Condenados a pena de morte no Japão não sabem o dia que serão executados, são avisados somente 1 hora antes

Os condenados a pena de morte no Japão nunca sabem qual será o último dia deles. Essa terrível espera já pode ser vista como parte da pena a que foram condenados.

Além disso, até o ano de 2020, nem mesmo as famílias das vítimas dos condenados à pena capital no Japão não sabiam quando os culpados seriam executados.

A pena de morte no Japão e o dia da execução

O Japão é uma das duas únicas democracias de primeiro mundo no mundo, junto com os EUA, a matar seus próprios cidadãos.

Ao contrário dos Estados Unidos, onde as datas de execução são definidas com antecedência, os prisioneiros no Japão são executados com muito poucos avisos e são informados de que morrerão na manhã de sua execução – geralmente cerca de uma hora antes.

O Comitê das Nações Unidas contra a Tortura criticou o Japão pela tensão psicológica que isso impõe aos presidiários e suas famílias.

As execuções acontecem por meio de enforcamento – onde seu pescoço é rapidamente quebrado com uma corda e um alçapão.

Uma venda e um capuz preto são colocados sobre a cabeça do prisioneiro antes de serem mortos.

Três agentes penitenciários pressionam botões simultaneamente para abrir a armadilha, de modo que não fica claro qual deles é o responsável.

Apenas funcionários da prisão e um padre estão presentes.

Quantas pessoas o Japão executa a cada ano?

Entre 2012 e 2016, 24 pessoas foram executadas, de acordo com os dados mais recentes do Ministério da Justiça.

Os enforcamentos são anunciados depois. Desde 2007, o Ministério da Justiça divulgou os nomes e crimes dos executados.

O número anual de pessoas executadas no Japão normalmente não excede 10. Por exemplo, de 1977 a 2007, o país nunca executou mais de nove pessoas em um período de 12 meses.

E, no ano de 2020, o país não executou ninguém.


Leia também


A pena de morte no Japão e os direitos dos prisioneiros

Os condenados à morte podem apelar para a Suprema Corte. Assim, os presos condenados  podem pedir um novo julgamento mesmo após uma decisão do Supremo Tribunal, mas isso não garante a suspensão da execução.

A lei diz que a execução deve ocorrer dentro de seis meses após a sentença ser finalizada pelos tribunais, mas na prática, geralmente leva vários anos.

E, fica a a cargo do ministro da justiça decidir o momento.

O povo japonês apóia a pena de morte?

Uma pesquisa do governo de 2015 descobriu que 80,3% das pessoas apoiavam a pena de morte.

Ativistas contra a pena de morte dizem que a falta de informação e o aumento do interesse pelos direitos das vítimas estão em parte por trás do apoio.

Em 2010, o então ministro da Justiça, Keiko Chiba, que se opunha à pena de morte, autorizou duas execuções e abriu uma câmara de execução para a mídia pela primeira vez, na esperança de estimular o debate.

Em 2016, um grupo de advogados pediu a abolição da pena de morte até 2020, citando a possibilidade de condenações ilícitas e as tendências internacionais contra a pena de morte.

Receba GRÁTIS notícias do Japão
Copy link