Kumihimo: a arte japonesa de fazer tranças e cordões

O kumihimo faz parte da cultura japonesa e nada mais é do que uma técnica de trança usada na confecção de longos fios para decoração.

Normalmente, algumas pessoas podem os usar tanto para decorar um ambiente e até mesmo como pulseiras ou colares. Outros os usam como cordões funcionais ou simplesmente os deixam balançar livremente.

Um dos grandes destaques dessa técnica é que ela é tradicional. Os fios básicos são feitos ao passar o fio pelos dedos de maneira repetitiva.

Uma das provas de sua importância está no fato de que antigos guerreiros samurais costumavam decorar suas armaduras e às vezes mantê-las unidas usando cordas kumihimo.

O tradicional Kumihimo

Durante o período Edo (1603-1867), quando as pessoas ainda usavam roupas tradicionais, a técnica de trança kumihimo era frequentemente usada para criar obijime, cordas que as mulheres amarravam em volta do cinto obi dos quimonos para prendê-las, bem como cordas que acompanhava sobretudos haori usados ​​por homens sobre quimonos.

Assim, cruzando incontáveis ​​fios de seda em ordem, cordões trançados de vários desenhos eram colocados juntos. Isso fazia com que os trabalhos de kumihimo concluídos fossem firmes e brilhantes, contendo a sensibilidade chique dos artesãos de Edo.

Com a ascensão do Shogunato Tokugawa, Edo se tornou o centro do Japão. Assim, artesãos de todo o país se reuniram ao redor da localidade.

É por conta disso que ainda existem muitos artesanatos tradicionais de Edo na capital do Japão hoje. A técnica de trançar kumihimo, que tem sido usada para uma variedade de propósitos desde muito tempo, foi aparentemente transmitida na área de Tóquio com o nome de Tóquio kumihimo, e cerca de 10 artesãos estão atualmente mantendo essa arte viva.


Leia também:


Onde encontrar o kumihimo?

Em um canto da área de Ningyocho, no distrito de Nihombashi em Tóquio – que dizem ter sido o lar de muitos artesãos durante o período Edo – fica Ryukobo, uma loja que produzia as tradicionais cordas trançadas. Ali é feito um cabo trançado kumihimo tradicional usando o método doguminihonhara.

Ao entrar na oficina, o chefe da segunda geração Takashi Fukuda, 59, e seu filho Ryuta, 27, são vistos sentados em uma posição tradicional seiza diante de mesas redondas chamadas marudai, enquanto trançam feixes de linha pendurados nelas. Os carretéis de kumidama esbarraram suavemente uns nos outros ao serem cruzados.

Ao olhar para dentro do buraco do marudai, pode-se ver os fios convergindo e se cruzando, transformando-se gradativamente em uma corda.

Diferentes tipos de mesas de trança, incluindo marudai, kakudai, ayatakedai e takadai são usados ​​dependendo da forma e do design do kumihimo.

Assim, por exemplo, o marudai redondo é usado para mitakegumi, o tipo de kumihumo mais comumente usado em cordas de quimono obijime. Existem 24 carretéis embrulhados com fios que lembram ioiôs, e uma corda com padrões uniformes é feita entrecruzando-os seguindo uma ordem intrincada. Demora cerca de uma semana para fazer uma corda com um comprimento de cerca de 150 a 160 centímetros.

Fontes: Mainichi.JP e Kumihimo.com

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link