhem até 65 anos, se desejarem. Na prática, a maioria das empresas, tentando conter os custos trabalhistas. estabelece uma idade de aposentadoria compulsória em 60 anos, com opção de mais 5 anos de trabalho com remuneração reduzida.

Algumas empresas permitem que os funcionários trabalhem até os 65 ou 70 anos se assim desejarem. Os trabalhadores mais velhos parecem mais motivados, a empresa pode se beneficiar do relacionamento com os clientes por mais tempo e os talentos mais jovens têm mais mentores disponíveis.

Para manter os custos sob controle, a Taiyo Life mudou os processos de revisão de pagamento da empresa para se concentrar mais no mérito e menos na duração da carreira – outra mudança na cultura que está sendo cada vez mais adotada em todo Japão.


Leia mais:


Aposentadoria aos 70?

As pensões médias dos funcionários no Japão é de cerca de 150.000 ienes por mês, abaixo da meta do governo de 60% da renda de pré-aposentadoria para trabalhadores assalariados, que seria de cerca de 220.000 ienes em média.

Alguns economistas esperam que a proporção média de pensão/ salário continue se deteriorando e as preocupações estão crescendo de que o regime de pensão “repartição” do Japão pode ser insustentável, com menos trabalhadores pagando e mais idosos tirando proveito dele.

Em um movimento significativo, o Japão, tímido pela imigração, está tomando medidas provisórias para permitir a entrada de mais trabalhadores de colarinho azul para diminuir a escassez de mão de obra.

“A era da aposentadoria aos 70 anos chegará mais cedo ou mais tarde”, diz o presidente da Taiyo Life, Katsuhide Tanaka.

Fonte: www.reuters.com

 

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link