Pinturas da bomba de Hiroshima feitas por casal que vivenciou a tragédia foram restauradas

Uma série de pinturas famosas de um casal que testemunhou as consequências da bomba atômica de Hiroshima em 1945 devem ser restauradas pela primeira vez, 71 anos após o lançamento do primeiro trabalho da série.

O conjunto de 15 trabalhos intitulados dos falecidos Iri e Toshi Maruki, que foram nomeados para o Prêmio Nobel da Paz em 1995, deteriorou-se severamente e tornou-se comido pelas traças ao longo dos anos.

Pinturas da bomba de Hiroshima

“Queremos passar (os trabalhos) de geração em geração para que a tragédia do bombardeio atômico nunca mais aconteça”, disse Yukinori Okamura, curador da Galeria Maruki para os Painéis de Hiroshima em Higashimatsuyama, Prefeitura de Saitama, onde a coleção está preservada.

Cada trabalho, apresentado em painéis de 1,8 metros de altura que, juntos, têm 7,2 metros de largura, é baseado na experiência dos Marukis de ir a Hiroshima poucos dias após o dia 6 de agosto de 1945, bombardear e as cenas que eles reconstituíram reunindo histórias de sobreviventes.

O casal lançou um total de 15 peças entre os anos de 1950 e 1982 com base em sua experiência de caminhar por um terreno baldio queimado enquanto exposto à radiação residual. Quatorze estão expostos na galeria.

“Fantasmas”, o primeiro painel da série tornado público cinco anos após o fim da guerra, está programado para ser restaurado a um custo de vários milhões de ienes, usando fundos das economias da galeria.

A peça, que mostra pessoas caminhando com os braços estendidos à frente depois que suas roupas foram incineradas e a pele gravemente queimada, será dobrada e enviada para restauração em uma instituição da Universidade de Artes de Aichi, com uma duplicata a ser exibida nesse meio tempo.


Leia também:


Como a cobertura noticiosa do bombardeio atômico foi censurada durante a ocupação do Japão pelo Quartel General das Potências Aliadas, os artistas marido e mulher optaram por se concentrar nos habitantes das cidades em suas obras.

A peça foi concluída depois que o pintor Iri pintou figuras nítidas desenhadas pelo pintor a óleo Toshi.

Eles passaram mais de 30 anos criando o cenário que retrata os horrores dos bombardeios atômicos dos EUA nas cidades de Hiroshima e Nagasaki no final da Segunda Guerra Mundial.

“Esta é a primeira vez que sobreviventes da bomba atômica são retratados visualmente dessa forma, por isso tem grande significado histórico”, disse Okamura, acrescentando que a galeria espera restaurar outros painéis, por sua vez, se os fundos permitirem.

Em 1953, também foram realizadas exposições na Europa e na Ásia, e o casal foi agraciado com a Medalha de Ouro do Conselho Mundial da Paz no mesmo ano.

O trabalho artístico do casal não se concentra apenas nos japoneses como vítimas – também retrata o sofrimento infligido pelos japoneses.

Os Marukis também lidaram com outros assuntos relacionados à guerra, como o Massacre de Nanjing, o campo de concentração de Auschwitz e a Batalha de Okinawa. Iri morreu em 1995 com 94 anos de idade e Toshi falecer em 2000 aos 87.

Fontes: Kyodo News, Japan Times e Japan Today.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link