Como é passar um dia com um morador de rua de Tóquio

A vida de um morador de rua de Tóquio, bem como no Japão inteiro, é motivo de curiosidade para muitas pessoas. Afinal de contas, o país é um dos mais ricos do mundo e é conhecido por sua extrema organização. Entretanto, mesmo assim, existem pessoas que acabam em situação de rua.

O site Real Japan levou um de seus jornalistas para viver a experiência de passar um dia com um desses moradores. Veja aqui como foi.

Como encontrar um morador de rua de Tóquio

Primeiro, eu tive que localizar meus futuros sujeitos de pesquisa. Então, como encontrar moradores de rua em Tóquio? Google, é claro. Depois de algumas pesquisas, encontrei um grupo de moradores de rua no Parque Yoyogi que dá aulas de arte semanais abertas ao público. Surpreendentemente, o e-mail de sua líder estava listado na página. Os sem-teto no Japão têm internet? Eu rapidamente afastei o pensamento espontâneo e enviei uma correspondência excessivamente educada para compensar a culpa. Imagine minha surpresa quando ela respondeu.

“Vejo você na segunda-feira na próxima semana às 12 / Sato (nome fictício)”

A aldeia da tenda azul: uma visita guiada com um morador de rua de Tóquio

Sato-san me cumprimentou na entrada do Parque Yoyogi e prontamente se apresentou como uma “ativista sem-teto”. Eu me sentia mais do que um pouco nervoso, com receio de dizer algo inapropriado. Ela continuou dizendo que havia se mudado para o parque por vontade própria em 2003 e que está sem-teto desde então.

“Esta é a aldeia de tendas. Quando me mudei para cá, havia centenas de tendas. Mas as autoridades nos expulsaram e agora faltam apenas 30 pessoas. ”

O aglomerado de grandes tendas azuis parecia surpreendentemente caseiro. A roupa suja pendurada em cordas entre as árvores, mesas e cadeiras foram colocadas no chão, e algumas pessoas penduraram arte fora de suas tendas. Mas, independentemente da limpeza, eu só podia imaginar como o solo deve ficar lamacento no tempo chuvoso e como deve ser frio no inverno.

Sato-san apresentou-me aos residentes da aldeia. Alguns estavam desconfiados, outros pareciam ligeiramente interessados. Eu compensava sorrindo demais, o que, olhando para trás, pode ter me feito parecer um pouco demente.

Tarde de arte com um morador de rua de Tóquio

giz de cera “Hoje estamos pintando com giz de cera”, disse Sato-san. Obediente, peguei um giz de cera vermelho e ataquei o pobre pedaço de papel à minha frente (nunca fui bom em desenho). Um homem magro trouxe-me bolos de arroz e chá com um sorriso. “Por favor, aproveite”, disse ele em inglês. Eles estavam mofados.

Alguém contou uma piada e, sem mais nem menos, a atmosfera gelada derreteu. Antes que eu percebesse, eu estava sorrindo e brincando com eles. Conversamos sobre verões úmidos em Tóquio.


Leia também


A yakuza e a relação com os moradores de rua de Tóquio

Eles me contaram como a yakuza (máfia) tenta forçá-los a trabalhar gratuitamente nas obras.

Além disso, também possuem medo dos grupos de jovens que matam moradores de rua. Como é difícil conseguir um emprego sem endereço. É muito mais seguro ficarmos juntos na aldeia de tendas do que dormir na rua.

Confronto com as autoridades

Como um raio inesperado, uma dúzia de guardas do parque apareceu de repente do nada. Eles estavam gritando agressivamente com o homem magro que me ofereceu bolos de arroz. Em um minuto, a discussão se transformou em uma luta violenta entre os sem-teto e as autoridades.

Sato-san estava lançando comentários ácidos aos guardas, citando a lei japonesa de memória. Eu finalmente entendi por que ela se autodenominava ativista sem-teto. Ela era magnífica.

Fonte: Real Japan.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link