Japonês com doença terminal relata seus dias pelo Twitter e mostra como aproveitar a vida

Um japonês com doença terminal em Tóquio, de apenas 35 anos, foi informado de que teria apenas cinco meses de vida devido a uma doença visceral. Ele tem escrito nas redes sociais sobre seu transtorno dissociativo de identidade (TDI), causado pelo trauma do abuso infantil que ele há muito tempo trancado.

Diante de sua própria mortalidade, ele agora enfrenta seu passado, com o apoio de sua esposa e mais de 10.000 seguidores no Twitter.

Conheça mais sobre sua história e como deixou de ser um workaholic para começar a aproveitar seus últimos dias.

O japonês com doença terminal e sua conta no Twitter

Masaharu Hoshida (um pseudônimo) do distrito de Shinjuku, em Tóquio, usa o Twitter com o nome de conta “Hosshi – curtindo o resto da vida” (@panda5959). Ele mora com sua esposa de 34 anos, filha de 4 anos e filho de 9 meses. Hoshida já trabalhou como roteirista de rádio e TV, escritor freelancer, secretário particular de um legislador Diet, entre outros empregos, e abriu várias empresas. Ele tinha orgulho de ser um workaholic.

Foi na época em que ele estava trabalhando na fundação de uma liga profissional de sinuca que foi diagnosticado com uma doença visceral severa. Em 16 de dezembro de 2020, foi-lhe dito que tinha “cinco meses” de vida. Ele acessou o Twitter em 28 de fevereiro deste ano quando estava no hospital e escreveu sobre sua situação e poucos dias de vida.

Relembrando aquela época, Hoshida deu entrevista ao jornal Mainichi e declarou: “Raramente conseguia ver minha amada esposa e filhos por causa da pandemia do coronavírus, e o tratamento era angustiante. As enfermeiras estão ocupadas (no hospital) e não têm tempo para prestar atenção em mim o tempo todo. Eu realmente não tinha nada pelo que ansiar. ”


Leia também:


Quando olhou para o telefone na manhã seguinte, teve uma surpresa. Sua contagem de seguidores, que era um pouco mais de 900, chegou a 10.000 durante a noite. Sua postagem da noite anterior teve mais de 11.000 curtidas.

“Contei a minha esposa sobre isso e ela ficou feliz por mim, dizendo que eu poderia ‘viver mais 30 anos’”, lembra Hoshida. Os likes em seu tweet de seguidores que ele nem conhecia continuaram crescendo, e agora tem mais de 280.000 likes. Se um like significasse um dia a mais de vida, Hoshida viveria pelo menos mais 770 anos.

“Sentindo que muitos seguidores se aproximavam de mim, as mídias sociais se tornaram um novo lugar. É a única coisa em que posso confiar ao lado de minha esposa”, disse ele. Hoshida então decidiu compartilhar com seus seguidores o trauma do abuso, algo sobre o qual ele nunca poderia falar no passado.

O dia 16 de maio marcou o limite de “cinco meses” dado por seu médico. Em 27 de maio, Hoshida foi readmitido no hospital depois que sua condição piorou.

Ainda assim, ele atualizou seus objetivos: escrever uma autobiografia e chegar a 50.000 seguidores no Twitter. Ele também quer aumentar a conscientização pública sobre a “marca de ajuda” – um distintivo usado por aqueles que precisam de apoio e cuidados especiais enquanto estão fora. Hoshida também é um usuário de ajuda.

“Ainda posso mover meus olhos e mãos, esteja em casa ou no hospital, então vou continuar no meu próprio ritmo, com meu telefone e computador como meus parceiros”, disse Hoshida.

Fonte: Mainichi.JP

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link