Japão abre fronteiras para mais seis países. Confira como será entrada de brasileiros

O Japão vai reabrir fronteiras para alguns titulares de visto como parte das mudanças na política de quarentena. Essa é uma ótima notícia para aqueles que pretender ir ou voltar para o país.

Em uma grande mudança nas medidas de controle de fronteira, o Japão passou a permitir a reentrada de todos os repatriados de seis países listados na lista de proibição por causa da disseminação da variante delta altamente contagiosa do coronavírus.

Japão abre fronteiras

Os seis países – Afeganistão, Bangladesh, Índia, Maldivas, Nepal e Sri Lanka – foram cobertos por uma proibição quase total de entrada de cidadãos estrangeiros, incluindo aqueles que foram vacinados e aqueles com um status de residência válido no Japão.

A proibição de entrada foi imposta no início deste ano como parte das medidas de quarentena do Japão para todos os estrangeiros que passaram algum tempo nos seis países dentro de 14 dias antes de sua chegada prevista.

O governo anunciou ainda na semana passada que a medida, introduzida em junho, seria suspensa para as seis nações.

O fim da proibição de entrada para os seis países é parte de uma grande revisão da política de quarentena do Japão. Com a mudança, o governo introduziu uma estadia obrigatória de três dias em instalações designadas pelo governo para viajantes de mais de 40 países e regiões devido à propagação do coronavírus e suas variantes, em particular.

Chegadas sujeitas à medida obrigatória de três dias deverão passar por testes para COVID-19 no terceiro dia de sua estadia em isolamento após a entrada no Japão, além de um teste realizado na chegada.

Aqueles com teste negativo poderão retornar para suas casas no Japão ou para uma instalação de sua escolha pelo restante do período de quarentena de 14 dias.


Leia também


Japão abre fronteiras para brasileiros?

Uma das maiores questões é: e os brasileiros? Esses já podem entrar no Japão.

Entretanto, precisam seguir as mesmas medidas elencadas anteriormente.

A medida se aplicará a: Afeganistão, Argentina, Bangladesh, Bélgica, Bolívia, Brasil, Grã-Bretanha, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Dinamarca, Dominica, Equador, Geórgia, Grécia, Índia, Indonésia, Cazaquistão, Quirguistão, Líbia, Malásia , Maldivas, Moçambique, Mianmar, Nepal, Paquistão, Paraguai, Peru, Filipinas, Portugal, Rússia (mas apenas chegadas de Khabarovsk e Moscou), Seychelles, África do Sul, Espanha, Sri Lanka, Suriname, Tanzânia, Trinidad e Tobago, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Uruguai, Uzbequistão, Venezuela e Zâmbia.

Os viajantes vindos de outros países e regiões ainda precisam se isolar depois de entrar no Japão.

De acordo com a política revisada, o governo reavaliou os riscos de viagem com base em fatores como o número de infecções em cada um dos países ou regiões listados, o risco de propagação de variantes e os respectivos lançamentos da vacina COVID-19 nos países.

Se necessário, o governo disse que iria reimpor medidas de quarentena mais rígidas, como uma estadia mais longa obrigatória em instalações escolhidas pelo governo ー por seis ou 10 dias ー junto com testes adicionais para o coronavírus. Essas regras podem ser reintroduzidas se a situação do coronavírus no exterior piorar. Essas medidas provavelmente seriam acompanhadas por uma proibição de entrada para alguns cidadãos estrangeiros, incluindo residentes do Japão.

Atualmente, todas as pessoas que entram no país devem isolar-se por 14 dias em casa ou em outras instalações e não devem usar transporte público durante esse período.

Apesar das promessas anteriores do governo de encurtar o período de quarentena para pessoas inoculadas contra o coronavírus de 14 para 10 dias, isso não faz parte das últimas mudanças.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link