A força de autodefesa do Japão: contra “ameaça comunista” à ajuda humanitária

A força de autodefesa do Japão pode ser entendida por qualquer um como um exército. Entretanto, ela possui algumas características próprias, como, deveria somente ser de defesa e não de ataque.

Apesar de algumas modificações terem acontecido nos últimos anos, ainda é fato que o Japão não possui forças armadas aos moldes dos EUA, por exemplo.

Conheça aqui um pouco mais sobre a força de autodefesa do Japão e como ela foi criada pelos EUA depois da II Guerra Mundial para o país ajudar a combater uma possível ameaça comunista na Ásia.

A força de autodefesa do Japão

Em primeiro lugar, todos os problemas e controvérsias relacionadas às forças armadas no Japão precisam ser considerados à luz do Artigo 9 da constituição japonesa do pós-guerra (estabelecida em 1947) – que afirma:

“ARTIGO 9. Aspirando sinceramente a uma paz internacional baseada na justiça e na ordem, o povo japonês renuncia para sempre à guerra como um direito soberano da nação e à ameaça ou uso da força como meio de resolver disputas internacionais. (2) Para cumprir o objetivo do parágrafo anterior, as forças terrestres, marítimas e aéreas, bem como outros potenciais de guerra, nunca serão mantidos. O direito de beligerância do estado não será reconhecido. ”

Grupos nacionalistas dizem que a constituição não é fundamentalmente válida, dado como a constituição foi “imposta” ao povo japonês pelas forças de ocupação / americanas, mas isso é um debate e confusão totalmente diferente. Como você pode ver acima, há um problema de ambiguidade.

A constituição proíbe todas as formas de forças armadas e “potencial de guerra”? Ou proíbe o “potencial de guerra” apenas quando é usado “como meio de resolver disputas internacionais”? E, em caso afirmativo, onde se traça a linha entre o que está de acordo com tal condição e o que não está?

Essas são ambiguidades que surgiram e ressurgiram toda vez que há um debate sobre os militares no Japão. Mas o fato é que desde a derrota do Japão as coisas mudaram enormemente. Além do debate jurídico perfeitamente aberto à interpretação, é preciso verificar como foi interpretado e como essa interpretação mudou.


Leia também


A criação da força de autodefesa do Japão e combate ao comunismo

Vou tornar as coisas mais fáceis e fazer algo semelhante a uma linha do tempo, detalhando os principais eventos relacionados à história do Japão.

1947 – Adaptação da Constituição do Pós-guerra (Showa)

Neste ponto, o Japão não tem exército e a constituição é interpretada como proibitiva.

1950 – Início da Guerra da Coréia

O Japão e os EUA começam a ficar nervosos com o fato de o Japão estar virtualmente indefeso. Não apenas há forças aliadas na Coréia, mas também havia a possibilidade de uma vitória comunista na península coreana.

Assim, é criada a Reserva da Polícia Nacional com armamento leve.

1954 – Promulgação da Lei das Autodefesas

A Reserva Nacional da Polícia foi reorganizada nas Forças de Autodefesa do Japão (JSDF) com as Forças de Autodefesa Terrestre, as Forças de Autodefesa Naval e as Forças de Autodefesa Aérea claramente demarcadas.

1959 – Incidente Sunakawa

O tribunal regional de Tóquio determina que as forças americanas em solo japonês são ilegais.

A Suprema Corte do Japão anula a decisão dizendo que o artigo 9 da constituição é aplicável às forças japonesas, mas não às forças estrangeiras (americanas) no Japão que tenham capacidade ofensiva.

1960 – Tratado de Cooperação e Segurança Mútua entre os Estados Unidos e o Japão

Basicamente, uma emenda a um tratado assinado pela primeira vez em 1952. Ambas as partes concordam em se ajudar, no entanto, o Japão não está autorizado a enviar forças para os EUA no caso de um ataque devido ao artigo 9.

Também permitiu que os EUA instalassem bases no Japão.

Entretanto, ocorrem protestos massivos de estudantes e militantes com mais de 100 mil parlamentares ao redor.

Gabinete renuncia para “assumir a responsabilidade”, mas o tratado segue em frente.

Este governo evita questões militares contenciosas e concentra-se na economia. Alguns pontos a serem observados:

O Japão manteve, com poucas exceções, um teto para gastos militares de 1% do PIB ao ano. O princípio adotado é praticamente manter a quantidade mínima de energia e usá-la no nível mais baixo possível para garantir a defesa do Japão – Ele também criou e seguiu seu conjunto de “Três Princípios Não Nucleares” – Não fazendo nenhum, não tendo nenhum , e não importar nenhum. (As tropas americanas em solo japonês são uma questão diferente)

À medida que a Segunda Guerra Mundial se afasta, o JSDF se torna cada vez mais aceito.

1992 – Aprovação da Lei de Cooperação de Operações de Manutenção da Paz

A lei foi aprovada permitindo o envio do JSDF para operações de manutenção da paz / humanitárias após o aumento de questões sobre a contribuição do Japão para a comunidade internacional – o JSDF foi despachado para o Camboja no mesmo ano. Marca um claro afastamento da política de apenas no Japão do JSDF.

Além disso, no começo dos anos 2000 ainda houve a guerra no Afeganistão em que o Japão cooperou ao lado dos EUA.

Podemos ver então, como essa força militar presente no Japão foi se transformando ao longo dos anos. Passando desde uma luta contra o comunismo chegando até a ajudar em intervenções militares e a auxiliar com ajudas humanitárias para a manutenção da paz.

Fonte: Tofugu.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link