Shikinen Sengu: o ritual japonês que constrói santuários para depois destruí-los

Um dos rituais mais interessantes do Japão é o Shikinen Sengu. Ele é um símbolo do país em se reconstruir e em ter paciência.

Assim, imagine levar 8 anos para construir não apenas 1, mas 2 santuários deslumbrantes feitos de cipreste japonês, e 12 anos depois para derrubá-los e começar de novo? Isso é exatamente o que acontece no Santuário de Jingu em Isu City, Prefeitura de Mie, em um ciclo de 20 anos que faz parte da cerimônia de ‘Shikinen Shengu’. A última aconteceu em 2013 e a próxima está prevista para 2033!

O santuário do Shikinen Sengu

Adjacente ao santuário principal, onde fica o palácio sagrado de Amaterasu-Omikami, está um local exatamente do mesmo tamanho. Um novo edifício com as mesmas dimensões do atual é construído neste local alternativo a cada 20 anos. 

Os tesouros divinos a serem colocados dentro do palácio sagrado também são refeitos. Depois de preparados, o espelho sagrado, símbolo de Amaterasu-Omikami, é levado para o novo santuário pelos sacerdotes Jingu. Este ritual é chamado de Shikinen Sengu . É realizado em Geku e outros jinja também.


Leia também


A história e o significado do Shikinen Sengu

O primeiro Shikinen Sengu foi realizado há 1.300 anos. Embora a tradição Shikinen Sengu tenha sido temporariamente suspensa às vezes devido à guerra nos séculos 15 e 16, ela continuou a ser uma parte importante dos rituais de Jingu até os dias atuais.

Shikinen Sengu envolve 32 rituais e cerimônias. Começa com o corte ritual das primeiras árvores para os novos edifícios e continua até a transferência do espelho sagrado, oito anos depois.

A madeira é fundamental para a civilização japonesa. Os conceitos de sustentabilidade e reutilização e manutenção de know-how e competências são considerados mais importantes do que a própria existência física de uma estrutura ou edifício. 

Esta é a essência da “eternidade”, tal como é expressa em Jingu, e a razão para escolher construir e reconstruir habitações para os kami, em vez de estruturas permanentes de pedra.

Até hoje, somos capazes de participar do mesmo matsuri (festival) que foi realizado por nossos ancestrais e compartilhar uma espiritualidade comum com eles por meio da re-consagração cíclica de Amaterasu-Omikami. Shikinen Sengu é um retorno temporal e espacial às origens que se estende por gerações. Ele ressoa na alma de nossos ancestrais e é um presente para o futuro.

Shikinen Sengu desempenha outro papel muito importante, permitindo a transferência de nossa habilidade técnica e espírito para a próxima geração. Esta transferência mantém nosso patrimônio arquitetônico e mais de 1.000 anos de tradição artística envolvendo a confecção dos tesouros divinos – incluindo 714 tipos diferentes de objetos sagrados. 

Depois de Shikinen Sengu, o edifício do santuário anterior é desmontado e a maior parte da madeira é concedida a outro jinja em todo o Japão para ser reutilizada. 

Os pilares principais que sustentam o telhado do santuário principal são tradicionalmente reutilizados para o portão torii sagrado na Ponte Ujibashi na entrada de Naiku.

Fontes: Japan Woodcraft Association e Japan Forward.

 

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link