Hospitais no Japão liberam pacientes doentes e pessoas morrem de COVID-19 em casa

Muitos dos crescentes números de pacientes com COVID-19 presos convalescendo em casa à medida que as infecções continuam a aumentar no Japão estão recorrendo às mídias sociais para processar sua ansiedade e solidão, aparentemente porque os centros de saúde pública e outros órgãos oficiais não podem fornecer o apoio de saúde necessário.

Embora um especialista tenha reconhecido que a estratégia de enfrentamento tenha certas vantagens, eles disseram que é importante fortalecer o sistema de centros públicos de saúde e instituições médicas.

Além disso, já houve casos de pessoas morrendo ao fazer o tratamento em casa.

Mortes após liberação dos hospitais no Japão

Masanori Nishizato estava se recuperando do COVID-19 em casa. Mas em meados de agosto sua condição piorou repentinamente e ele morreu sem nunca chegar ao hospital. Ele tinha 73 anos. E seu caso não é o único desse tipo no Japão.

Um recém-nascido morreu depois que uma nova paciente de coronavírus não conseguiu encontrar um hospital que a internasse e foi forçada a dar à luz em casa.

De acordo com o governo da província de Chiba e outras fontes, a mulher na casa dos 30 anos, que mora em Kashiwa, província de Chiba, testou positivo para COVID-19 e foi diagnosticado com sintomas leves. Ela estava no oitavo mês de gravidez. Ela estava com febre, mas não pôde ser hospitalizada por causa de seus sintomas leves a partir de agosto 15. Ela foi considerada inelegível para um programa que prioriza mulheres na 36ª ou mais semanas de gravidez para hospitalização.


Leia também:


A solidão dos doentes após a liberação dos hospitais no Japão e outros problemas no tratamento

Assim, os pacientes precisam ficar em casa fazendo seus tratamentos. Entretanto, esses tratamentos presumem que a pessoa deve estar sozinha.

Postagens on-line esboçavam uma foto de pacientes se sentindo impotentes e sofrendo de seus sintomas, sem contato de seus centros de saúde locais. Uma hashtag que se traduz aproximadamente como “Todos lutando contra o coronavírus, vamos conversar”, foi anexada a esses posts para que fosse fácil para as pessoas na mesma situação encontrá-los.

Essa é uma das maneiras que as pessoas têm encontrado para ficarem menos solitárias nesse momento.

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar exige que os governos locais entrem em contato com os pacientes em casa pelo menos uma vez por dia para monitorar sua saúde. No entanto, já há relatos de que os centros de saúde só entram  em contato com ela uma vez em um período de cerca de 10 dias.

Além disso, a comida que deveria ser enviada pela prefeitura só chega uma semana depois, o que faz com que a recuperação em casa seja ainda mais prejudicada.

Koji Wada, professor de saúde pública da Universidade Internacional de Saúde e Bem-Estar, reconheceu o efeito que as mídias sociais têm, dizendo: “Isso dá aos usuários um sentimento positivo compartilhando experiências”. Por outro lado, ele expressou sua preocupação de que “quanto mais informações houver, maior a probabilidade de que histórias de autenticidade desconhecida se misturem”.

Ele acrescentou: “É essencialmente papel dos centros de saúde públicos e instituições médicas fornecer aconselhamento a pacientes infectados. A habilidade dos governos locais está sendo questionada, em termos de se eles podem estabelecer um sistema de apoio para pacientes que ficam em casa.”

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link